rede ex aequo

Olá Visitante23.out.2019, 19:52:20

Autor Tópico: Mudança de sexo aos 16 anos  (Lida 3905 vezes)

 
Mudança de sexo aos 16 anos
#60

Offline Atomic

  • *****
  • Membro Ultra
  • Género: Masculino
  • Everything changes when you grow old...
    • Somos Blergh

Fala por si.

Muito obrigada por terem criado um circo mediatico a nossa volta.

O que disseste faz-me lembrar um programa da TVI (?) que vi há umas semanas.

Dois rapazes ftm estavam a ser entrevistados, ao lado das respectivas mães. Eram ambos menores de idade. Um deles queixou-se que era incómodo quando tinha de mostrar os documentos porque ainda o identificavam como sendo do sexo feminino. Ora eu estava a ver o programa num café. Quando o rapaz diz isto, um homem na mesa ao lado desata a rir-se e diz qualquer coisa assim: "como se não reparassem que és rapariga!"

De facto tinham os dois aspecto ainda muito feminino. Não percebo como é que os ia ajudar já terem o sexo mudado para o masculino no cartão de cidadão. Percebo ainda menos porque é que foram à televisão se não querem a sua situação seja exposta. E com as mães a apoiarem a decisão pouco coerente.

Também foram entrevistados um homem ftm mais velho e uma psicóloga. Ambos eram contra se prescindir de um diagnóstico, em qualquer idade. Achei o discurso deles muito mais sensato.

Uma decisão desinformada para um povo desinformado...É triste, muito triste.


Olá, Safira. Se puder perguntar, porque achas isso? Eu acho que o veto só pecou por ser brando demais. Pelo que tenho percebido é também isso que a malta transexual acha. Achas que é benéfico alguém menor de idade, que se não tem diagnóstico é porque não está a fazer o processo, possa mudar o nome a pedido? Há alguma vantagem?

Eu não sou trans por isso não posso falar da minha experiência, mas posso falar dos casos que vêm surgindo.

É do meu entender que muitas pessoas trans querem ser tratadas por um certo nome independentemente de serem já percepcionadas por um género ou não. E isso é também transversal a pessoas que já tem um relatório médico, há muita gente que já está em hormonas mas ainda não é percepcionada como sendo de um certo género, para certas pessoas esse período pode ser uns 6 meses, para outras 1 ano, etc.

Para essas pessoas é importante ter o cartão de cidadão a defender a sua identidade porque a partir do momento em que o tens, tens algum poder a nível de autodefesa, de as pessoas não te ridicularizarem, desprezarem ou tratarem como bem lhes apetece.

Para além disso, há pessoas trans que não sentem a necessidade de fazerem mudanças físicas, ou pelo menos todas as mudanças físicas que lhes tornam “invisivelmente trans” e acho que não serem percepcionados por terceiros como um rapaz ou rapariga não lhes tira o direito de assim o serem perante a lei.

Quanto a aparecer na televisão, acho que ser trans não deve ser razão de vergonha e acho até importantíssimo que haja visibilidade trans de quem quiser aparecer. Se tu queres ser tratado de uma certa forma e não o és, compreendo perfeitamente que aceites um convite para ires à televisão alertar que esses problemas te afetam e que a discriminação continua a acontecer.

Mudança de sexo aos 16 anos
#61

Offline T-Rex

  • *****
  • Associad@
  • Membro Ultra
  • Género: Masculino
  • Hakuna Batata!
    • Um gajo trans a falar de cenas
O reconhecimento da nossa identidade não devia estar condicionado pela nossa aparência. Eu sou um homem, e já o era muito antes de "parecer" um homem e de ser identificado como tal por terceiros. Não faz sentido estar a colocar entraves ao reconhecimento legal da identidade de alguém com base na aparência da pessoa. Até porque, como o Atomic disse, há pessoas que, por qualquer motivo, não podem ou não precisam de fazer modificações físicas.

