rede ex aequo

Olá Visitante20.out.2019, 04:31:04

Autor Tópico: Notícias diversas (região Porto)  (Lida 32085 vezes)

 
Notícias diversas (região Porto)
#40

Offline Sakura

  • *****
  • Associad@ Honorári@
  • Membro Elite
  • Género: Feminino
  • "Nobody sits in my chair."
    • SNAFU
Quanto ao Clérigos Shopping e permitam-me comentar isto desta forma... foi curioso reparar na quantidade de coisas que se ouviram falar para o futuro destino daquele espaço.
Existia um rumor que iria ser construído por lá um museu. Na altura pessoalmente pensei que não seria algo de muito produtivo tendo em conta que os museus andam sempre às moscas.  ::)
« Última modificação: 4 de Maio de 2006 por Sakura-Ch4n »
    "I always felt there were two kinds of people: wolves and sheep - those who kill and those who get killed."

    Notícias diversas (região Porto)
    #41

    Offline gumby

    • *****
    • Associad@
    • Membro Elite
    • Género: Feminino
    • It is possible to see a rainbow in the dark.
    Quanto ao Clérigos Shopping e permitam-me comentar isto desta forma... foi curioso reparar na quantidade de coisas que se ouviram falar para o futuro destino daquele espaço.
    Existia um rumor que iria ser construído por lá um museu. Na altura pessoalmente pensei que não seria algo de muito produtivo tendo em conta que os museus andam sempre às moscas.  ::)

    Acrescentando a isto ainda se ouviu falar na abertura de um novo café/bar usando o espaço que havia pertencido à Pizza Hut...

    Quanto à proposta de Rui Sá de transformar o espaço no Pólo Zero da FAP, bem, não será totalmente má ideia, mas também me pergunto até que ponto é que será bem sucedido visto que está previsto que para o ano, o que resta da FCUP acabe de passar para o polo do Campo Alegre, ficando na zona apenas o ICBAS, Faculdade de Direito, e pouco mais.

      Notícias diversas (região Porto)
      #42

      Offline SafeLight

      • *****
      • Membro Vintage
      • Género: Masculino
      • Sinto-me ex aequo com o resto do mundo!
        • SafeLight Vídeos
      Quanto ao Clérigos Shopping e permitam-me comentar isto desta forma... foi curioso reparar na quantidade de coisas que se ouviram falar para o futuro destino daquele espaço.
      Existia um rumor que iria ser construído por lá um museu. Na altura pessoalmente pensei que não seria algo de muito produtivo tendo em conta que os museus andam sempre às moscas.  ::)
      Acrescentando a isto ainda se ouviu falar na abertura de um novo café/bar usando o espaço que havia pertencido à Pizza Hut...
      Quanto à proposta de Rui Sá de transformar o espaço no Pólo Zero da FAP, bem, não será totalmente má ideia, mas também me pergunto até que ponto é que será bem sucedido visto que está previsto que para o ano, o que resta da FCUP acabe de passar para o polo do Campo Alegre, ficando na zona apenas o ICBAS, Faculdade de Direito, e pouco mais.

      :-\ é de facto uma situação triste.. acabaram com a vida k akele espaço tinha, k já era meio desertico por si só..

      não percebo porké k ninguém se decide a dar nova vida ao centro da cidade..

       [smiley=muro.gif]

      Notícias diversas (região Porto)
      #43

      Offline free_thinker

      • ****
      • Membro Sénior
      • Género: Masculino
      • Ninguém é de ninguém, mesmo quando se ama alguém
        • Causas com Causa

      2ª notícia: o Presidente da Câmara do Porto pôs em tribunal uma acção contra o comentador do Público Augusto M. Seabra por este o ter chamado de "energúmeno". lol lol

      Já foi condenado o autor dessa "brincadeira"! lol
      Mais uma derrota para o Jornal Público contra Rui Rio ;D (Qual será a próxima vitima? Quem será o próximo que o Público vai desgraçar para continuar a sua cabala contra o Rio? :devil)

        Notícias diversas (região Porto)
        #44

        Offline free_thinker

        • ****
        • Membro Sénior
        • Género: Masculino
        • Ninguém é de ninguém, mesmo quando se ama alguém
          • Causas com Causa
        Turismo gay quer fazer parte do circuito oficial

        Encontrar informação específica para a comunidade gay sobre os locais a visitar no Porto não é tarefa fácil para o turista e tão-pouco é uma tarefa da autarquia. O único guia que existe é editado pelo site "portugalgay.pt", pela sua conta e risco, e entregue aos postos de turismo da Câmara que, por sua iniciativa, não produzem este tipo de informação. A organização prepara-se para editar um novo roteiro e propor a Rui Rio que crie um espaço dedicado àquela comunidade, no âmbito das visitas que promove pela cidade.

        João Paulo, responsável pelo "portugalgay.pt" (site na Internet que reúne 25 mil páginas e regista mais de cinco mil visitantes por dia), explica que os custos do guia são repartidos pelos estabelecimentos que nele são mencionados. Editado uma ou duas vezes por ano, a despesa rondou, por exemplo em 2004, os 50 euros por cada exemplar. Foram 20 mil números, alguns dos quais para a Holanda e Espanha.

        João Paulo justifica a ausência de apoio autárquico "Não pedi, nem quero pedir dinheiro. A independência permite-nos falar mais à vontade". Mas garante que não considera "Rui Rio preconceituoso".

        A seu cargo, teve, também, a organização da festa "Porto Pride", dedicada à comunidade GLBT, designação para gays, lésbicas, bissexuais e "transgenders". E também não pediu apoio. Em Lisboa, nota que 95% do evento depende da autarquia. Aliás, a capital tem um roteiro gay, que teve o apoio do ex-presidente da Câmara João Soares.

        Por ocasião do Euro 2004, a autarquia do Porto pediu-lhes, pela primeira vez, os guias. Fizeram um de propósito. Dois mil exemplares foram para os postos de turismo. Mas o roteiro é de 2002.

        A edição de Abril da revista Passport, com os melhores destinos gay do Mundo, publica uma reportagem sobre a cidade. Os jornalistas estiveram no Porto com apoio da Adeturn, mas tiveram de recorrer ao portugalgay.pt para conseguir informação.

        O JN procurou os guias nos postos de turismo. No posto junto à Câmara, a resposta foi a de que tinham esgotado e esperavam a sua reposição. Mas garantiram que o posto da Ribeira ainda tinha bastantes. A informação confirmou-se. Na última prateleira de uma estante, lá estavam algumas dezenas. Não são poucos os que solicitam ao balcão informação específica para gays.

        Pelo contrário, não vale a pena procurar o guia na recepção de um hotel, onde a informação dependerá do conhecimento do recepcionista, explicou um deles ao JN.

