rede ex aequo

Olá Visitante23.set.2019, 08:01:36

Autor Tópico: Homofobia em Tecnologias de Informação  (Lida 5649 vezes)

 
Homofobia em Tecnologias de Informação
#20

Offline Adónis

  • ****
  • Membro Sénior
A FEUP nunca teve fama de ter muitos gays.

Segundo pessoas mais velhas a FMUP, o ICBAS, enfermagem e a Faculdade de Ciências são as faculdades/cursos com mais gays. A Católica segundo me disseram também não tem muitos mas conheço quatro rapazes que estudaram lá.

EDIT: conheço um advogado do Porto que namorou dois rapazes da FMUP e diz que é das faculdades com mais gays «recalcados». Em enfermagem sei que há muitos, e nos cursos de teatro também.
« Última modificação: 5 de Setembro de 2013 por Adónis »

    Homofobia em Tecnologias de Informação
    #21

    Offline nevertoolatetobehappy

    • *****
    • Associad@ Honorári@
    • Membro Elite
    • Género: Masculino
    • Be yourself. Be happy. Be nice.
      • Tiny Ripple Hope
    A FEUP nunca teve fama de ter muitos gays.

    Segundo pessoas mais velhas a FMUP, o ICBAS, enfermagem e a Faculdade de Ciências são as faculdades/cursos com mais gays. A Católica segundo me disseram também não tem muitos mas conheço quatro rapazes que estudaram lá.

    A FEUP, à semelhança de outras faculdades, também tem gays, a única questão é que não são assumidos... O meu comentário inicial da influência dos ambientes masculinos no coming out está relacionado com aquilo que dizes. Pela minha experiência, as instituições de ensino superior onde há mais alunas são aquelas onde há mais abertura para um LGBT se assumir.
      "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

      Homofobia em Tecnologias de Informação
      #22

      Offline Adónis

      • ****
      • Membro Sénior
      A FEUP nunca teve fama de ter muitos gays.

      Segundo pessoas mais velhas a FMUP, o ICBAS, enfermagem e a Faculdade de Ciências são as faculdades/cursos com mais gays. A Católica segundo me disseram também não tem muitos mas conheço quatro rapazes que estudaram lá.

      A FEUP, à semelhança de outras faculdades, também tem gays, a única questão é que não são assumidos... O meu comentário inicial da influência dos ambientes masculinos no coming out está relacionado com aquilo que dizes. Pela minha experiência, as instituições de ensino superior onde há mais alunas são aquelas onde há mais abertura para um LGBT se assumir.

      Sim, concordo, mas não te esqueças que há profissões que têm uma cultura mais conservadora, e isso reflecte-se depois no coming out. No Porto há muitos enfermeiros assumidos, há alguns nutricionistas mais «fora da casca», mas o mesmo não sucede tanto na classe médica. Como já disse algumas pessoas mais velhas dizem que o ICBAS e a FMUP têm muitos gays, mas como a classe médica é muito conservadora são poucos os que vivem a sua sexualidade de forma mais livre. Talvez a proveniência sócio-económica também explique as diferenças no coming-out. Tenho constatado que, salvo as devidas excepções, as famílias de classe alta e média-alta do Porto são muito conservadoras, e também há um estudo interno que prova que uma elevada percentagem dos alunos de Medicina são de classes sociais mais altas. Durante muito tempo a profissão médica foi quase exclusivamente para os homens, mas agora isso está a mudar rapidamente e no futuro os hábitos de coming-out dentro da profissão poderão mudar.

        Homofobia em Tecnologias de Informação
        #23

        Offline nevertoolatetobehappy

        • *****
        • Associad@ Honorári@
        • Membro Elite
        • Género: Masculino
        • Be yourself. Be happy. Be nice.
          • Tiny Ripple Hope
        A FEUP nunca teve fama de ter muitos gays.

