rede ex aequo

Olá Visitante23.set.2019, 05:57:05

Autor Tópico: Mitos Urbanos  (Lida 11361 vezes)

 
Mitos Urbanos
#20

Rogue

  • Visitante
Ok, é nestas alturas em que ter famili trás-montana é interessante. caso não sabem na aldeias mais fechadas abundam mitos que se perpetuam ao longo dos tempos, e não so, mesmo nos maeios mais urbanos ele existem, e muitos deles etaão relacionados com os meus antepaçados...
Lembro-me do mito dos carvalhos, muitas vezes em discuções entre a minha avor o o meu pai relacionados com o facto de o meu pai não gostar de padres ela dizia algo do género " depois anda por ai a gemer pelos carvalhos", durante muito tempo ri-me de todas as vezes que ela tal coisa... Um dia eu perguntei-lhe que historia era essa, e ela contou-me que o meu avo e a irma dele ja tinham ouvido "as vozes do outro mundo", precisamente à beira dos carvalhos, segunda ela, as almas que tinham assuntos pendentes neste mundo não conseguiam partir e alojavam-se nos carvalhos para falar com os vivos. O mais estranho é que so o meu avo e a irma dele é que ouviam as tais vozes...

    Mitos Urbanos
    #21

    Offline candy cane

    • *****
    • Membro Vintage
    • Género: Feminino
    • Orquídea azul (ex nóvózélica)
      • não estou in the mood
    Alguma vez perdeu um órgão numa loja chinesa?

    Já quase todos ouviram a história: o pai deixou a filha à porta de uma loja chinesa e aguardou no estacionamento. Após uma longa espera, procurou-a no interior da casa comercial, mas ninguém a tinha visto. Num gesto de desespero, chamou a polícia, que, ajudada por cães treinados, conseguiu detectar a jovem. Estava escondida numa zona obscura, de acesso por alçapão, e em várias partes do seu corpo havia marcas enigmáticas. A jovem é libertada... pouco antes de ser "morta para tráfico de órgãos".

    A mensagem navegou na Internet, reenviada de amigo para amigo, daqui para um conhecido, e não tardou a correr de boca em boca por cidades e aldeias. Como qualquer boato, muitas vezes repetido, torna-se em "verdade". Uma verdade construída, ampliada pelo medo.

    E o que há, afinal, de verdade nesta história? Nada. Estamos perante um mito urbano, sustentado num rumor. Neste relato de tráfico de órgãos até entra a polícia, uma técnica usada para dar credibilidade. Contactadas pelo DN, as forças de segurança desmentem ter sido chamadas a qualquer loja chinesa. No departamento de relações públicas da GNR conhecem a mensagem, mas na sua área de jurisdição nunca foi solicitada a presença em casas comerciais de asiáticos. "Até à data não temos qualquer registo", esclarece o major Damião Ferreira, do Comando do Carmo da GNR, que cobre toda a região norte. Da Polícia Judiciária, resposta no mesmo sentido: "Não há qualquer investigação ou processo de investigação sobre essa matéria."

    Discriminados

    I Pin Xo, representante da comunidade chinesa em Portugal, vê o lançamento do boato como "uma tentativa de prejudicar o comércio" dos compatriotas. Neste momento, cidadãos chineses são proprietários de cerca de cinco mil estabelecimentos em todo o País. I Pin Xo, radicado há décadas no Porto, levanta outra suspeita, mais preocupante: o mirabolante caso do tráfico de órgãos de meninos "é uma coisa muito parecida com boatos lançados por um partido da extrema-direita" portuguesa. Neste momento, a comunidade chinesa, sublinha, sente-se "intimidada e discriminada".

    Quanto à origem da mensagem, existem apenas suspeitas, entretanto comunicadas às autoridades. E todos os elementos reunidos apontam para que o autor seja "um indivíduo da zona de Coimbra".

    Há uma coisa que ainda espanta I Pin Xo, após várias décadas a viver no nosso país: "Como é que os portugueses acreditam num boato destes? Será que não têm capacidade de distinguir o bem do mal?"

    Rosa Cabecinhas, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, que tem dedicado o percurso académico a estudar "a representação do outro", considera que quando há receio ou potencial ameaça social o boato multiplica-se com facilidade. Em relação à comunidade chinesa, lembra que, quando iniciou a investigação sobre a discriminação racial, perguntou num dos inquéritos quais os grupos étnicos existentes no nosso país. "Apenas 11% mencionaram espontaneamente os chineses." Uma década depois, em 2006, repetiu o estudo - e a percentagem subiu para 52%.

    Desconhecido

    José Azevedo, professor de Comunicação do Departamento de Sociologia da Universidade do Porto, adianta os "medos que há em relação à comunidade chinesa como um dos motores que explicam este tipo de histórias. Tradicionalmente relacionados com estereótipos que os ligam a vários tipos de tráfico e a algum secretismo, estão inseridos num contexto de receio, pelo seu crescimento acentuado, enquanto nação e enquanto povo. "Perante os receios e na ausência de informação, diz, as pessoas recorrem a estereótipos para 'encher histórias'."

