rede ex aequo

Olá Visitante09.dez.2019, 18:41:50

Autor Tópico: Desabafos LGBT...  (Lida 352349 vezes)

 
Desabafos LGBT...
#4340

Offline interrupted

  • *
  • Novo Membro
  • Género: Feminino
Gostar de alguém não é como tu gostas, nunca foi. Nunca me trataste como eu mereço. Passo anos a dizer que mereço melhor que tu, que tu não prestas, que és a pior pessoa por quem me podia ter apaixonado... e és, sempre foste! Quando é que me trataste bem? Só quando não me podias ter, só quando sabias que não me ias voltar a ter. No dia em que me tiveste de volta, no dia em que fizemos sexo pela primeira vez, logo nesse dia mudaste comigo... Muito tempo depois, quando voltei a deixar de querer saber de ti, tu imploraste por mim, voltamos ao sexo (quantas vezes foram naquela noite?), depois disso voltaste a mudar, mas começamos a ter uma pseudo relação, em que eu te amava, em que eu implorava por ti, em que nem de 15 em 15 dias estávamos juntas, em que mal falávamos, em que nada fazias para estares comigo, na qual em fazia mais de 100km por ti (e chegaste a nem aparecer, lembras-te?) e quando estávamos juntas mal falávamos, era só sexo. Quantas vezes foste ter comigo nesses meses? Zero! Trataste-me como lixo, sempre fui a última das tuas prioridades. Amei-te, amei-te tanto, amei-te como nunca mais quero amar ninguém. Já deste conta que nunca paramos de falar nestes anos todos? E quem é que volta sempre a falar? És tu? Que raio queres de mim? Porque raio voltaste a falar comigo? Porque é que estavas a ser toda querida comigo e assim que viste que eu ainda era a mesma burra e que ia voltar a cair na tua te afastaste? Que raio queres de mim?


Só me consegues dizer palavras fofas quando não quero nada contigo? Quando estou magoada contigo? Tu sabes exatamente nos pontos onde me tocar e odeio-te por isso, vou odiar-te sempre por isso. Nunca te vou perdoar quando me deixaste à tua espera e não apareceste. Vou estar sempre magoada contigo por todos os teus amigos estarem sempre acima de mim, quando estás sempre com eles e nunca estás comigo (afinal que idade temos? Achas que eles faziam o mesmo por ti?). Odeio quando dizes que é complicado. Mas, o principal é que não me perdoo a mim e odeio-me por saber que se tu me disseres para ir ter contigo eu vou e a primeira coisa que vou querer fazer é abraçar-te e beijar-te, porque morro de saudades tuas.


Tu dás-me sempre a ilusão que mudaste, mas tu nunca mudas, tu nunca vais mudar. Até podes mudar, mas nunca terá nada a ver comigo. Dás-me sempre a ilusão que desta vez vai ser diferente, nunca é.




O que tu não sabes é que posso amar-te há anos (e hoje escrevo sobre ti porque estou profundamente magoada contigo) mas há outra pessoa que amo. Essa pessoa merece imensos elogios, apesar de estar no passado, exatamente onde tu deverias estar.


Está na altura de seguir em frente e de esquecer quem já passou e quem devia ter passado. Acho extremamente difícil conhecer raparigas/mulheres que não sejam heterossexuais. Sinto que está mais que na altura de voltar a amar e deixar para trás o que tem de estar atrás.

    Desabafos LGBT...
    #4341

    Offline Lilium¥

    • *
    • Novo Membro
    • Género: Feminino
    Não sei o que se passa comigo... A minha vida está muito melhor do que estava há um ano atrás, alcancei grandes conquistas e no entanto sinto a falta daquela pessoa que jamais vai voltar. Quando estou só é penso nela vou ao fundo e entro em depressão. Voltei a amar mas nunca estou completamente feliz. Hoje comecei a pensar que talvez deva ficar simplesmente sozinha do que viver na ilusão de que consigo voltar a entregar o meu coração passem os anos que passarem... Talvez não consiga mesmo voltar a ser feliz com alguém...
      “Ora che ho perso la vista ci vedo di più."