        Segundo pessoas mais velhas a FMUP, o ICBAS, enfermagem e a Faculdade de Ciências são as faculdades/cursos com mais gays. A Católica segundo me disseram também não tem muitos mas conheço quatro rapazes que estudaram lá.

        A FEUP, à semelhança de outras faculdades, também tem gays, a única questão é que não são assumidos... O meu comentário inicial da influência dos ambientes masculinos no coming out está relacionado com aquilo que dizes. Pela minha experiência, as instituições de ensino superior onde há mais alunas são aquelas onde há mais abertura para um LGBT se assumir.

        Sim, concordo, mas não te esqueças que há profissões que têm uma cultura mais conservadora, e isso reflecte-se depois no coming out. No Porto há muitos enfermeiros assumidos, há alguns nutricionistas mais «fora da casca», mas o mesmo não sucede tanto na classe médica. Como já disse algumas pessoas mais velhas dizem que o ICBAS e a FMUP têm muitos gays, mas como a classe médica é muito conservadora são poucos os que vivem a sua sexualidade de forma mais livre. Talvez a proveniência sócio-económica também explique as diferenças no coming-out. Tenho constatado que, salvo as devidas excepções, as famílias de classe alta e média-alta do Porto são muito conservadoras, e também há um estudo interno que prova que uma elevada percentagem dos alunos de Medicina são de classes sociais mais altas. Durante muito tempo a profissão médica foi quase exclusivamente para os homens, mas agora isso está a mudar rapidamente e no futuro os hábitos de coming-out dentro da profissão poderão mudar.

        Obrigado pela partilha.

        Concordo quando dizes que há profissões que têm uma cultura mais conservadora. Embora saiba que até há pouco tempo eram maioritariamente os filhos de pais de classes alta e média-alta que frequentavam Medicina (aliás, mesmo agora, quase todas as pessoas da minha faixa etária que se formaram em Medicina continuam a pertencer a estas classes...), não sabia que Medicina era tão "opressiva" para com os gays...

        Gostaria apenas que clarificasses um ponto. O que quiseste dizer com "são poucos os que vivem a sua sexualidade de forma mais livre."?

        Abraço,
        Tiago.
          "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

          Homofobia em Tecnologias de Informação
          #24

          Offline Adónis

          • ****
          • Membro Sénior
          Não é uma profissão onde as pessoas sejam propriamente mais opressivas, é mais uma discriminação de tipo muito subtil, muito difuso, muito «brandos costumes», é tudo muito nebuloso e difícil de provar com «factos concretos».

            Homofobia em Tecnologias de Informação
            #25

            Offline nevertoolatetobehappy

            • *****
            • Associad@ Honorári@
            • Membro Elite
            • Género: Masculino
            • Be yourself. Be happy. Be nice.
              • Tiny Ripple Hope
            Não é uma profissão onde as pessoas sejam propriamente mais opressivas, é mais uma discriminação de tipo muito subtil, muito difuso, muito «brandos costumes», é tudo muito nebuloso e difícil de provar com «factos concretos».

            Ok.

            A conversa está a ficar um pouco off-topic, pelo que a minha próxima observação vai traze-la de volta para o tema: mas viver a homossexualidade segundo "brandos costumes" não é um pouco a regra na nossa sociedade? Se muitas vezes um mero andar de mãos dadas é mal olhado, a partir de que momento os costumes podem ser algo mais do que "brandos"? A título de curiosidade, estive em Amesterdão no início de Agosto, e não vi nem um casal de gays de mãos dadas, se bem que isso tem a ver com os fluxos de imigração registados nos últimos anos...
            « Última modificação: 5 de Setembro de 2013 por nevertoolatetobehappy »
              "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

              Homofobia em Tecnologias de Informação
              #26

              Offline Adónis

              • ****
              • Membro Sénior
              Mas eu tenho um amigo holandês que vive em Amsterdão, e quando foi para o Superior (uma Engenharia) optou por ficar numa residência de estudantes na própria cidade a viver com o namorado. Imaginem um estudante em Portugal a vive com o namorado num quarto de estudantes ou numa residência  lol Tive amigos que foram expulsos de quartos de estudantes em Portugal, naquelas casas com senhoras de idade,  por levarem a namorada para lá e fazerem «barulho» à noite  :-X

