rede ex aequo

Olá Visitante04.jul.2020, 00:54:19

Autor Tópico: Capitalismo  (Lida 18654 vezes)

 
Capitalismo
#20

Offline Pulse

  • *****
  • Membro Vintage
  • Género: Masculino
  • After all, losing all hope was freedom.
Sim... Aqui pelo fórum pouco mais do que contrastar posições conseguimos. Mas estou certo de que uma troca de ideias a sério levaria um dos dois a saltar para o outro lado. ;)

Quanto ao que dizes, tens razão! Só que eu queria contrastar com a situação primitiva....

Vejo que tens uma foto do Che. Olha que o Marx concordava comigo em larga medida.... ::) Ele reconhecia a importância do capitalismo. E nunca pensou em aboli-lo antes da hora H.

Sim, o Ernesto Guevara é um dos meus idolos, não tanto pela questão da revolução mas mais pelo seu percurso. Acho incrivel que ele sendo médico se tenha ligado tanto às questões da desigualdade quando podia ter tido uma vida bem boa sem se ralar com nada.
Quanto ao saltar para o lado do outro, serias tu a saltar para o meu porque sou demasiado teimoso.  :P
    And my head told my heart, let love grow. But my heart told my head, this time no, this time no.

    Capitalismo
    #21

    Elijah Keat

    • Visitante
    Quanto às primeiras imagens, considero a de baixo bastante mais bonita, mas não sou contra o desenvolvimento da tecnologia, muito pelo contrário.

    Penso que um desenvolvimento sustentável é importante. O nosso planeta não tem recursos infinitos, e está-se a lixar para a existência ou não de humanos; como tal, os únicos a preocuparem-se connosco devemos ser nós. Parte dessa preocupação egoísta devia resisdir na preocupação com outrós seres vivos e com o nosso meio ambiente, porque apesar da grande independência que conseguimos, graças às tecnologias, ainda fazemos parte da Natureza, e creio que dificilmente viveremos numa Natureza com características muito diferentes da actual.

    Temos capacidade para compreender isso; temos também a consciência de que, como animais, conseguimos alterar o nosso meio, nem sempre para o nosso bem. Agora há que saber jogar com esses aspectos e controlar-mo-nos.


      Capitalismo
      #22

      Agamemnon

      • Visitante
      Quanto às primeiras imagens, considero a de baixo bastante mais bonita, mas não sou contra o desenvolvimento da tecnologia, muito pelo contrário.

      Penso que um desenvolvimento sustentável é importante. O nosso planeta não tem recursos infinitos, e está-se a lixar para a existência ou não de humanos; como tal, os únicos a preocuparem-se connosco devemos ser nós. Parte dessa preocupação egoísta devia resisdir na preocupação com outrós seres vivos e com o nosso meio ambiente, porque apesar da grande independência que conseguimos, graças às tecnologias, ainda fazemos parte da Natureza, e creio que dificilmente viveremos numa Natureza com características muito diferentes da actual.

      Temos capacidade para compreender isso; temos também a consciência de que, como animais, conseguimos alterar o nosso meio, nem sempre para o nosso bem. Agora há que saber jogar com esses aspectos e controlar-mo-nos.



      Cute! [smiley=sim.gif]

      E gostas da Rand.... Não deves ser má pessoa. :curtain ;)

        Capitalismo
        #23

        Offline tal-go

        • *****
        • Membro Ultra
        • Género: Masculino
        • Um sonho...o Mundo.
        Antes estávamos no domínio do "produzir suficiente para alimentar". ;)

        O que vocês me foram pôr aqui! Bem, tendo por defeito a minha formação, vou comentar à luz dos meus conhecimentos esta frase que junta dois termos bastante utilizados na minha actividade: "produção" e "alimentar".