        O "portugalgay.pt" não tem exemplares para repor nos postos de turismo. Por isso, quer editar um novo guia. Mas João Paulo está mais entusiasmado com outro projecto. "Pela primeira vez, vamos pedir alguma coisa à Câmara", comenta. A ideia é aproveitar o que já existe e criar um espaço próprio na autarquia. João Paulo já promove, gratuitamente, visitas guiadas a turistas gays que o contactam, incluindo a caves do vinho do Porto ou outros locais típicos.

        "Há muitos conservadores, que não querem ir à discoteca, nem andam com um mapa gay na mão", conta ao JN. Quanto aos guias que trabalham para a Câmara, diz que "não têm disponibilidade mental para os acompanhar". Propõe que a Câmara tenha um tratamento diferenciado. As visitas, garante, seriam feitas por si ou outros colegas, sem custos para a autarquia. Uma forma de evitar a homofobia que diz ainda existir em demasiado.

        João Paulo diz que Rio tem a ganhar

        João Paulo, responsável pelo site "portugalgay.pt", garante que promover o turismo específico para esta comunidade permitiria à Câmara captar milhares de visitantes e muito dinheiro. "O turista gay quando vem é para gastar", conta ao JN. E "quando se soubesse por aí que a autarquia tem uma secção vocacionada para os gays, eles apareceriam em massa", assegura. João Paulo dá o exemplo de eventos promovidos em Espanha e no Canadá, que concentram mais de 20 mil gays. De sua parte, faz o que pode para promover o turismo, mas o tempo é pouco e a despesa é muita. "Casado" com o companheiro há 11 anos, e com responsabilidades familiares, gere, além do site, uma linha gratuita e faz centenas de quilómetros para aconselhar quem precisa.

        http://jn.sapo.pt/2006/06/04/porto/turismo_quer_fazer_parte_circuito_of.html

          Notícias diversas (região Porto)
          #45

          Offline Phoenix

          • *****
          • Membro Elite
          • Género: Masculino
          • Non ducor, duco
          CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

          TRATAMENTO DISCRIMINATÓRIO DO S.E.F.-PORTO LEVA TRABALHADOR IMIGRANTE AO  SUICÍDIO 

          Desaparecido há dias, depois de se ter apresentado no SEF do Porto, Hamid Hussein, operário de construção civil, com 33 anos, de nacionalidade paquistanesa e a residir há 5 anos em Portugal, pai de dois filhos menores, acabou, em virtude do estado de depressão em que se encontrava depois dos últimos contactos com o SEF, por pôr termo à vida, lançando-se do alto da ponte D.Luís I.

          Estranhamente e apesar de transportar consigo, no bolso, o seu passaporte, só no princípio desta semana o seu corpo foi localizado, depositado no Instituto de Medicina Legal do Porto, por amigos que procuravam saber do seu paradeiro, sem que de alguma forma as autoridades locais se tenham preocupado sequer em avisar o consulado do seu país. Inclusive conforme foi informado no IML, o seu corpo estaria em risco de ser incinerado ou ir parar a uma fossa comum.

          Tanto quanto se sabe, Hamid vinha tendo vários contactos com o SEF-Porto para regularização da sua situação já que, apesar de se encontrar no país há cinco anos, aquela polícia lhe vinha repetidamente exigindo várias condições – tidas como absurdas noutras delegações do SEF fora do Porto – para lhe revalidar a autorização de residência, entre elas, que perfizesse anualmente o rendimento de 5400 Euros como quantia mínima garantindo a sua sobrevivência económica. Face à generalisada precaridade de emprego, Hamid teria reclamado ultimamente a devolução do que tinha pago para a Segurança Social portuguesa e o regresso ao seu país, o que teria sido respondido no SEF com a sua expulsão das instalações daquela polícia.

          Face a esta situação, que embandeira em arco com a actual onda racista e xenófoba protagonizada pela extrema direita– dado que ela não representa um caso isolado nas relações dos imigrantes com o SEF do Porto – a associação “ESSALAM”, apoiada por diversas outras associações antiracistas e de solidariedade aos imigrantes, entre elas a AACILUS, a CNLI, a SOS Racismo, a TERRA VIVA!/Terra Vivente-AES, o Espaço MUSAS, vem convidar-vos para a CONFERÊNCIA DE IMPRENSA de emergência, que se realizará AMANHÃ, DIA 14 DE Junho de 2006 pelas 13.00 horas na sede da TERRA VIVA-Associação de Ecologia Social, na Rua dos Caldeireiros, 213, Porto (à Cordoaria).

          Nesta Conferência de Imprensa serão dadas mais informações sobre a situação dos imigrantes na região face ao SEF bem como sobre as medidas que poderão ser tomadas conjuntamente a curto prazo para que casos como este não fiquem sem resposta nem se repitam!

          VIVA A SOLIDARIEDADE INTERNACIONAL E INTERCULTURAL!

          As associações:ASSALAM – Associação de Imigrantes Magrebinos e de Amizade Luso – Árabe; AACILUSCNLI; CNLI; Espaço MUSAS; SOS Racismo; TERRA VIVA!/Terra Vivente AES

          Porto, 13 de Junho de 2006

          Na sequência do suicídio do Hamid Hussein (envio comunicado que algumas associações enviaram no dia 14) hoje houve uma concentração na Praça da Liberdade em que vários imigrantes deram o seu testemunho e falaram das injustiças cometidas pelo SEF do Porto.
          Vai haver uma nova concentração na segunda-feira as 19h na mesma praça, vão-se organizar alguns grupos de trabalho para organizar uma manifestação na qual se quer manifestar o repudio à violência cometida contra os imigrantes e começar a formar um movimento contra o racismo.

          fonte: Movimento Humanista

          Para tod@s que puderem, não deixem de particpar da concentração a realizar-se na Praça da Liberdade na próxima segunda-feira dia 19/06 às 19h00 pois só assim poderemos contribuir para uma sociedade mais justa para tod@s!
          « Última modificação: 18 de Junho de 2006 por Phoenix »
                

            Notícias diversas (região Porto)
            #46

            Offline Phoenix

            • *****
            • Membro Elite
            • Género: Masculino
            • Non ducor, duco
            TRATAMENTO DISCRIMINATÓRIO DO S.E.F.-PORTO LEVA TRABALHADOR IMIGRANTE AO  SUICÍDIO 


            Para tod@s que puderem, não deixem de particpar da concentração a realizar-se na Praça da Liberdade na próxima segunda-feira dia 19/06 às 19h00 pois só assim poderemos contribuir para uma sociedade mais justa para tod@s!


            Para quem puder ir, nos encontramos as 19h00 na Praça da Liberdade!  ;)


            Artigo 13.º
            (Princípio da igualdade)

            1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.