                Homofobia em Tecnologias de Informação
                #27

                Offline nevertoolatetobehappy

                • *****
                • Associad@ Honorári@
                • Membro Elite
                • Género: Masculino
                • Be yourself. Be happy. Be nice.
                  • Tiny Ripple Hope
                Mas eu tenho um amigo holandês que vive em Amsterdão, e quando foi para o Superior (uma Engenharia) optou por ficar numa residência de estudantes na própria cidade a viver com o namorado. Imaginem um estudante em Portugal a vive com o namorado num quarto de estudantes ou numa residência  lol Tive amigos que foram expulsos de quartos de estudantes em Portugal, naquelas casas com senhoras de idade,  por levarem a namorada para lá e fazerem «barulho» à noite  :-X

                Sim, parece-me que essa "abertura", de estudantes a poder partilhar a residência, em Portugal é mais difícil (para não dizer perto do impossível). Essas situações, de seres expulso de casa, só serão combatidas através da lei...

                Adicionalmente, enquanto não for natural um LGBT poder experimentar a sua sexualidade, sem ter que ser financeiramente independente, Portugal ainda estará a anos-luz de países como os Países Baixos.

                No meu comentário até falei de algo muito básico (e nada "carnal"), que é andar de mãos dadas, um simples acto que nenhum heterossexual tem que pensar antes de fazer. Por isso é que digo que me parece que, na sociedade em geral, somos um país intolerante para com as manifestações de afectos dos LGBT.
                « Última modificação: 5 de Setembro de 2013 por nevertoolatetobehappy »
                  "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

                  Homofobia em Tecnologias de Informação
                  #28

                  Offline Adónis

                  • ****
                  • Membro Sénior
                  Há pouco lembrei-me que conheço alguns engenheiros gays. Três do IST, dois de Civil e um de Informática, todos três saíram do armário já aos 30... e um da UC, também de Informática.

                  Neste caso este rapaz holandês saiu de casa por opção própria, a família aceita sem qualquer problema e ele leva o namorado para todos os eventos familiares. Acho que lá o Estado garante alojamento e a trabalhar em part-time ganha-se bem, para além disso os horários das universidades são diferentes dos nossos e eles não levam muito a «universidade» para casa. Basicamente têm aulas apenas de manhã, e as tardes todas livres.

                  De facto a impossibilidade de se ser independente da família leva a que muitos jovens LGBT não consigam sair do armário.

                  Pessoalmente defendo o modelo nórdico, creio que não deveria haver propinas para quem não reprova de ano, deveria ser garantido alojamento a todos os estudantes em residências públicas, aulas apenas de manhã, produtividade elevada e trabalho em part-time. Precisamos ainda de décadas para chegar lá pois estas propostas nem estão na agenda dos partidos políticos.

                    Homofobia em Tecnologias de Informação
                    #29

                    Offline nevertoolatetobehappy

                    • *****
                    • Associad@ Honorári@
                    • Membro Elite
                    • Género: Masculino
                    • Be yourself. Be happy. Be nice.
                      • Tiny Ripple Hope
                    Há pouco lembrei-me que conheço alguns engenheiros gays. Três do IST, dois de Civil e um de Informática, todos três saíram do armário já aos 30... e um da UC, também de Informática.

                    Neste caso este rapaz holandês saiu de casa por opção própria, a família aceita sem qualquer problema e ele leva o namorado para todos os eventos familiares. Acho que lá o Estado garante alojamento e a trabalhar em part-time ganha-se bem, para além disso os horários das universidades são diferentes dos nossos e eles não levam muito a «universidade» para casa. Basicamente têm aulas apenas de manhã, e as tardes todas livres.

                    De facto a impossibilidade de se ser independente da família leva a que muitos jovens LGBT não consigam sair do armário.