      Desabafos LGBT...
      #4342

      MónicaF

      • Visitante
      Não sei o que se passa comigo... A minha vida está muito melhor do que estava há um ano atrás, alcancei grandes conquistas e no entanto sinto a falta daquela pessoa que jamais vai voltar. Quando estou só é penso nela vou ao fundo e entro em depressão. Voltei a amar mas nunca estou completamente feliz. Hoje comecei a pensar que talvez deva ficar simplesmente sozinha do que viver na ilusão de que consigo voltar a entregar o meu coração passem os anos que passarem... Talvez não consiga mesmo voltar a ser feliz com alguém...


      Ei, não digas isso!! Pensamento positivo! :)


      Eu sei que é difícil esquecer alguém, leva tempo... Mas pronto! Também é bom estar só, por um tempinho, fazeres coisas por ti e para ti (não sei se isto soou bem).


      Beijinhos e n vás abaixo* !

        Desabafos LGBT...
        #4343

        sleepy_heart

        • Visitante
        Não sei o que se passa comigo... A minha vida está muito melhor do que estava há um ano atrás, alcancei grandes conquistas e no entanto sinto a falta daquela pessoa que jamais vai voltar. Quando estou só é penso nela vou ao fundo e entro em depressão. Voltei a amar mas nunca estou completamente feliz. Hoje comecei a pensar que talvez deva ficar simplesmente sozinha do que viver na ilusão de que consigo voltar a entregar o meu coração passem os anos que passarem... Talvez não consiga mesmo voltar a ser feliz com alguém...

        Estás a passar por algo que considero terrível. Esse sentimento incapacitante, de ausência ou até de "dor fantasma" é terrível... livra-te disso... essas sombras ofuscam aquilo que o presente pode potenciar. Nunca se saberá o que o futuro reserva... quem sabe não seja algo tão irreversível quanto te parece neste momento mas não vivas em função dessa esperança. Preenche a tua vida com todas essas coisas boas, positivas, com todas essas conquistas e aprende a viver sem essa "esperança/sombra" que corrói. Sozinha ou com alguém... o que importa é seres feliz! Mas elimina essa sombra e cuidado com o cérebro... começa por não cederes a tudo o que ele te pede senão esse "ciclo repetitivo" não acabará nunca. Muita força é o que te desejo porque precisas!

          Desabafos LGBT...
          #4344

          Offline Lilium¥

          • *
          • Novo Membro
          • Género: Feminino
          Não sei o que se passa comigo... A minha vida está muito melhor do que estava há um ano atrás, alcancei grandes conquistas e no entanto sinto a falta daquela pessoa que jamais vai voltar. Quando estou só é penso nela vou ao fundo e entro em depressão. Voltei a amar mas nunca estou completamente feliz. Hoje comecei a pensar que talvez deva ficar simplesmente sozinha do que viver na ilusão de que consigo voltar a entregar o meu coração passem os anos que passarem... Talvez não consiga mesmo voltar a ser feliz com alguém...

          Estás a passar por algo que considero terrível. Esse sentimento incapacitante, de ausência ou até de "dor fantasma" é terrível... livra-te disso... essas sombras ofuscam aquilo que o presente pode potenciar. Nunca se saberá o que o futuro reserva... quem sabe não seja algo tão irreversível quanto te parece neste momento mas não vivas em função dessa esperança. Preenche a tua vida com todas essas coisas boas, positivas, com todas essas conquistas e aprende a viver sem essa "esperança/sombra" que corrói. Sozinha ou com alguém... o que importa é seres feliz! Mas elimina essa sombra e cuidado com o cérebro... começa por não cederes a tudo o que ele te pede senão esse "ciclo repetitivo" não acabará nunca. Muita força é o que te desejo porque precisas!