            2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.[/url]
            « Última modificação: 19 de Junho de 2006 por Phoenix »
                  

              Notícias diversas (região Porto)
              #47

              Offline Phoenix

              • *****
              • Membro Elite
              • Género: Masculino
              • Non ducor, duco

              20-06-2006 2:15:00.  Fonte LUSA.    Notícia SIR-8097133
              Temas:  sociedade portugal imigração porto

              Porto: Imigrantes protestam contra forma como dizem ser tratados pelo SEF

               
              Porto, 20 Jun (Lusa) - Dezenas de imigrantes de origem maioritariamente paquistanesa, indiana e magrebina manifestam-se sábado em protesto contra a forma como são tratados pela delegação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras desta cidade.

              A manifestação, seguida de marcha, foi decidida numa concentração realizada segunda-feira na Praça da Liberdade na sequência do suicídio de Hamid Hussein, um paquistanês de 33 anos que recentemente se atirou da Ponte D. Luís I ao rio Douro.

              Segundo os manifestantes, Hamid Hussein, pai de dois filhos, encontrava-se em depressão há bastante tempo devido à forma como era tratado pela delegação do Porto do SEF, onde tentava revalidar a sua autorização de residência.

              Segundo a Essalam (Associação de Imigrantes Magrebinos e de Amizade Luso-Árabe), aquele imigrante, que se encontrava em Portugal há cinco anos, estava a deparar-se com dificuldades no processo de revalidação da autorização de residência.

              De acordo com a mesma fonte o SEF exigia um comprovativo em sede de IRS de que o imigrante auferia de um rendimento anual de pelo menos 5.400 euros.

              Face à impossibilidade de o provar, e alegadamente desiludido pela forma como estava a ser tratado, Hussein terá exigido a devolução das contribuições que fez à Segurança Social, para com esse dinheiro regressar ao Paquistão, pretensão que não terá sido satisfeita.

              Poucos dias depois, o imigrante desapareceu, tendo um grupo de conterrâneos iniciado uma busca que terminou com a localização do seu cadáver no Instituto de Medicina Legal.

              A forma como o corpo de Hamid Hussein foi tratado causou nova indignação na comunidade imigrante, pois, apesar de ter sido encontrado com o passaporte no bolso, não foi feito qualquer esforço, segundo aquela associação, para informar os familiares da sua morte.

              "Disseram-nos que se não tivéssemos aparecido ele iria ser cremado", afirmou à Agência Lusa um dos seus amigos, presente na concentração de segunda-feira.

              Segundo um dirigente da Essalam, as delegações do SEF de outros distritos, como os de Coimbra, Lisboa ou Faro, "usam critérios muito mais humanos no seu relacionamento com os imigrantes, não lhes exigindo carimbo atrás de carimbo ou outras burocracias sem sentido, como acontece no Porto".

              Num plenário improvisado durante a concentração de segunda- feira, os imigrantes decidiram promover sábado, ao fim da tarde, uma nova manifestação na baixa do Porto, seguida de marcha por várias artérias da cidade, para exigir a uniformização de critérios e de tratamentos nas delegações do SEF de todo o país.

              A iniciativa, organizada em colaboração com a associação portuguesa Terra Viva, conta com a solidariedade de organizações como a AACILUS, Comissão Nacional para a Legalização de Imigrantes, SOS Racismo, Espaço Musas e Terra Vivente AES, entre outras.

              MSP Lusa

              fonte: http://www.lusa.pt/print.asp?id=SIR-8097133
                    

                Notícias diversas (região Porto)
                #48

                Offline Phoenix

                • *****
                • Membro Elite
                • Género: Masculino
                • Non ducor, duco
                Eleição da Miss Transexual Internacional sábado no Porto
                Iniciativa será precedida de uma concentração das concorrentes em homenagem a Gisberta

                Dez transexuais de cinco nacionalidades participam sábado, no Porto, na eleição da Miss Transexual Internacional 2006, anunciou hoje no Porto fonte da organização do evento.

                   Esta iniciativa, que se realiza pela segunda vez no Porto, tem a participação de transexuais do Brasil, Suíça, Espanha, Itália e Portugal e tem lugar na discoteca Pride.

                   A iniciativa será precedida, sexta-feira, às 19:30, de uma concentração das concorrentes em homenagem ao transexual Gisberta, assassinado em Fevereiro, no Porto.

                   A concentração terá lugar junto ao parque de estacionamento do Campo 24 de Agosto onde foi encontrado o corpo de Gisberta Salce Júnior, numa iniciativa destinada a lutar contra a homofobia.

                   Esta concentração segue-se à efectuada no último dia 08, quando participantes na Marcha do Orgulho Lésbico, Gay, Bissexual e Transgénero (LGBT) também ali compareceram para chamar a atenção para a luta contra a discriminação.

                fonte: http://jn.sapo.pt/2006/07/20/ultimas/Elei_o_da_Miss_Transexual_Int.html


                Com o apoio também da rede ex aequo

                Eu também vou lá estar, se puderem apareçam!  ;)
                « Última modificação: 21 de Julho de 2006 por Phoenix »
                      

                  Notícias diversas (região Porto)
                  #49

                  Offline Scorpio_Angel

                  • *****
                  • Membro Vintage
                  • Género: Feminino
                  • I faced it all and I stood tall; And did it My Way
                    • My Way

                  Caso Gisberta: 13 menores condenados entre 11 e 13 meses de internamento
                  [/size]
                   
                  "Porto, 01 Ago (Lusa) - O Tribunal de Família e Menores do Porto (TFMP) condenou hoje os 13 menores envolvidos nos maus-tratos ao transsexual Gisberta, encontrado morto num fosso de um prédio, a penas entre os 11 e os 13 meses de internamento em centros educativos.

                  O tribunal dividiu a condenação em três grupos de menores, com penas diferenciadas.

                  Um primeiro grupo, de seis, foi condenado pela prática de crimes de ofensas à integridade física qualificada na forma consumada e crimes de profanação de cadáver na forma tentada, tendo-lhes sido aplicada a medida tutelar de internamento em centro educativo em regime semi- aberto, pelo período de 13 meses.

                  O segundo grupo, de cinco menores, foi condenado pelo crime de ofensa de integridade física na forma consumada, com medida tutelar de internamento em centro educativo pelo prazo de 11 meses.

                  O terceiro grupo, constituído por dois menores, foi condenado pelo Tribunal pelo crime de omissão de auxílio, com medida tutelar de acompanhamento educativo pelo prazo de 12 meses.

                  Nos dois primeiros casos, o tempo já passado pelas crianças em centros educativos não será descontado no período da pena.

                  A leitura da sentença começou pelas 14:30 e foi aguardada por alguns amigos e familiares dos menores, que tiveram de permanecer à porta do tribunal onde decorreu a sessão, devido a limitações de espaço.