        À época da criação da CEE, a Europa debatia-se com um grave problema de produção de bens essenciais, fundamentalmente os que provenientes das actividades primárias. A primeira política comunitária, a Política Agrícola Comum PAC, veio enfatizar a produção desenfreada de produtos agrícolas.
        Resultado: excedentes, excedentes, excedentes, criando as célebres montanhas de pó branco dentro dos armazéns. E, para não haver abandono da produção agrícola, os Estados asseguravam a compra desses excedentes.
        Só que enquanto esses excedentes eram comprados pelos Estados, enquanto os produtores viviam bem e este nosso condomínio de luxo Europeu ia garantindo a compra da produção que ninguém consumia, uma grande parte do Mundo morria à fome. A pressão pública pressionava cada vez mais para que fosse criada uma solução para acabar com este grande paradoxo mundial.
        Mais não só a coisa roçava já a indignação como estavam sendo feitos cada vez mais estudos sobre os impactos da superprodução no ecossistema. Maiores produções implicavam um maior uso de fertilizantes, um maior uso de combustíveis e um maior uso de pesticidas. Tudo com as gravosas consequências para o ambiente que hoje em dia já conhecemos. E para as finanças, já que os subsídios aos factores de produção existiam.

        2003.
        A chamada reforma intercalar da PAC, que no fundo nada mais foi do que uma reorganização completa da PAC, tendo em vista a adaptação da realidade Europeia a partir de 01 de Maio de 2004 com a adesão de mais 10 países para a UE (UE-15 para UE-25) reduziu substancialmente os apoios à produção-por-produção, para os aplicar numa agricultura multifuncional, prestadora de serviços. Serviços produtivos ao fim e ao cabo, serviços ambientais e serviços sociais.
        Cada vez mais apoiante de uma agricultura para produzir somente o essencial, evitando os excedentes que são caros sob todos os pontos de vista, a nova PAC apoia também uma agricultura cada vez mais diferenciada, moderna, integrada e social com vista à diversificação da economia no tecido rural.

        Ora, nos dias de hoje não faz sentido pensarmos em abandonar o pensamento "produzir somente para alimentar". A sustentabilidade dos nossos recursos depende grandemente desta frase. Produzir para não se utilizar é o maior contra-senso de qualquer sistema económico.

        Quanto às imagens, gosto de ambas. Ambas as actividades são respeitáveis, insubstituíveis e nas quais existem empresas capitalistas. Capitalistas no sentido de não serem familiares.
        Se uma petroquímica é claramente um negócio, uma herdade vitícola com uma adega aberta a visitas (enoturismo) e a serviços de vinificação para terceiros, também é um negócio. Ambos empregam pessoas, ambas metem pão na casa de muita gente.

          Capitalismo
          #24

          Agamemnon

          • Visitante
          Ora, nos dias de hoje não faz sentido pensarmos em abandonar o pensamento "produzir somente para alimentar". A sustentabilidade dos nossos recursos depende grandemente desta frase. Produzir para não se utilizar é o maior contra-senso de qualquer sistema económico.

          Não percebi a implicação. A produção de subsistência porque não consegues produzir mais, sendo mesmo essa difícil, não se relaciona com a segunda parte.

          Mas YEP! Abaixo PAC. ::)

            Capitalismo
            #25

            Offline tal-go

            • *****
            • Membro Ultra
            • Género: Masculino
            • Um sonho...o Mundo.
            A produção deve ser sustentável a todos os níveis. Não vamos produzir 30 quando sabemos que nunca vendemos mais do que 20.
            Os contratos pré-produção servem essencialmente para isso mesmo. Limitar um tecto máximo para a produção, procurando ainda assim altos níveis de rendimento do processo.

            Quanto à PAC, não vejo condições nenhumas para que seja desmantelada. É uma política essencial para a agricultura Europeia e para todos os valores por ela produzidos.