    O facto de ser uma comunidade isolada, pouco dada ao convívio com outras nacionalidades, propicia este tipo de recurso. "Quando falha a informação, a tramitação passa pelos receios, facto que ajuda a propagar os rumores." Com os medos instalados, aponta ainda, "existem todas as condições para se propagar as histórias" mais estranhas, mais terríveis.

    A propagação do rumor poderá ainda ir beber a "outros interesses", nomeadamente de grupos que se sintam afectados pela concorrência comercial ou por algum tipo de excepção fiscal - outro mito - de que possa beneficiar. Sentimentos de alegada "injustiça" que favorecem a disseminação dos rumores.
       
    Alguma vez perdeu um órgão numa loja chinesa?
    "Só queria saber onde é a sala de operações"
    Ministério quer professores nas escolas mais 18 dias por ano, sem pausas
    Bento XVI pede justiça para vítimas de pedofilia em casos envolvendo padres
    Doutores palhaços levam remédios alternativos às crianças hospitalizadas

    Elsa Costa e Silva e Paula Ferreira
    Diário de Notícias: http://dn.sapo.pt/2006/10/29/sociedade/alguma_perdeu_orgao_numa_loja_chines.html
      Though nothing can bring back the hour
      Of splendor in the grass, of glory in the flower
      We will grieve not, but rather find
      Strength in what remains behind

      Wordsworth
      | www.naoestouinthemood.blogspot.com |

      Mitos Urbanos
      #22

      Kiko20

      • Visitante
      Um mito absurdo: a orientação da vulva das chinesas não é longitudinal mas sim transversal.

        Mitos Urbanos
        #23

        Thought

        • Visitante
        Na minha infância/adolescência adorava estes pequenos contos

          Mitos Urbanos
          #24

          Offline nevertoolatetobehappy

          • *****
          • Associad@ Honorári@
          • Membro Elite
          • Género: Masculino
          • Be yourself. Be happy. Be nice.
            • Tiny Ripple Hope
          Não sei se o que vou dizer a seguir pode ser considerado mito urbano, mas alguns dos mitos que mais confusão me fazem envolvem eventos que provocam paragem de digestão, como por exemplo cortar as unhas logo depois de comer. :P

          Sent from my GT-I8150 using Tapatalk 2
            "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

            Mitos Urbanos
            #25

            Offline João Santos

            • **
            • Membro Júnior
            • Género: Masculino
            Não sei se o que vou dizer a seguir pode ser considerado mito urbano, mas alguns dos mitos que mais confusão me fazem envolvem eventos que provocam paragem de digestão, como por exemplo cortar as unhas logo depois de comer. :P
            Não sabia que as unhas faziam parte do sistema digestivo. :o ;D

              Mitos Urbanos
              #26

              Offline Odra

              • *****
              • Membro Elite
              • Género: Masculino
              • Welcome to the Town of Gay! ;D
              Como o nome diz, são apenas mitos, o que nem sempre acontecer é serem urbanos. :P

              Segundo a minha avó, sempre que o mocho pia ao pé da casa dela, alguém nas, ou das redondezas, morre.   [smiley=maluco.gif]

              E não sendo realmente um mito, o que vou dizer tem contornos de mito. A cantora Donna Summer, que morreu de cancro no pulmão, afirma que o cancro foi provocado pelos fumos que ela inalou no 11 de Setembro, e não por causa dos mais de 5 maços de tabaco que fumava por dia!  lol lol lol

              Não sei se o que vou dizer a seguir pode ser considerado mito urbano, mas alguns dos mitos que mais confusão me fazem envolvem eventos que provocam paragem de digestão, como por exemplo cortar as unhas logo depois de comer. :P
              Não sabia que as unhas faziam parte do sistema digestivo. :o ;D

              Os mitos relacionados com paragem de digestão tiram-me do sério...  >:( >:( (Ainda este verão, ouvi uma alma a ficar escandalizada por eu ir tomar duche depois de almoço [smiley=maluco.gif] )
                Estamos a fazer um jogo. Lançam-se os dados e quem obtiver maior pontuação faz uma pergunta aos restantes jogadores. Utilizaremos um dado com 20 lados. /roll 1d20

                Nível de originalidade: o mais alto de todos!
                lol

                Mitos Urbanos
                #27

                Hiraeth

                • Visitante
                Um mito absurdo: a orientação da vulva das chinesas não é longitudinal mas sim transversal.

                 lol !
                Isso não é um mito, é um mitão! Acho que foi o que ouvi mais vezes.

                   

                  Tópicos relacionados

                    Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
                  31 Respostas
                  17588 Visualizações
                  Última mensagem 1 de Dezembro de 2009
                  por Brisingree
                  Mitos sobre lésbicas/gays

                  Iniciado por Honey « 1 2 3 » Geral

                  41 Respostas
                  7857 Visualizações
                  Última mensagem 25 de Junho de 2011
                  por Draco