                    Pessoalmente defendo o modelo nórdico, creio que não deveria haver propinas para quem não reprova de ano, deveria ser garantido alojamento a todos os estudantes em residências públicas, aulas apenas de manhã, produtividade elevada e trabalho em part-time. Precisamos ainda de décadas para chegar lá pois estas propostas nem estão na agenda dos partidos políticos.

                    Senti na pele essa impossibilidade e hoje dói-me saber que ainda há (demasiados) casos como o meu.

                    Não sei o que pensar depois de saber que há quem tenha feito o seu coming out aos 30. Fico simultaneamente feliz por eles mas ao mesmo tempo sinto uma tremenda compaixão pela dor que os assolou durante anos.

                    Um dos meus objectivos de vida é trabalhar fora de Portugal. Os países nórdicos estão no topo das prioridades, por todas as razões possíveis e imaginárias. Poderes ser tu próprio é razão suficiente para viver lá.
                      "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

                      Homofobia em Tecnologias de Informação
                      #30

                      Offline Adónis

                      • ****
                      • Membro Sénior
                      Atenção, os países nórdicos são um pau de dois bicos... o clima é horrível, pior que em Inglaterra. As pessoas são algo frias e caladas, e muito   «certinhas», por vezes até demais... e discriminam um bocado os estrangeiros, de forma subtil mas discriminam... no que diz respeito à homossexualidade atenção com a Finlândia, ao contrário dos outros países nórdicos não é muito tolerante.

                      EDIT: e cuidado com certos atributos das «cultura» portuguesa. Não são tolerados nos países nórdicos. Sei de um caso de um aluno português de Erasmus apanhado com cábulas que veio expulso para Portugal e perdeu o semestre. A UP nunca mais pode enviar para lá ninguém, para essa universidade.

                      Eles não toleram mentiras, enredos, meias verdades, dados ocultados, pessoas que não cuidam do ambiente, pessoas que falam alto e são exibicionistas, etc...

                      http://en.wikipedia.org/wiki/Law_of_Jante
                      « Última modificação: 6 de Setembro de 2013 por Adónis »

                        Homofobia em Tecnologias de Informação
                        #31

                        Offline nevertoolatetobehappy

                        • *****
                        • Associad@ Honorári@
                        • Membro Elite
                        • Género: Masculino
                        • Be yourself. Be happy. Be nice.
                          • Tiny Ripple Hope
                        Atenção, os países nórdicos são um pau de dois bicos... o clima é horrível, pior que em Inglaterra. As pessoas são algo frias e caladas, e muito   «certinhas», por vezes até demais... e discriminam um bocado os estrangeiros, de forma subtil mas discriminam... no que diz respeito à homossexualidade atenção com a Finlândia, ao contrário dos outros países nórdicos não é muito tolerante.

                        Sim, tens razão, já investiguei sobre isso. Mesmo assim, prefiro frio, distante mas respeitador do que caloroso, próximo e homofóbico. Não são a única hipótese claro, tenho alternativas.
                          "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

                          Homofobia em Tecnologias de Informação
                          #32

                          Offline Adónis

                          • ****
                          • Membro Sénior
                          Atenção, os países nórdicos são um pau de dois bicos... o clima é horrível, pior que em Inglaterra. As pessoas são algo frias e caladas, e muito   «certinhas», por vezes até demais... e discriminam um bocado os estrangeiros, de forma subtil mas discriminam... no que diz respeito à homossexualidade atenção com a Finlândia, ao contrário dos outros países nórdicos não é muito tolerante.

                          Sim, tens razão, já investiguei sobre isso. Mesmo assim, prefiro frio, distante mas respeitador do que caloroso, próximo e homofóbico.