                  Minutos antes, pelas 14:00, os 13 menores chegaram ao Tribunal transportados em três carrinhas e escoltados por duas viaturas da PSP.

                  Embora a leitura da sentença tenha sido pública, ao contrário do que aconteceu nas sessões para produção de prova, só podiam entrar na sala de audiências parentes mais próximos dos menores e um grupo de três jornalistas, precisamente devido à dimensão da sala.

                  Além dos 13 menores que hoje foram condenados, o caso envolve um rapaz de 16 anos, que chegou a estar preso preventivamente e que aguarda agora o desenvolvimento de um processo criminal autónomo.

                  Este jovem terá pedido aos demais que parassem as agressões que alegadamente foram infligidas a Gisberta, ao longo de vários dias, antes de ser atirada ao fosso com água.

                  O transsexual brasileiro Gisberto Salce Júnior, 46 anos - conhecido por Gisberta ou Gis - morreu na sequência de várias agressões e o seu corpo foi encontrado submerso no fosso de um prédio inacabado, no Campo 24 de Agosto, Porto, depois de um dos jovens ter contado o sucedido a um professor.

                  Um perito médico-legal concluiu que o transsexual morreu vítima de afogamento e que as lesões que lhe foram alegadamente infligidas pelos menores não eram fatais."

                  JGJ/ICO.
                  Lusa/Fim 
                    ~ Journey Towards Angel Wings ~

                    "People should be allowed to fall in love with whoever they want. I mean, otherwise what's the point of living?..." - O&A

                    "A vontade, se não quer, não cede; é como a chama ardente, que se eleva com mais força quanto mais se tenta abafá-la." - Dante Alighieri

                    Notícias diversas (região Porto)
                    #50

                    Offline Scorpio_Angel

                    • *****
                    • Membro Vintage
                    • Género: Feminino
                    • I faced it all and I stood tall; And did it My Way
                      • My Way

                    COMUNICADO DE IMPRENSA 01-08-2006
                    [/size]

                    Quanto vale uma vida Transexual em Portugal?

                    Homicídio de Gisberta desculpabilizado pelo sistema judicial como uma "brincadeira que correu mal"

                    "Em Fevereiro deste ano, 2006, Gisberta Salce Júnior foi brutalmente e selvaticamente espancada e violada repetidamente durante dois dias por um grupo de adolescentes, parte deles pertencentes a uma instituição gerida pela Igreja Católica, parcialmente subsidiada pelo Estado Português: as Oficinas de S. José.

                    Sendo Gisberta uma sem-abrigo, estes factos consumaram-se num prédio em construção no Porto, onde ela pernoitava. No final dos dois dias, ainda viva, escapou de ser queimada para, em seu lugar, ser arremessada para um profundo buraco parcialmente cheio de água, onde veio a falecer afogada.

                    Os adolescentes, 13 com idades entre os 12 e os 16 anos, foram descobertos porque um deles mencionou o sucedido. Foram constituídos arguidos. Desde então, assistimos a um ver-se-te-avias de tentativas de encobrimento e de desculpabilização.

                    Da quase nula e pouco transparente informação que saiu a público durante o julgamento, retiramos discursos tão incoerentes e absurdos como " São miúdos, aquilo foi uma brincadeira que correu mal." Declarações como esta, de "fonte judicial", levaram à reacção da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados, que emitiu um comunicado público em que critica a condução do julgamento.

                    Uma bricadeira pressupõe, logicamente, que não haveria intenção de matar. O que não é passível de ser verdade já que foi noticiada, durante as audiências, a descoberta de que antes de ser atirada ao buraco, Gisberta pediu que a levassem ao hospital. Não restam, assim, dúvidas de que os seus carrascos sabiam que estava viva e que iriam por termo à sua vida com aquele acto. Depois de porem de parte a ideia de queimá-la, devido ao cheiro e ao fumo, escolheram o fosso , na esperança de que o corpo se afundasse.

                    É já de si muito grave e irresponsável que fontes judiciais qualifiquem publicamente factos desta natureza como "brincadeira" , para mais perante o desfecho de uma morte violenta. Mas sobretudo não se vislumbra como se pode manter a tese da inexistência da intenção homicídio quando até a inicialmente alegada "ocultação de cadáver, julgando que estava morta", cai por terra.

                    É igualmente caricato que, após gorada a tese da morte por culpa das enfermidades de Gisberta (seropositiva, com hepatite e tuberculose e toxicodependente), se tente convencer a opinião pública de que a vítima não faleceu devido a dois dias de violência extrema, mas por afogamento. É um facto que Gisberta morreu afogada, mas, após tal violência repetida e continuada, não é de todo credível que qualquer pessoa tivesse ainda forças para se aguentar a nadar durante o tempo decorrido entre a queda no fosso e a descoberta do corpo. Mais, o simples facto de não ter fugido ou procurado auxílio entre o 1º e o 2º de violência revela o estado de extrema debilidade física em que a vítima foi abandonada após as agressões.

                    A causa do afogamento de Gisberta está directamente relacionada com as agressões sofridas por esta, e é parte inegável das mesmas. Sustentar, como fez o Ministério Público, que foi a água, e não os jovens, quem matou Gisberta, é tão incongruente como afirmar-se que enfiar a cabeça de alguém dentro de água até à morte, não se trata de um homicídio mas sim de afogamento.

                    Igualmente discutível é a medida pedida pelo Ministério Público para pelo menos um dos adolescentes: a obrigação de ir ás aulas assiduamente. Não existe já a obrigatoriedade de se estudar até ao 9º ano? E existindo é uma medida penal? Não pretendemos crucificar nenhum dos adolescentes arguidos, mas trata-se certamente de uma medida nula e extremamente controversa.

                    Só podemos repudiar e condenar energicamente a forma como o Ministério Público lidou com este processo, bem como o restante sistema judicial e político por o terem permitido e aceite. Para quem tenha seguido este caso com um mínimo de atenção, a sentença era a que se esperava: uma desculpabilização quase total, pela qual Portugal deverá vir a ser confrontado internacionalmente. Dizem os advogados de defesa que só a qualificação do crime foi alterada, e não as medidas a aplicar. Ora, tais medidas são claramente uma questão de segunda linha quando se está a negar a verdadeira natureza do crime que teve lugar.

                    Ignora-se se houve pressões da Igreja católica ou de outros quadrantes da sociedade, mas é suposto a Justiça estar abrigada de toda e qualquer pressão. É esta a ideia com que se fica? Não!

                    Compreende-se como o Ministério Público desconsidera um homicídio motivado por ódio transfóbico a ponto de o transformar num mero caso de agressão? Não!

