rede ex aequo

Olá Visitante21.set.2019, 10:18:25

Autor Tópico: Duvidas de homosexualidade na adolescencia  (Lida 30693 vezes)

 
Duvidas de homosexualidade na adolescencia
#60

Offline manofort

  • *
  • Novo Membro
"Caí" neste tópico por mero acaso. Contudo, parar de lê-lo foi absolutamente impossível.
Apesar de já não ser adolescente há alguns anos ( uns 5000 LOL ), não me recordo de os últimos 20 anos me ter sentido tão identificado como com as mensagens partilhadas neste thread.

Tentarei contar de forma breve e concisa a minha história...

Estudei durante muitos anos numa escola só de rapazes e pertencente ao clero.
Muito cedo descobri o meu desmesurado interesse por, então, rapazes. Muitas dúvidas surgiram em função disso: Se seria apenas uma questão de ocasião visto estar nu meio exclusivamente masculino e sem qualquer hipótese e conviver com pessoas do sexo oposto, se seria uma atracção fundamental, se seria alguma fase, se seria uma forma de confusão, etc...

Não tendo conseguido chegar a nenhuma conclusão práctica e - então - com os meus 10 / 11 anos, descobri que outras pessoas tinham, nesse meio: o meu, as mesmas "dúvidas" ou "propensões" que eu.

Sempre no maior dos secretismos, envolvi-me com tantos quantos conseguia perceber terem a mesma inclinação - o que por sinal era fácil.

Fácil, tanto pelos tempos em que aconteceu ( há já uns anos VALENTES ) como pelo facto de ocnversa em torno de sexualidade, apetites, etc... serem vulgares entre todos por SÓ haver homens...

As conversas de casa de banho e de balneário desenvolviam-se com muita facilidade e - por cultura do local, talvez - havia um natural desassombro relativamente ao convívio em nudez - nesses espaços - e respectivas envolventes e condicionantes.

Até aí, tirando o secretismo que se conferia à coisa, o que até apimentava o cenário, conferindo-lhe um halo de proibição, risco, entusiasmo, tudo corria relativamente bem.

Entre os meus 10 / 11 anos e os meus 15 mantive relações sexuais ( orais e anais ) diariamente.

Oportuno será dizer que passado o 1ª ano de início destas actividades, portanto estando eu com 11 / 12 anos, a minha certeza de homossexualidade era perfeita, total, absoluta, clara e inabalável. O que nada me incomodava visto corresponder ao que me fazia sentir bem.

Apesar de tanto me sentir bem, o meu relacionamento com outros sempre aconteceu numa perspectiva bem mais física que emocional. Nessa medida, a minha dimensão emocional não passou pelas eras / passos naturais não se tendo desenvolvido e amadurecido.

Com 15 anos saí dessa escola e fui acabar o liceu a outra, desta feita livre do clero e num ambiente misto. Homens e mulheres.

Que absoluta confusão. Que turbilhão de ideias, sentimentos e sensações umas claras e outras absolutamente confusas...

Confrontado com a existência práctica da convivência com mulheres tudo o que até então era claro para mim desabou e se desconstruiu dando - novamente - lugar à maior das confusões.

Afinal, se era homossexual, como era possível sentir-me bem, apoiado, reconfortado e profundamente ligado a mulheres?
Como era isto possível?

Depois de alguns naturais episódios de envolvimento em prácticas cripto-sexuais, primeiro e franca e abertamente sexuais, depois, concluí algo extremamente curioso. Sistematizando a atracção e subsequente envolvimento e separando-os em duas partes, permiti-me conluir o seguinte:

ENVOLVIMENTO EMOCIONAL COM MULHERES
Amplo, absoluto, muita envolvência, muito prazer, muito conforto, muita entrega.

ENVOLVIMENTO EMOCIONAL COM HOMENS
Absolutamente nenhum.

ENVOLVIMENTO FÍSICO COM MULHERES
Agradável mas sempre com uma sensação de incompletude.
O verdadeiro prazer só era atingido com uma aproximação já conhecida: oral e anal.
Loucura absoluta pela estética e morfologia da mama.
Desidentificação e alguma repulsa pela forma, morfologia, odores, etc... da vagina

ENVOLVIMENTO FÍSICO COM HOMENS
Plenamente satisfatório. Chama ardente e impossível de apagar.
Paixão, entrega, envolvência, prazer louco e preenchimento absoluto.

O que me permitiu inferir que era bissexual, sentindo uma atracção emocional por mulheres e física por homens, portador de uma inegável e imbatível / implacável fixação oral.

Isto deixava-me numa posição tremenda... Tudo o que até então tinha sido aceite e - por hábito - ganho um aspecto de normalidade era agora posto em causa.

Já não havia quase ninguém com as minhas inclinações e eu era - naturalmente - empurrado para um dever de presença e relaç\ao heterossexual.

Resultado: Uma adolescência muito confusa, uma idade adulta cheia de arrependimentos.

Casado, com filhos e em plena impossibilidade - agora - de admitir bissexualidade / homossexualidade.

Por favor, cumpram a dívida que têm para convosco próprios/as:

Sejam honestos convosco e com os outros.
Assumam o que são se sentem.
Sejam fiéis a vós próprios.

Por maior que seja o receio e por maiores que sejam os riscos ambos serão, indubitavelmente, melhores que uma vida plástica, não preenchida e infeliz.

Se no meu tempo de adolescência / juventude as coisas fossem abertas como são agora, jamais teria feito as opções que fiz.

Palavras de quem viveu o que conta.
Identifiquei-me muito com tua historia. Também nao sou mais adolescente... Já casado. E nos ultimos tempos atravessado uma crise de culpa, misturada com arrependimento e medo.
Estou a sentir o mesmo sobre relação com mulheres (a minha esposa, no caso) e com homens. Aquela envolvente, emocional, forte e duradoura. Esta é puramente física, intensa, quase obsessiva.
Tenho dado vazão a este desejo homosexual atraves do sexo virtual, masturbação, e fantasias. Sinto-me traindo minha companheira e isso tem me deixado bastante deprimido. Cheguei ao ponto de não suportar e confessar a ela minha condição bissexual.
Decidi depois de muito diálogo, lágrimas e muita compreensão, decidimos recomeçar e persistir no casamento.
Mas ainda ficam dúvidas, o medo de não conseguir me conter e trair minha esposa. Mas tenho tratado esse problema com auxilio psicologico. Pois sei que, mesmo optando por uma relação homoafetiva, ainda estaria com esse mal comportamento , traindo o companheiro, seja ele quem fosse.
Muita paz e serenidade em vossas decisões, companheiros!

     

    Tópicos relacionados

      Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
    24 Respostas
    8141 Visualizações
    Última mensagem 21 de Agosto de 2012
    por ilikemiguel
    43 Respostas
    14186 Visualizações
    Última mensagem 30 de Setembro de 2012
    por JoanaBanana
    14 Respostas
    8347 Visualizações
    Última mensagem 16 de Junho de 2011
    por kinhopazz
    0 Respostas
    873 Visualizações
    Última mensagem 23 de Julho de 2013
    por Simão
    3 Respostas
    1000 Visualizações
    Última mensagem 9 de Agosto de 2016
    por searching_the_love