            (Colares)
            Respondendo à questão "O que aqui vê que pode ser vendido?",
            muitos responderiam: Cacho.
            O cacho pode ser para comer ou para vinificar dependendo das suas características e dos objectivos. Mas então e o resto? Esta arte de vinhos Atlânticos, cada vez mais em perigo, é feita na região de Colares. Isto também é património. Isto também se vende! Com a redução da área vitícola de Colares, os rendimentos obtidos da produção não chegam para assegurar a continuidade deste património e como os produtores não estão a par dos rendimentos que dali podem obter, a região vai definhando ao sabor da pressão imobiliária.
            E é isso que a nova PAC quer fazer: sensibilizar cada vez mais os produtores que eles são detentores de uma série de recursos dos quais podem tirar rendimentos. Têm que os explorar e rentabilizar melhor, para que seja desnecessário aumentar as produções para níveis insustentáveis só para auferirem os rendimentos pretendidos. E assim garantem-se as três funções da nova agricultura (produtiva - de alimentos, social - enquanto geradora de empregos e âncora para a população em certas zonas e ambiental - aumentando a biodiversidade e prevenindo certos problemas).

              Capitalismo
              #26

              giffs

              • Visitante
              Eu sou ABSOLUTAMENTE contra o capitalismo e anti-capitalista.

              é um sistema que apenas cria mais desigualdade e injustiça social.  Mais para os mesmos, menos para os mesmos. E dizem os fascistas (=ao que tem fobia do comunismo) que conseguem equilibrar a economia e desenvolver um país beneficiando os mesmos. O problema é que os mesmos só pensam nesses mesmos.

                Capitalismo
                #27

                Agamemnon

                • Visitante
                Eu sou ABSOLUTAMENTE contra o capitalismo e anti-capitalista.

                é um sistema que apenas cria mais desigualdade e injustiça social.  Mais para os mesmos, menos para os mesmos. E dizem os fascistas (=ao que tem fobia do comunismo) que conseguem equilibrar a economia e desenvolver um país beneficiando os mesmos. O problema é que os mesmos só pensam nesses mesmos.

                Eu estou convencido que o capitalismo é o único sistema económico que cria prosperidade para a generalidade da população. Por isso deixo-te o desafio de elaborares a tua frase. :)

                  Capitalismo
                  #28

                  Offline _Margot_

                  • *****
                  • Membro Elite
                  • Género: Feminino
                  • The show must go on!
                  Há muitas pessoas contra o capitalismo mas eu pessoalmente acho o capitalismo um mal necessário. Gostava de ver como era o mundo se não existisse industria nem mercado de oferta e procura nem competitividade.
                  Porquê?  :inq O ser humano não existia já antes de haver tudo isso?
                  Expressei-me mal.
                  Gostava de ver o mundo, no sentido de todos os homens que habitam o mundo. Talvez tenha sido uma afirmação arrogante, mas não consegui encontrar nenhuma expressão melhor.
                  Eu estou convencido que o capitalismo é o único sistema económico que cria prosperidade para a generalidade da população.
                  [smiley=sim.gif]
                    "Be anything but a coward, a pretender, an emotional crook, a whore: I'd rather have cancer than a dishonest heart." Truman Capote - Breakfast at Tiffany's

                    Capitalismo
                    #29

                    Soueu20

                    • Visitante
                    Sou um apaixonado pelo ser humano... Mas sou muito mais pela natureza, isso explica logo a minha opinião....

                      Capitalismo
                      #30

                      Offline Back Room

                      • *****
                      • Membro Elite
                      • Género: Masculino

                      Acho que estamos mais humanos, sim! Conseguimos moldar o nosso meio segundo alguns dos nossos valores. Temos um controlo superior sobre aquilo que nos afecta. Somos activos e não passivos. Conseguimos viver mais tempo e melhor com felicidade. Achas mais humano passares os teus dias a pensar como dar de comer aos teus?


                      O capitalismo que te tenta manipular, inculcar, oprimir e que te direcciona para aquilo que interessa, o lucro, tornou-te mais activo e mais humano?

                      Deve ser por isso que grande parte da população não quer saber de arte, filosofia, nada. Só consomem o que lhe dão e estão cada vez mais burros e robots.

                      O capitalismo está a invadir a vida das pessoas de forma a fazer-nos uma lobotomia progressiva. Perdemos a capacidade de pensar. Somos só números.