                          Eu também... mas estando lá sentimos de vez em quando a falta do calor humano das pessoas do Sul da Europa... enfim... mas lamentavelmente os dados todos indicam que em Portugal, Grécia, Espanha ou Sul de Itália somos muito trapaceiros e sociedades doentes em muitos aspectos, com pouca mobilidade social, muita corrupção, inveja, cunhas, compadrios, exibicionismo, vaidade... temos o clima, a comida, as pessoas giras, os monumentos... mas isto não são propriamente sociedades para quem quer vingar pelo mérito ou para homossexuais ou bissexuais.

                            Homofobia em Tecnologias de Informação
                            #33

                            Offline nevertoolatetobehappy

                            • *****
                            • Associad@ Honorári@
                            • Membro Elite
                            • Género: Masculino
                            • Be yourself. Be happy. Be nice.
                              • Tiny Ripple Hope
                            Atenção, os países nórdicos são um pau de dois bicos... o clima é horrível, pior que em Inglaterra. As pessoas são algo frias e caladas, e muito   «certinhas», por vezes até demais... e discriminam um bocado os estrangeiros, de forma subtil mas discriminam... no que diz respeito à homossexualidade atenção com a Finlândia, ao contrário dos outros países nórdicos não é muito tolerante.

                            Sim, tens razão, já investiguei sobre isso. Mesmo assim, prefiro frio, distante mas respeitador do que caloroso, próximo e homofóbico.

                            Eu também... mas estando lá sentimos de vez em quando a falta do calor humano das pessoas do Sul da Europa... enfim... mas lamentavelmente os dados todos indicam que em Portugal, Grécia, Espanha ou Sul de Itália somos muito trapaceiros e sociedades doentes em muitos aspectos, com pouca mobilidade social, muita corrupção, inveja, cunhas, compadrios, exibicionismo, vaidade... temos o clima, a comida, as pessoas giras, os monumentos... mas isto não são propriamente sociedades para quem quer vingar pelo mérito ou para homossexuais ou bissexuais.

                            Sim, temos tudo, menos... a honestidade para connosco e o respeito pelos outros.
                              "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

                              Homofobia em Tecnologias de Informação
                              #34

                              Offline Adónis

                              • ****
                              • Membro Sénior
                              Apesar dos defeitos que tem, e são muitos, a minha sociedade favorita, de longe, é a inglesa. Pena a falta de sol e a comida ser tão má.

                                Homofobia em Tecnologias de Informação
                                #35

                                Offline kenprt

                                • ***
                                • Membro Total
                                • Género: Masculino
                                Eu acho que os Nerds como estão fartos de serem gozados por serem nerds, geek,s monstros das caves, etc... descarregam essa frustração noutros grupos minoritários. Os Nerds são feitos para estar com máquinas, não para socializar. ahahah Não esperes muito deles. Altas expectativas, altas são as desilusões :D

                                Um pouco de sabedoria e senso comum ahah

                                Não consegui ignorar tal comentário...

                                Os nerds não podem ser pessoas normais?
                                Estamos num fórum onde não devia de haver descriminação de qualquer tipo de minoria.

                                Bem, para a próxima escrevo IRONIA ALERT ou então, se calhar, JUST KIDDING para os mais distraídos ;)

                                  Homofobia em Tecnologias de Informação
                                  #36

                                  dre_o

                                  • Visitante
                                  Sim, pois claro.

                                    Homofobia em Tecnologias de Informação
                                    #37

                                    Offline nevertoolatetobehappy

                                    • *****
                                    • Associad@ Honorári@
                                    • Membro Elite
                                    • Género: Masculino
                                    • Be yourself. Be happy. Be nice.
                                      • Tiny Ripple Hope
                                    EDIT: e cuidado com certos atributos das «cultura» portuguesa. Não são tolerados nos países nórdicos. Sei de um caso de um aluno português de Erasmus apanhado com cábulas que veio expulso para Portugal e perdeu o semestre. A UP nunca mais pode enviar para lá ninguém, para essa universidade.

                                    Eles não toleram mentiras, enredos, meias verdades, dados ocultados, pessoas que não cuidam do ambiente, pessoas que falam alto e são exibicionistas, etc...