Sobre o caso particular de menores de idade, é preciso relembrar que há pessoas que começam a sua transição física aos 16. Eu conheço pessoalmente dois casos de rapazes que aos 16 já tinham uma aparência masculina, viviam como rapazes, mas estavam presos ao nome de nascimento, porque não tinham forma de o mudar. Ambos os casos tinham apoio da família. Portanto, esse problema de haver malta com aparência de um género e identidade legal do outro género é algo que já existe, não é algo que iria ser introduzido por esta nova lei.

Há pessoas neste tópico que parecem achar que uma pessoa toma a decisão de mudar de nome de forma leve, quando a realidade não é de todo essa. Lá por a lei deixar uma pessoa mudar de nome quando queira, não significa que toda a gente trans iria subitamente começar a mudar de nome assim por impulso. Aliás, basta ver os casos de pessoas trans que, mesmo podendo mudar de nome, não o fazem de imediato, aguardam pelo momento ideal para o fazer. Foi o meu caso, que mesmo depois de ter as avaliações concluidas, diagnósticos feitos e relatórios todos nas mãos, esperei uns meses e escolhi a melhor altura para mim para mudar de nome.

Mas eu tive a sorte de ter clínicos que me permitiram fazer a minha transição ao meu ritmo, aos meus timmings. Nem toda a gente tem essa sorte, e têm de esperar até que os médicos decidam qual é a altura ideal para as pessoas mudarem de nome. Isso não me faz sentido nenhhum. Uma lei como esta nova que o PR vetou iria colocar essa decisão nas mãos das pessoas trans, em vez das mãos dos médicos, como acontece atualmente.

Essa "preocupação" com "e se as pessoas se arrependem" ou "e se mudam de nome antes de ter a aparência correta" etc. só me comunica que a maioria das pessoas julga que as pessoas trans não têm maturidade ou consciência suficiente para avaliar a sua própria situação pessoal e precisam sempre do aval de médicos para tomarmos decisões por nós.

Deixem-nos a nós decidir quando é que é o melhor momento para mudarmos de nome. Deixem-nos a nós decidir quais intervenções clínicas precisamos de fazer antes ou depois de mudar de nome. Deixem-nos a nós avaliar se queremos mudar de nome antes ou depois de termos a aparência "correta". Deixem-nos a nós controlar as nossas vidas e metam-se na vossa.


edit:
sobre o tópico de os diagnósticos servirem para "filtrar" quem não é mesmo trans:
Os critérios de diagnóstico, como descritos pelo DSM-V, são todos baseados no "self-reporting" da própria pessoa, não existindo métodos objetivos de determinar a identidade de uma pessoa. Isto para dizer que um diagnóstico não é uma ferramenta perfeita para avaliar o género de algúem, como muita gente parece pensar que é. Além disto, cá em Portugal não existe uma uniformização dos métodos de acompanhamento e de diagnóstico, sendo que cada médico faz como "acha melhor", muitas vezes ignorando as normas clínicas internacionais e providenciando cuidados clínicos que ficam aquém dos standards de qualidade internacionalmente definidos (ver: Standards of Care, publicados pela WPATH, e comparem com o que se faz dentro dos consultórios de sexologia cá em Portugal)
Curiosamente, e só a título de exemplo isolado, o único caso que tenho conhecimento direto cá em portugal de uma pessoa que mudou de nome e depois mais tarde se arrependeu e mudou de volta foi de uma pessoa que tinha os dois diagnosticos feitos. Mas tenho sempre curiosidade quando vejo malta a dizer que há "muita gente" [citation needed] que se arrepende, usando isso como argumento pro-diagnóstico.

 

Tópicos relacionados

  Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
7 Respostas
3734 Visualizações
Última mensagem 6 de Julho de 2011
por temporary_user
Mudança de Sexo

Iniciado por Ohev Trans

4 Respostas
1256 Visualizações
Última mensagem 31 de Julho de 2013
por odp
13 Respostas
1882 Visualizações
Última mensagem 13 de Julho de 2014
por V24
9 Respostas
2311 Visualizações
Última mensagem 11 de Abril de 2015
por Bandura_62
6 Respostas
1739 Visualizações
Última mensagem 30 de Junho de 2015
por Imaterial