                      PS- Declaração de interesses: não sou de extrema-esquerda, nem anti-americano.
                      « Última modificação: 18 de Maio de 2010 por Back Room »
                        "I started being proud of being gay, even though I wasn't." Kurt Cobain.

                        "Quelle est votre plus grand ambition dans la vie? Devenir immortel... et puis... mourir." À Bout de Souffle, Godard.

                        "One of the great tragedies of mankind is that morality has been hijacked by religion." Arthur C. Clark

                        Capitalismo
                        #31

                        Apollo

                        • Visitante
                        Ao longo da História ficou provado que o capitalismo é o melhor sistema económico. Contudo, sem ética e responsabilidade social, o capitalismo entra em crise. Por isso, tem de ser regulado pelo Estado em dialéctica com a sociedade. Abomino o comunismo, o socialismo e o liberalismo desenfreado. Sou pelo liberalismo com responsabilidades sociais e pela social-democracia cristã.

                        EDIT:

                        sou tendencialmente anti-americano, não pelas mesmas razões que a esquerda. Desde a Segunda Guerra Mundial que a Europa entrou em decadência, e fomos invadidos pela dita «cultura» americana, tendência que se acentuou nos anos 80. Falo da «cultura» da música ligeira, da literatura «light», dos filmes que são entretenimento e não cinema enquanto Arte. Começámos a desprezar a Literatura, a Filosofia, a História, a verdadeira Ciência. A cultura americana do pragmatismo visa apenas o benefício imediato. É a cultura do lucro rápido e desenfreado, sem valores éticos, morais, sem respeito por valores como a Dignidade, a Estética, a Beleza. É a cultura da ciência dos  estudos de poucos meses baseados em inquéritos, dos livros de biografias de quem não tem biografia, é a transformação da «cultura» em lucro e do lucro em «cultura».

                        Por algum motivo, todas as grandes ideias científicas que mudaram a nossa vida surgiram antes da Segunda Guerra, na Europa. Falo de Einstein, Bohr, Lavoisier, entre outros. Tudo o que apareceu depois, na generalidade, foram apenas evoluções tecnológicas a partir de alterações paradigmáticas preconizadas na Europa. Há uns tempos, um prémio Nobel da Física alertava para a ausência de estudos a longo prazo devido a esta cultura de origem americana.

                        O liberalismo americano desenfreado, muito ao estilo do partido Republicano, despreza a Poesia, a História, a Filosofia ou a Sociologia.
                        « Última modificação: 18 de Maio de 2010 por Apollo »

                          Capitalismo
                          #32

                          Offline Back Room

                          • *****
                          • Membro Elite
                          • Género: Masculino
                          Acho que se fala num sistema mundial. E aí este capitalismo aliado à globalização é altamente destrutivo - de pessoas, de cultura, do ambiente.

                          Concordo completamente com a segunda parte do teu post, só não considero isso anti-americanismo.

                          É um drama. O entretenimento americano está a esvaziar as pessoas e a matar a arte e a filosofia. A Europa sempre teve maior sensibilidade para a arte e a cultura. Já ninguém quer saber. Querem é ir ver o Transformers e ouvir a Rihanna.
                          « Última modificação: 18 de Maio de 2010 por Back Room »
                            "I started being proud of being gay, even though I wasn't." Kurt Cobain.

                            "Quelle est votre plus grand ambition dans la vie? Devenir immortel... et puis... mourir." À Bout de Souffle, Godard.

                            "One of the great tragedies of mankind is that morality has been hijacked by religion." Arthur C. Clark

                            Capitalismo
                            #33

                            Apollo

                            • Visitante
                            Acho que se fala num sistema mundial. E aí este capitalismo aliado à globalização é altamente destrutivo - de pessoas, de cultura, do ambiente.

                            Concordo completamente com a segunda parte do teu post, só não considero isso anti-americanismo.

                            É um drama. O entretenimento americano está a esvaziar as pessoas e a matar a arte e a filosofia.

                            Back Room, concordo com a questão da globalização. É um drama para o planeta, e um sonho para os liberais extremistas do dinheiro sem pátria.