          É tão isso que acabaste de descrever. É uma espécie de fantasma que me assombra e tenta modelar os meus pensamentos e acções. Nunca me tinha visto numa situação como esta. Estou a tentar sobrepor as coisas boas que me surgem no dia a dia, mas em alguma medida ainda estou presa e a precisar de paz interior e de acalmar o meu coração.
          Pela primeira e única vez que amei sem reservas e com a certeza de que aquela iria ser a pessoa com quem iria querer ficar a vida toda, foi tudo uma ilusão. Deitei para o lixo toda a projecção de futuro que tinha.
          Estou a criar o meu próprio presente e futuro mas parece que vivo numa saudade que não passa e ela nem me deu a chance de uma última conversa, um último abraço, um adeus...
          Simplesmente partiu e não deixou nada somente o vazio que sinto e a tristeza de já não a ver sorrir para mim, de não poder ouvir a sua voz, nada... Ela partiu e o problema foi que eu parti com ela e não sei onde fiquei, onde estou. Levou de mim coisas tão importantes que pareço ter perdido a capacidade de voltar a amar.


          Obrigada pelo vosso apoio. Tenho conversado com amigos mas ninguém parece entender. Sinto-me sozinha no meio disto tudo e já desisti de falar do assunto.
            “Ora che ho perso la vista ci vedo di più."

            Desabafos LGBT...
            #4345

            lírica

            • Visitante
            Será o nosso primeiro amor uma presença fantasma que nunca se irá dissipar?

            Porque ao receber tanto amor nestes últimos anos, essa caixa continua a ranger?! Tantas outras caixas se arrumaram no meu ser e há esta que por vezes range e me rouba do presente para uma série de memórias distantes.


            Gradient sky on me...
            https://youtu.be/LTwMPkocobw
            « Última modificação: 27 de Agosto por lírica »

              Desabafos LGBT...
              #4346

              Offline Andy 8

              • **
              • Membro Júnior
              • Género: Masculino
              • Trans Man are Man
              A minha questão agora é: como lidar com uma relação douradora, agora à distância? Como vou aguentar tantos meses sem estar com ela? Foi embora à poucas horas e já estou a sufocar.

                Desabafos LGBT...
                #4347

                Offline av123

                • *
                • Novo Membro
                • Género: Outro
                Bom dia.


                Eu queria pedir alguns concelhos e ajuda.
                Eu sou um homem trans, e ontem fui a uma ginecologista na CUF, pois a minha empresa tem um seguro que cobre maior parte do valor. Mas tive várias situações constrangedoras.
                Primeiro a médica não tinha conhecimentos das alterações do orgão para pessoas trans, e fez um pouco de pressão de que enquanto não fizer a cirurgia posso vir a ter problemas. Entrei um pouco em pânico, pois a cirurgia genital assusta-me bastante e de momento vivo bem assim, mas tenho medo de se não fizer a cirurgia posso vir a ter problemas futuros em termos ginecológicos.
                Segundo na altura de pagar o seguro não cobriu o valor normal porque ginecologistas são para MULHERES ( ainda tive de aturar o risinho a recepcionista ) -"Pois se calhar o seguro não pensa que um homem precise de ginecologista ah ah ah" (nojo) - desculpem deu-me mesmo nojo.


                Assusta-me tanto ir a um/uma ginecologista. É uma área que sempre me assustou, fico nervoso e com muito medo dos exames. Esta última médica não foi assim tão gentil. Não fiz nenhum exame, mas só o toque na observação...fiquei mesmo assustado.


                Por acaso alguém têm algum médico/médica que me posso sugerir? Agradecia muito :)

                   

                  Tópicos relacionados

                    Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
                  Músicos LGBT favoritos?

                  Iniciado por bluejazz « 1 2 ... 52 53 » Geral

                  1044 Respostas
                  162953 Visualizações
                  Última mensagem 25 de Novembro de 2013
                  por Diotima
                  Turismo LGBT ou LGBT-friendly

                  Iniciado por A1 « 1 2 3 4 » Geral

                  69 Respostas
                  18018 Visualizações
                  Última mensagem 26 de Abril de 2011
                  por SoWhat
                  5127 Respostas
                  419931 Visualizações
                  Última mensagem 25 de Junho
                  por sleepy_heart
                  14 Respostas
                  4386 Visualizações
                  Última mensagem 15 de Fevereiro de 2015
                  por miúda esquisita
                  48 Respostas
                  10589 Visualizações
                  Última mensagem 27 de Maio
                  por Fernando Pinheiro