                    Como se pode esperar que o sistema judicial português seja credível com exemplos destes? Será isto justiça? Ou será que a justiça só funciona para alguns? Existem afinal cidadãos de segunda, filhos e filhas de um Deus menor.

                    Terá o caso decorrido desta maneira por se tratar de uma mulher transexual?

                    Terá decorrido assim por se tratar de uma sem-abrigo? Uma toxicodependente, com tuberculose e hepatite e seropositiva? Não deverão todas estas pessoas usufruir dos mesmos direitos, da mesma protecção social, legal e judicial que o conjunto dos cidadãos?

                    É por isso que reiteramos a urgência da inclusão do direito à Identidade de Género na Constituição e na restante legislação contra os crimes motivados por discriminação , como acontece já hoje com a "orientação sexual", bem como um conjunto de leis semelhantes à "Gender Recognition Act" britânica, e medidas concretas e assumidas pelo Estado para a educação contra os preconceitos e as discriminações .

                    Para que não hajam mais 'Gisbertas'
                    Para que não se duvide mais do Sistema Judicial Português
                    Pela igualdade, contra um grave desrespeito pelos Direitos Humanos em Portugal, caucionado pela Justiça"

                    Lara Crespo, activista transexual
                    Eduarda Santos, activista transexual
                    Stephan Jacob, activista trans
                    Jó Bernardo
                     

                    Subscrevem:

                    Panteras Rosa – Frente de Combate à Homofobia
                    rede ex aequo - associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e simpatizantes
                    PortugalGay.PT
                    ªt. associação para o estudo e defesa do direito à identidade de género
                      ~ Journey Towards Angel Wings ~

                      "People should be allowed to fall in love with whoever they want. I mean, otherwise what's the point of living?..." - O&A

                      "A vontade, se não quer, não cede; é como a chama ardente, que se eleva com mais força quanto mais se tenta abafá-la." - Dante Alighieri

                      Notícias diversas (região Porto)
                      #51

                      Offline Phoenix

                      • *****
                      • Membro Elite
                      • Género: Masculino
                      • Non ducor, duco
                      Cem livros, Sem armas

                      No dia 19 de Dezembro, no Porto, serão lançados 100 livros, em branco, para serem preenchidos pelo público com mensagens de paz e não-violência. Este evento terá lugar no Clube Literário do Porto, às 21h30.

                      Clube Literário do Porto - Rua Nova da Alfândega, 22

                      Trata-se de uma apresentação do livro aos futuros autores. O objectivo é fazer os livros circular e chamar a atenção das pessoas para um problema que se torna cada vez mais grave: o aumento do armamento mundial e da violência. Quem o recebe deverá escrever, pintar ou colar uma mensagem relativa à paz e à não-violência e passar o livro a outro.

                      Esta iniciativa é organizada pela associação Acção Humanista – Cooperação e Desenvolvimento (AHCD), frente de acção social do Movimento Humanista. Insere-se na “Campanha pelo Desarmamento Mundial – Um Futuro sem Violência”, Os passos serão a formação de um Símbolo de Paz Humano em Março, altura em que se irão recolher os livros preenchidos, e a sua exposição ao público.

                      Ao Lançamento dos livros seguir-se-á uma apresentação de testemunhos breves subordinados ao tema: “O que é que se pode fazer hoje para que haja um futuro sem violência?” e um pedido pela paz e o desarmamento.

                      Para além de convidar as pessoas a reflectir sobre a violência que assola o planeta, esta campanha é também uma tomada de posição pelo desarmamento nuclear mundial.

                      fonte: http://www.movimentohumanista.com/eventos/porto122006.html
                            

                        Notícias diversas (região Porto)
                        #52

                        Offline Grafs

                        • ****
                        • Membro Sénior
                        • Género: Masculino
                        • Inventa o teu próprio espaço de felicidade!
                        http://www.cp.pt/cp//displayPage.do?contentId=c6a093bed5070110VgnVCM1000007b01a8c0RCRD&vgnextoid=67751c639f984010VgnVCM1000007b01a8c0RCRD

                        CP premeia trabalho do Espaço-T

                        O Presidente da CP, Eng. Francisco Cardoso dos Reis, fez a entrega do donativo de 10.000€ à Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária – Espaço-T. A verba destina-se à reconstrução da sua futura sede.

                        Esta Instituição, com sede no Porto, opera há 12 anos em território nacional. O seu objectivo é a inserção social e económica do cidadão em situação de exclusão. A Associação utiliza a arte e todas as formas de expressão como meio terapêutico.

                        Desde 2004, a CP prescinde de comprar presentes de Natal fazendo reverter essa verba a favor de instituições de solidariedade social.

                        A empresa atribuiu o donativo ao Espaço-T, pelo seu trabalho humanitário exemplar e inovador.



                        Nota: a sala de reuniões e actividades do grupo de jovens ex aequo porto é cedida pelo Espaço t
                        « Última modificação: 28 de Maio de 2008 por Scorpio_Angel »

                          Notícias diversas (região Porto)
                          #53

                          Offline Grafs

                          • ****
                          • Membro Sénior
                          • Género: Masculino
                          • Inventa o teu próprio espaço de felicidade!
                          http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1290504&sid=&highlight=casal%20homossexual&web=VT

                          Casal homossexual de férias no Porto acusa polícias de insultos e ameaça de agressão

                          Um casal homossexual algarvio em férias pascais no Porto disse ter sido insultado e ameaçado de agressão, pouco depois da meia-noite de hoje, no interior da 13ª esquadra da PSP daquela cidade, em incidentes que associa a "preconceito" sexual. O casal acusa ainda a PSP da 13ª esquadra (Monte dos Burgos) de não aceitar a queixa que pretendia formalizar contra os polícias.

                          Contactado pela Lusa, o oficial de dia no Comando Metropolitano da PSP, subcomissário Reis, assinalou a inexistência de qualquer registo de incidentes com os dois cidadãos mas aconselhou-os, "caso seja verdade o que dizem", a formalizarem queixa noutra esquadra.

                          "Se porventura isso aconteceu, eles devem queixar-se contra os elementos que o fizeram. A ser verdade, é inaceitável", afirmou o oficial.

                          Bruno Pinho e João Paulo [nota PortugalGay.PT: apesar do mesmo nome, não tem qualquer relação com o editor deste site] contaram à Lusa que foram "perseguidos" por um carro-patrulha enquanto realizavam um passeio nocturno pela cidade.

                          "Os polícias acabaram por nos interpelar em termos mal- educados, declarando-nos suspeitos por sermos desconhecidos na cidade, e exigiram-nos a identificação", relataram.

                          "A cidade está inundada de espanhóis, mas nenhum deles, pelos vistos é suspeito. Só nós é que somos", comentaram.

