Assuntos Gerais > Arquivo

O que é a normalidade?

<< < (18/29) > >>

Boreas:

--- Citação de: nuni em 13 de Maio de 2006 ---Axo que ja tou a começar a ser chato, prometo que e a ultima coisa q screvo mas.....no dicionario diz:
antinatural
adj. 2 gén.,
contrário às leis da natureza.  in http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx

Por isso a natureza nunca nos disse para comer de faca e garfo, a natureza preparo-nos pa ter filhos. E sinceramente a unica coisa q sei que esta provado cientificamente é que todos os mamiferos sao bissexuais (nos e q temos a mania q nao) mas nada s diz sobre seres homossexuais para equilibrar o numero de individuos. Corrijam-me se tou errado.

OKOK hj nao digo mais nada :-X ;D :P

--- Fim de Citação ---


Onde leste essa teoria que todos os mamiferos são bissexuais?


E como curiosidade:
Pela definição de matematica de normalidade, prevê-se que exista uma variação em gradiente da nossa variavel (neste caso atracção). Normalmente os dados que se adquam à distribuição normal traçam uma curva em forma de sino, onde os valores do meio tem maior numero de representantes que os dos extremos.
Se a sexualidade se enquadrasse nesse modelo directamente, a previsão seria que existia uma maioria de pessoas bissexuais contrariamente ao convencionado.
De qualquer modo...vendo nesse prisma a normalidade matematica prevê a existencia de mais do que uma tendencia sexual, logo por si só todas as tendencias existem variando apenas a probabilidade de um individuo se inserirem uma.

 

lost.passenger:

--- Citação de: centro_da_gravidad em 11 de Novembro de 2006 ---2) Não existem estudos que eu saiba que mostrem que as pessoas hoje no presente são perfeitamente normais...lá por não serem psicopatas assassinos ou se terem mandado para debaixo de um carro não quer dizer que sejam normais!
--- Fim de Citação ---


O que é uma pessoa "normal"? ::)

Wasserfest:

--- Citação de: lost.passenger em 15 de Novembro de 2006 ---O que é uma pessoa "normal"? ::)

--- Fim de Citação ---

Pessoas sem disturbios psiquicos!

Topolino:

--- Citação de: centro_da_gravidad em 15 de Novembro de 2006 ---
--- Citação de: lost.passenger em 15 de Novembro de 2006 ---O que é uma pessoa "normal"? ::)

--- Fim de Citação ---


Pessoas sem disturbios psiquicos!

--- Fim de Citação ---


Sinais/ Sintomas de Distúrbios Psíquicos

Depressão, angústia, estresse, crises de incompetência, crises de choro, mal-estar físico e mental;
Cansaço exagerado, falta de interesse pelo trabalho, irritação constante;
Insônia, alterações no sono, pesadelos;
Diminuição da capacidade de concentração e memorização;
Isolamento, tristeza, redução da capacidade de se relacionar com outras pessoas e fazer amizades;
Sensação negativa em relação ao futuro;
Mudança de personalidade, reproduzindo as condutas de assédio moral;
Aumento de peso ou emagrecimento exagerado, aumento da pressão arterial, problemas digestivos, tremores e palpitações;
Redução da libido;
Sentimento de culpa e pensamentos suicidas;
Uso de álcool e drogas, e Tentativa de suicídio.

JUSTIFICATIVAS PARA INICIAR O DEBATE JURÍDICO NO BRASIL SOBRE A SAÚDE MENTAL NO TRABALHO
LUIZ EDUARDO GUIMARÃES BOJART in: http://www.prt18.mpt.gov.br/eventos/saude_mental_palestras/bojart/tsld030.htm

Todas as pessoas já tiveram nalguma fase com estes sintomas e são pessoas normais. Qualquer pessoas com uma doença é uma pessoa normal mas doente. Ao utilizarmos o conceito de normalidade estamos a discriminar alguém ou algo. Se utilizamos a normalidade para definir "comum" estamos também a discriminar os outros menos "comum".

Deixo aqui a definição de normalidade:

Critérios de normalidade
        A normalidade é concebida, por um lado, como a ausência de patologia, e , por outro, como a conformidade com o tipo médio. Vale ressaltar que a média é uma medida estatística, puramente descritiva e operacional, que tende a ser considerada como regra e como valor, podendo proporcionar uma interpretação equivocada, uma vez que não leva em conta as singularidades, as dissidências e as anomalias, baseando-se em valores atribuídos ao indivíduo e ao comportamento, cuja função é avaliar e detectar a utilidade social das condutas e dos indivíduos (Doron & Parot, 2000).