                                    http://en.wikipedia.org/wiki/Law_of_Jante


                                    Ainda bem que eles são assim, pois eu também não sou muito complacente com falta de carácter.
                                      "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

                                      Homofobia em Tecnologias de Informação
                                      #38

                                      Offline nevertoolatetobehappy

                                      • *****
                                      • Associad@ Honorári@
                                      • Membro Elite
                                      • Género: Masculino
                                      • Be yourself. Be happy. Be nice.
                                        • Tiny Ripple Hope
                                      Ontem dei um salto de fé.

                                      Decidi que chegou o momento em que finalmente encontrei alguém em quem pudesse confiar para contar que sou gay. Assumi-me a um colega de trabalho, que na realidade considero como amigo, o primeiro que fiz desde que comecei a trabalhar (todas as outras pessoas eram colegas, porque decidi estabelecer uma linha entre os lados pessoal e profissional).

                                      A reacção dele foi positiva e resumidamente disse-me que ele não ligava a essas coisas e que cada um tem a sua vida. Fico feliz pela amizade ter permanecido e que continue a ser tão especial quanto tem sido até agora.

                                      Pensei muito se o devia dizer, mas agora que o fiz, orgulho-me de me ter assumido como gay no emprego, mesmo que apenas a um colega. Era o único local onde não era assumido e agora que o fiz, sinto que o medo deixou de dominar a relação com os meus colegas e que aos poucos vou poder deixar de colocar a máscara a que sempre e amargamente me habituei.

                                      Espero que o meu testemunho dê esperança a quem está a reunir forças para se assumir no emprego.
                                      « Última modificação: 31 de Outubro de 2013 por nevertoolatetobehappy »
                                        "Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light not our darkness that most frightens us."

                                        Homofobia em Tecnologias de Informação
                                        #39

                                        Offline theone111

                                        • ****
                                        • Membro Sénior
                                        • Género: Masculino
                                        Ontem dei um salto de fé.

                                        Decidi que chegou o momento em que finalmente encontrei alguém em quem pudesse confiar para contar que sou gay. Assumi-me a um colega de trabalho, que na realidade considero como amigo, o primeiro que fiz desde que comecei a trabalhar (todas as outras pessoas eram colegas, porque decidi estabelecer uma linha entre os lados pessoal e profissional).

                                        A reacção dele foi positiva e resumidamente disse-me que ele não ligava a essas coisas e que cada um tem a sua vida. Fico feliz pela amizade ter permanecido e que continue a ser tão especial quanto tem sido até agora.

                                        Pensei muito se o devia dizer, mas agora que o fiz, orgulho-me de me ter assumido como gay no emprego, mesmo que apenas a um colega. Era o único local onde não era assumido e agora que o fiz, sinto que o medo deixou de dominar a relação com os meus colegas e que aos poucos vou poder deixar de colocar a máscara a que sempre e amargamente me habituei.

                                        Espero que o meu testemunho dê esperança a quem está a reunir forças para se assumir no emprego.

                                        Se bem percebi, ele é então amigo e colega de trabalho. Qual é agora a utilizade da linha que estabeleceste? Proteger-te ou limitar-te? ;)

                                        Parabéns pelo feito!
                                          E acredita, a vida é bastante melhor com bolachas! lol

                                           

                                          Tópicos relacionados

                                            Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
                                          1 Respostas
                                          6339 Visualizações
                                          Última mensagem 7 de Setembro de 2009
                                          por mgeral
                                          3 Respostas
                                          1621 Visualizações
                                          Última mensagem 28 de Setembro de 2008
                                          por corema
                                          5 Respostas
                                          1947 Visualizações
                                          Última mensagem 5 de Julho de 2012
                                          por ivan919
                                          6 Respostas
                                          9770 Visualizações
                                          Última mensagem 15 de Setembro de 2018
                                          por Aschen
                                          1 Respostas
                                          1344 Visualizações
                                          Última mensagem 22 de Janeiro
                                          por tomasbarao