                          Como não tinham identificação, prontificaram-se a ir buscá-la à residência onde estão, no Carvalhido, e apresentaram-na na 13ª esquadra.

                          "Por não sermos do Porto, podíamos nem sequer aparecer, mas quisemos cumprir a nossa obrigação legal", assinalaram, contando que aproveitaram a deslocação para formalizar queixa contra os agentes que os tinham abordado na rua, pela forma "grosseira" como actuaram.

                          "O agente que nos atendeu começou a elaborar a queixa mas, depois de chamar os agentes que nos tinham abordado na rua, para nos reconhecerem, atirou os bilhetes de identidade, ameaçou-nos com o bastão e mandou-nos para o cà, assegurando que já não aceitava queixa nenhuma", contaram.

                          Bruno Pinho e João Paulo, que associaram a conduta policial a alegado "preconceito" face à sua orientação sexual, asseguraram que irão "pôr em campo" a sua advogada, formular queixa no Departamento de Investigação Penal e, "se for preciso", recorrer ao Ministério da Administração Interna.

                          Público Online

                          Nota: a discussão desta notícia pode ser feita no tópico "Ser LGBT no Porto"

                            Notícias diversas (região Porto)
                            #54

                            plan b

                            • Visitante
                            Lojas da Baixa do Porto abrem até à meia-noite na primeira Sexta-Feira de cada mês

                            Cerca de 50% das lojas da R. Sá da Bandeira, no Porto, já aderiram à iniciativa de abrir até à meia-noite, uma vez por mês. A ideia da Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP) para revitalizar a Baixa da cidade e a zona da Ribeira já tem data marcada para avançar no terreno a 1 de Junho. Nessa sexta-feira, dezenas de estabelecimentos comerciais do centro da Invicta estarão de portas abertas até mais tarde. A Jo-Jos Music em Cedofeita foi a primeira loja da rua a aderir à iniciativa.

                            "Os estabelecimentos aderentes terão descontos para quem fizer compras entre as 21 horas e a meia-noite", sublinhou António Fonseca, presidente da Associação de Bares, lembrando que os clientes das lojas terão direito a cartões de acesso sem consumo mínimo e a uma bebida grátis nos bares e discotecas aderentes.

                            Neste momento, já está garantida a participação de cerca de 35 estabelecimentos comerciais. E se a maior parte, por agora, se concentra na Rua de Sá da Bandeira, também há espaços de Sta Catarina, da zona dos Clérigos e da Ribeira/Infante.

                            Aposta dos empresários

                            "Temos empresários que também possuem espaços em centros comerciais, mas que fizeram questão de participar, mostrando que apostam na Baixa do Porto", afirmou António Fonseca.

                            "O objectivo é ter abertas casas de referência, de diversas áreas", acrescentou, exemplificando com os casos da relojoaria/ourivesaria Mendonça, das lojas de roupa Playboy e Prassa (o primeiro estabelecimento a aderir à iniciativa), do oculista Pinhos ou da loja de lingerie Casa de Eros.

                            "A ideia é dar visibilidade ao cartão de visita do Porto, que é a Ribeira, através da interligação com a Baixa. Tem de haver uma convergência de interesses entre os estabelecimentos comerciais, bares e discotecas", reiterou António Fonseca.

                            http://www.cdgo.com/noticiasDetalhe.php?idDocumento=200720

                              Notícias diversas (região Porto)
                              #55

                              Offline Scorpio_Angel

                              • *****
                              • Membro Vintage
                              • Género: Feminino
                              • I faced it all and I stood tall; And did it My Way
                                • My Way

                              Perto de 200 professores estiveram no Porto contra as políticas da ministra da Educação


                              Perto de 200 professores manifestaram-se hoje em silêncio no Jardim do Marquês, no Porto, contra a política educativa do Governo. A poucos metros do local do protesto, a ministra da tutela era recebida com palavras de apoio no comício do PS, que esta tarde faz o balanço de três anos de governação.

                              A meio da tarde, os docentes em protesto eram pouco mais de 50, mas, até às 17h00, altura em que desmobilizaram, foram contados perto de 200 professores no Jardim do Marquês, local que não abandonaram durante toda a manifestação.

                              Muitos professores recusaram-se a falar aos jornalistas receando "sofrer represálias". Adriano Pinto, do Marco de Canavezes, trazia ao peito um papel com a frase "professor humilhado", tendo justificado aos jornalistas que "o que Ministério da Educação tem feito é nesse sentido". "Os professores são os bodes expiatórios da incompetência do Governo", justificou.

                              Adriano Pinto disse também "que todos os momentos são adequados para uma manifestação, desde que saibamos ocupar o nosso lugar e não se responda a provocações".

                              No exterior do Pavilhão do Académico, o espaço foi de protesto, mas no interior do recinto a ministra da Educação, a principal visada pela manifestação de hoje, foi recebida com aplausos e gritos de encorajamento por parte de centenas de militantes e simpatizantes socialistas.

                              Os professores foram convocados para a manifestação através de SMS. Na mensagem de telemóvel enviada aos docentes podia ler-se: "Sócrates no Porto a 15 de Março, 15h30. Convocam-se todos os professores para estarem presentes à porta do pavilhão do Académico todos de negro e em silêncio!!! Os cartazes dirão o que se tiver a dizer. Início da concentração no Marquês às 14".

                              A manifestação não contou, no entanto, com o apoio das estruturas sindicais, com o Sindicato dos Professores do Norte (afecto à Fenprof) a declarar, em comunicado, que "nada tem a ver com os promotores" das mensagens por SMS. Na mesma nota, o sindicato acrescenta que "qualquer acto que ponha em causa o direito de reunião e de manifestação de qualquer partido político, movimento ou sindicato é uma atitude antidemocrática que merece a mais profunda condenação".



                                ~ Journey Towards Angel Wings ~

                                "People should be allowed to fall in love with whoever they want. I mean, otherwise what's the point of living?..." - O&A

                                "A vontade, se não quer, não cede; é como a chama ardente, que se eleva com mais força quanto mais se tenta abafá-la." - Dante Alighieri

                                Notícias diversas (região Porto)
                                #56

                                Offline timmy

                                • *****
                                • Membro Vintage
                                • Género: Masculino
                                Centro de compensação de CO2

                                Uma bolsa imobiliária de dióxido de carbono

                                Benefícios ambientais, económicos e financeiros


                                Depois de ter lançado a "Carta Verde" de Gaia, o Município volta a apostar num projecto inovador. O "Sequestro de Carbono" visa transformar em arvoredo um espaço de 23 hectares, funcionamento como um centro nacional de compensação de CO2 para as empresas violadoras. O Município já deu o exemplo, adquirindo 1000 m2 de terreno num investimento de 50 mil euros.