        No quadro de conceituação da normalidade, existem diversos referenciais que podem ser considerados critérios para a diferenciação entre o normal e o patológico. Entre eles, podemos mencionar as quatro principais perspectivas do enfoque das ciências comportamentais e sociais para a normalidade, formuladas por Offer e Dabshin (Kaplan, 1997). São elas:

·        Normalidade como saúde: Esta perspectiva  fundamenta o enfoque psiquiátrico tradicional que diferencia saúde de doença. “A maioria dos médicos iguala normalidade com saúde, e vêem a saúde como um fenômeno quase universal” (Kaplan, 1997, p.18). Entende-se, desta maneira, que os sinais e os sintomas que estejam em “desajuste” com o que é comum (ou normal), são um sinal de que algo está errado (ou é anormal). Por outro lado, a falta de sinais e sintomas indicaria um organismo saudável;

·        Normalidade como utopia: é a uma noção de normalidade embasada na idéia de conjunção harmoniosa e plena do sistema nervoso funcionando de maneira excelente. Essa concepção se fundamenta no conceito de pessoa ideal e de tratamento mais eficaz da psiquiatria e da psicanálise.

·        Normalidade como média: é baseada em uma média estatística dos estudos normativos do comportamento no qual traços da personalidade são entendidos como um meio de medida estatística ou de medida padronizada do comportamento, como no psicodiagnóstico. A variabilidade restringe-se ao contexto de grupos e não no contexto de uma pessoa. Nesse modelo, presume-se que as tipologia do caráter podem ser medidas estatisticamente (Kaplan & Sadok, 1998.).

·        Normalidade como processo: admite esta concepção que o comportamento está relacionado a situações ou a fases de desenvolvimento da personalidade, cada estágio é possuidor de características intrínsecas. A temporalidade é essencial para uma definição completa de normalidade. A teoria que mais caracteriza esta visão é a de Erik Erickson, que aborda os oito estágios evolutivos imprescindíveis  para a conquista de um funcionamento adulto maduro, quando o comportamento normal é caracterizado como o resultado final de sistemas que interagem entre si. (Kaplan, 1997).

        O diagnóstico clínico leva em consideração um, ou vários, critérios de normalidade defendidos por cada abordagem. A palavra diagnóstico significa o reconhecimento do todo através de suas partes.  Em que, Dia quer dizer separar uma parte da outra, e Gnosis significa reconhecimento, conhecimento, percepção (Andrade e Gentil, 1995). O diagnóstico médico está fundamentado no modelo hipotético-dedutivo, no qual as características apresentadas pelos clientes, sinais e sintomas, são identificados e classificados de acordo com a CID-10 (Classificação Internacional das Doenças, versão 10.).

Criando uma Realidade mais Positiva: o diagnóstico como processo
Leon Gonzaga de Vasconcelos Lopes
Psicólogo Clínico
in: http://www.hipnologia.hpg.ig.com.br/Artigos/psicopa.htm

Wasserfest:
lol
Se para refutarem o meu ponto de vista tem de me ir buscar conceitos acerca de normalidade e coisas semelhantes nem vale a pena eu incomodar-me a continuar a discussão.
Ainda tenho algumas coisas a escrever acerca das minorias étnicas terem filhos e presumivel comparação com a adopção homossexual mas não o farei agora!

Não gosto sinceramente de ser visto como um monstro lá por ter um ponto de vista diferente, coisa que infelizmente acontece com muita frequencia, não só aqui mas em muitos outros sitios!
Enquanto que muitas pessoas são correctas e mantem um discurso equilibrado, como a barthez, outras pessoas partem simplesmente para o ataque e ridicularização do ponto de vista das outras pessoas, como se fossem detentoras da verdade universal!

Este post não tem como objectivo apontar o dedo a ninguem concreto nem de criar instabilidade ou criticar o trabalho de alguem! Só o escrevo porque sinto que existem gays de primeira e gays de segunda, e se a minha opinião fosse igual à do rebanho não estaria classificado como um gay de terceira, que é essa a posição que eu ocupo agora!

Felimente sei que há pessoas com quem ainda se pode dialogar, como a Canela, com quem tive uma conversa longuissima sobre este tema onde apesar dos pontos de vista divergentes conseguimos chegar a um consenso onde estavam em harmonia partes da opinião de cada um!

Agora se venho dizer aqui algo, que não é demonstrador de homofobia nem de outra qualquer limitação visionária ou preconceito, e me recebem com paus e pedras na mão, só reforço a ideia de que as ideias diferentes não são bem vindas! Se calhar existem pessoas que tem medo que as verdades que interiorizaram sem saber porque sejam de um momento para o outro despojadas de sentido!

Para acabar só reforço que este post não é um ataque a ninguem, ou seja quem se achar ofendido por favor acabe com a mania da perseguição porque enquanto o escrevo não estou a pensar em ninguem em particular, apenas estou a descrever os meus sentimentos, e se isso for incorrecto ou for contra a conduta de bom funcionamento do forum peço desculpa, mas é-me dificil abstrair-me de qualquer e todo tipo de sentimento!

Navegação

[0] Índice de mensagens

[#] Página seguinte

[*] Página anterior

Ir para versão completa