                                Num desafio global de sustentabilidade e preservação do planeta, as empresas terão limites de emissões de CO2 devidamente fixados, havendo coimas para quem assim não o fizer. "Em vez de comprarem quotas a outras empresas, podem usar esta iniciativa como compensação, fazendo ao mesmo tempo um investimento ambiental", frisou o Vice-Presidente da Câmara Municipal, Dr. Marco António Costa. Espera-se, deste modo, que até 2012, fim do período previsto no Protocolo de Quioto, toda a área estabelecida nesta iniciativa esteja devidamente florestada.

                                Seguindo linhas de conduta internacionais, onde se destaca o programa "Plant for the Planet", urge pugnar por uma política de fixação de carbono na floresta. Nesse espírito, o Município de Gaia lançou uma iniciativa pioneira em Portugal denominada "Sequestro de Carbono".

                                Assim, irão ser florestados 23 hectares num terreno não edificável entre o nó de Vilar de Andorinho e o IP1, contribuindo-se assim com uma poupança de emissões de dióxido de carbono de 920 mil kg. O preço por m2 é de 50 euros e o Município foi mesmo o primeiro a dar o exemplo, com a aquisição de 1000 m2.

                                O dióxido de carbono existente no nosso planeta é sempre o mesmo. O CO2 pode ser armazenado nos oceanos, na vegetação, no solo, nos combustíveis fósseis e na atmosfera. Neste último ponto, desde 1750 que se tem assistido a um aumento das concentrações de CO2, contribuindo gradualmente para o chamado "aquecimento global". "Infelizmente já podemos sentir algumas consequências deste problema, como aconteceu em Lisboa recentemente", explicou o Presidente do Conselho de Administração do Parque Biológico, Dr. Nuno Oliveira.



                                Carta Verde

                                Objectivos largamente ultrapassados


                                Depois de em Março do ano passado se ter apresentado a Carta Verde do concelho, e de na altura se ter estabelecido uma meta de 5,9 m2 de espaço verde para cada habitante até 2010, o Dr. Nuno Oliveira frisou que os objectivos já foram, nesta altura, largamente ultrapassados. Fruto da conservação e articulação de novos espaços verdes públicos nas suas diversas plantações, a meta não será problema. "Podemos apontar para um rácio de 7,8 m2 /hab", sublinhou, esclarecendo que os objectivos de plantação de árvores serão também bastante superiores aos previstos.

                                Sustentabilidade energética

                                O Município está também a realizar, em parceria com a Energaia, um programa inovador de controlo de custos de iluminação pública no concelho. No total, espera-se poder poupar o equivalente ao consumo médio de 3 mil habitações. Para tal, estão a ser instalados 400 reguladores de fluxos de iluminação.

                                Esta medida, além dos lucros energéticos, terá também positivas repercussões financeiras. Dos lucros obtidos, metade será destinada à criação de um fundo de investimento de sustentabilidade energética e ambiental.


                                fonte: http://www.parquebiologico.pt

                                  Notícias diversas (região Porto)
                                  #57

                                  Offline Scorpio_Angel

                                  • *****
                                  • Membro Vintage
                                  • Género: Feminino
                                  • I faced it all and I stood tall; And did it My Way
                                    • My Way

                                  CP encurtou tempo viagem na linha Braga/Porto e criou cinco ligações mais rápidas nas horas de ponta



                                  Segundo fonte da CP "foram acrescentados nove comboios diários, nomeadamente nos percursos Porto/S.Bento-Braga, mais um comboio; Famalicão - Braga mais cinco comboios; e Braga - Famalicão, mais três comboios".

                                  "Como resposta às necessidades dos passageiros que efectuam deslocações pendulares entre o Porto e Braga, foram reduzidos os tempos de viagem em cinco ligações. Menos 10 minutos nos comboios das 07:44 e 17:13, no sentido Braga/Porto e, no sentido inverso, menos 13 minutos no comboio das 06:25, menos 16 minutos no das 07:25 e menos 9 minutos no das 18:25".

                                  "O novo horário resulta de uma solução de compromisso de redução de tempos de percurso, entre 9 e 16 minutos, através da eliminação de paragens intermédias, colmatada com a introdução de novos comboios para manter o mesmo nível de oferta nas paragens suprimidas", acentua a empresa estatal.

                                  Para a concretização da oferta, - acrescenta - "a unidade de comboios urbanos do Porto viu o seu parque de material automotor reforçado com quatro unidades triplas eléctricas".

                                  A CP recorda que "a implementação de qualquer nova oferta na linha de Braga está condicionada por dois constrangimentos da infra-estrutura (troço de via única na Trofa e troço muito congestionado entre Ermesinde e Porto-Campanhã), bem como os cruzamentos de nível da linha do Minho com a linha de Guimarães, em Lousado, e com a Linha do Douro, em Ermesinde".

                                  Acentua que "qualquer solução terá de contemplar toda a região a Norte do Douro, melhorando quer as ligações pendulares de e para o Porto, com as correspondências às viagens de Longo Curso em Campanhã, quer garantindo o serviço local ao longo das linhas, tendo em vista, nomeadamente, a melhoria contínua do serviço prestado na Linha de Braga".

                                  Garante a CP que "não obstante estas dificuldades, novas soluções continuam a ser estudadas para toda a região a norte do Douro que inclui, obrigatoriamente, quer o serviço Urbano quer serviços Regionais da Linha do Douro até à Régua e Pocinho e da Linha do Minho até Viana do Castelo, Valença e Vigo".

                                  As alterações introduzidas na linha Braga/Porto foram bem recebidas pela Comissão de Clientes da Linha Braga-Porto, que saudou, nomeadamente a redução para 50 minutos de uma viagem de manhã e de outra ao final da tarde.

                                  Os utentes reclamaram, sexta-feira, em conferência de imprensa, que a CP disponibilize mais dois comboios rápidos, nos dois sentidos, entre ambas as cidades, em horas de pontas.

                                  A Comissão revelou que a petição que reclama viagens em 40 minutos já ultrapassou as seis mil assinaturas.



                                  © 2008 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
                                    ~ Journey Towards Angel Wings ~

                                    "People should be allowed to fall in love with whoever they want. I mean, otherwise what's the point of living?..." - O&A

                                    "A vontade, se não quer, não cede; é como a chama ardente, que se eleva com mais força quanto mais se tenta abafá-la." - Dante Alighieri

                                    Notícias diversas (região Porto)
                                    #58

                                    Offline Scorpio_Angel

                                    • *****
                                    • Membro Vintage
                                    • Género: Feminino
                                    • I faced it all and I stood tall; And did it My Way
                                      • My Way


                                    SCUT: Marcha contra portagens dia 24 até Baixa do Porto



                                    As comissões de utentes das três auto-estradas do litoral Norte e Centro sem custos para o utilizador (SCUT) decidiram hoje marcar para dia 24 uma marcha automóvel até à Baixa do Porto contra a introdução de portagens.

                                    "Decidimos marcar uma marcha para dia 24, sábado, à tarde. Irá partir de diferentes localidades, convergindo para a Baixa do Porto", disse à agência Lusa José Rui Ferreira, da Comissão de Utentes Póvoa/Vila do Conde.

                                    A decisão foi tomada hoje na Póvoa de Varzim, numa reunião em que participaram representantes das oito comissões de utentes contra as portagens nas SCUT do Norte Litoral, Grande Porto e Costa de Prata.

                                    Automóveis, camiões e motards vão concentrar-se às 14:30 de 24 de Maio, em Viana do Castelo, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Aveiro, Gaia, Maia e em diversas localidades do Vale do Sousa, partindo meia hora depois em direcção ao Porto.

                                    José Rui Ferreira admitiu que a Baixa do Porto vá ficar intransitável, dada a mobilização que as comissões de utentes estão a conseguir.

                                    "Prevemos que muitos não cheguem sequer à Baixa do Porto. Há empresas de transportes que já nos disseram que vão aderir, enviando os seus camiões", acrescentou.

                                    José Rui Ferreira destacou também a "muito boa adesão" ao abaixo-assinado contra as portagens que as comissões de utentes têm promovido em conjunto.

                                    "Já temos mais de 60 mil assinaturas, que vão ser entregues ao primeiro-ministro quinta-feira, às 12:00, em Lisboa", salientou, referindo que a deslocação à sede do Governo para entregar o abaixo-assinado já foi comunicada à Secretaria-Geral da Presidência do Conselho de Ministros.

                                    Na subscrição na Internet, o abaixo-assinado recebeu "39.024 assinaturas", às quais se somam "mais de 20 mil recolhidas da forma tradicional", presencialmente.

                                    Em Outubro de 2006, o Governo anunciou a decisão de passar a cobrar em 2007 portagens nas SCUT que cumprissem vários critérios, como a existência de vias alternativas gratuitas e que as zonas a atravessar tivessem um Produto Interno Bruto (PIB) igual ou superior a 80 por cento do valor nacional.

                                    Das sete SCUT existentes, a regra seria aplicada a três delas: Costa de Prata, Grande Porto e Norte Litoral.

                                    O presidente da Mota Engil Concessões, Luís Parreirão, disse sexta-feira à Lusa que foram retomadas "há cerca de um mês" as negociações entre o Governo e as concessionárias das três SCUT para a introdução de portagens.

                                    "Houve várias conversas com o Governo no último mês", disse Luís Parreirão, precisando que tem sido feita "uma abordagem contratual e técnica" da transformação das SCUT Costa de Prata, Grande Porto e Norte Litoral em vias com portagem real.

                                    "Há conversas em curso e nós temos trocado saudavelmente opiniões com o Estado para chegarmos a um acordo", afirmou o presidente da Mota-Engil Concessões de Transporte, que, através da Lusoscut, gere as SCUT do Grande Porto e da Costa da Prata.

                                    "Estamos numa fase muito técnica, mas que é essencial para ter outro tipo de conversas, como por exemplo a fixação de prazos para introdução das portagens", explicou Luís Parreirão, acrescentando que será "fácil chegar a um acordo de vontades".

                                    A Lusa contactou a Cintra/Ferrovial, mas o grupo que gere a SCUT do Norte Litoral escusou-se a fazer qualquer comentário sobre o assunto.

                                    A introdução de portagens nas SCUT obrigará a que o Governo chegue a um acordo com as concessionárias sobre a renegociação das condições de exploração e defina quais os troços a portajar, a sua dimensão e qual a tarifa de referência para fixar o preço das portagens.

                                    Em Fevereiro, o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, disse que havia um sindicato bancário envolvido nas negociações.

                                    Para que a cobrança de portagens possa começar a ser feita, o Governo terá também de negociar com as autarquias, uma vez que há vias que deverão ficar isentas devido à inexistência de alternativas.

                                    O modelo técnico de cobrança das portagens é outra das questões que o Executivo terá de solucionar, uma vez que obriga a alterações, incluindo de natureza legislativa.

                                    As concessionárias das três SCUT já estão a testar soluções técnicas para a cobrança de portagens.

                                    O grupo espanhol Cintra instalou na A28 um pórtico que está a testar a solução técnica para a cobrança de portagens sem recurso a barreiras físicas, um sistema que é actualmente utilizado na Ponte da Lezíria, entre Carregado e Benavente.

                                    Já a Lusoscut seleccionou a portuguesa Q-Free e a austríaca Kapsch para os projectos-piloto que tem a decorrer nas SCUT do Grande Porto e da Costa de Prata.



                                    FZ/CSJ.

                                    Lusa/Fim
                                      ~ Journey Towards Angel Wings ~

                                      "People should be allowed to fall in love with whoever they want. I mean, otherwise what's the point of living?..." - O&A

                                      "A vontade, se não quer, não cede; é como a chama ardente, que se eleva com mais força quanto mais se tenta abafá-la." - Dante Alighieri

                                      Notícias diversas (região Porto)
                                      #59

                                      Passer

                                      • Visitante
                                      Incêndio na Reitoria da Universidade do Porto controlado


                                      O incêndio de grandes proporções que deflagrou hoje, às 11h22, no edifício da Reitoria da Universidade do Porto, localizado na baixa cidade, foi controlado às 12h55. O incidente não registou feridos e os trabalhadores foram retirados sem problemas.

                                      O edifício centenário, localizado na Praça Gomes Teixeira, conhecida como Praça dos Leões, acolheu até há pouco tempo a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. No local encontravam-se ainda vários laboratórios que estavam a ser desmantelados.

                                      De acordo com o comandante do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto, Alves Costa, o incêndio afectou essencialmente a cobertura do edifício mas propagou-se, também, às águas furtadas. Alves Costa explicou que o combate às chamas foi dificultado pela “pouca pressão da água” que tinha dificuldade em chegar ao topo da reitoria.

                                      O reitor da Universidade do Porto, Marques dos Santos, apesar de ainda não poder fazer um balanço final dos estragos, espera que não sejam muito avultados, pois “as caleiras do edifício facilitaram a drenagem da água”. Os 150 trabalhadores foram evacuados com tranquilidade, garantiu o reitor.

                                      Na origem do incêndio terá estado, segundo Marques dos Santos, o rebentamento de uma lâmpada de halogéneo, na cobertura no edifício, que se encontrava em obras.

                                      No local estiveram cerca de 30 homens, apoiados por oito veículos.

                                      PUBLICO

                                      Menos mal que parece que nao houve danos de maior...