                            Esta discussão sobre o esvaziamento cultural nunca foi feita no nosso país, mas noutras universidades noutros países europeus os jovens de esquerda e de direita já estão atentos ao problema. Por aqui, só os vejo preocupados com a Queima das Fitas e com a praxe, embora haja uma minoria muito residual ligadas a algumas causas.

                            Mas dentro da nossa direita há muita gente preocupada com a globalização e com o ambiente. É o caso dos Monárquicos (não aqueles do PM).

                            EDIT: assim como na esquerda há muitos liberais do dinheiro sem pátria encapotados.

                              Capitalismo
                              #34

                              Offline Back Room

                              • *****
                              • Membro Elite
                              • Género: Masculino
                              Acredito.

                              Mas é inevitável que um dia surja um movimento forte no sentido contrário. Espero.
                              Pode é ser tarde de mais.
                                "I started being proud of being gay, even though I wasn't." Kurt Cobain.

                                "Quelle est votre plus grand ambition dans la vie? Devenir immortel... et puis... mourir." À Bout de Souffle, Godard.

                                "One of the great tragedies of mankind is that morality has been hijacked by religion." Arthur C. Clark

                                Capitalismo
                                #35

                                Apollo

                                • Visitante
                                Acredito.

                                Mas é inevitável que um dia surja um movimento forte no sentido contrário. Espero.
                                Pode é ser tarde de mais.

                                Back Room, eu já faço a minha parte no dia a dia...

                                - Vou de bicicleta para a faculdade, sou aliás o único na minha faculdade a fazê-lo (e estamos em Lisboa...);

                                - Não entro em centros comerciais, compro a roupa na Baixa, não como em cadeias de fast-food e tento comprar apenas produtos  portugueses e de produtores locais e tradicionais;

                                - Não vejo filmes americanos, a não ser que anteveja alguma qualidade artística;

                                - Não compro um único livro de literatura light;

                                - Tento comprar sempre marcas de roupa europeias;

                                - Sou activista da Quercus.

                                Nós também podemos fazer a nossa parte na luta pela identidade e pela cultura portuguesa e europeia.

                                  Capitalismo
                                  #36

                                  Offline _Margot_

                                  • *****
                                  • Membro Elite
                                  • Género: Feminino
                                  • The show must go on!
                                  Quero ver se percebi bem... A globalização é um drama?

                                  A internet, as distâncias serem cada vez mais curtas, o acesso sem limites a tudo o que quisermos são dramas?
                                  Poder falar com pessoas que vivem do outro lado do mundo através do telefone ou do computador, quando antigamente só por carta e mesmo assim às vezes se estraviava é um drama? Conhecer todas as culturas que eu quiser em vez de ouvir falar num país chamado Japão ou México é um drama?
                                    "Be anything but a coward, a pretender, an emotional crook, a whore: I'd rather have cancer than a dishonest heart." Truman Capote - Breakfast at Tiffany's

                                    Capitalismo
                                    #37

                                    Agamemnon

                                    • Visitante

                                    Acho que estamos mais humanos, sim! Conseguimos moldar o nosso meio segundo alguns dos nossos valores. Temos um controlo superior sobre aquilo que nos afecta. Somos activos e não passivos. Conseguimos viver mais tempo e melhor com felicidade. Achas mais humano passares os teus dias a pensar como dar de comer aos teus?


                                    O capitalismo que te tenta manipular, inculcar, oprimir e que te direcciona para aquilo que interessa, o lucro, tornou-te mais activo e mais humano?

                                    Deve ser por isso que grande parte da população não quer saber de arte, filosofia, nada. Só consomem o que lhe dão e estão cada vez mais burros e robots.

                                    O capitalismo está a invadir a vida das pessoas de forma a fazer-nos uma lobotomia progressiva. Perdemos a capacidade de pensar. Somos só números.

                                    Não te importas de contrastar o capitalismo com o sistema que advogas no que toca a esses pontos que criticas? :)

                                    É que nem há arte/filosofia/etc se o problema económico básico não for resolvido. E não há outro sistema que eu conheça que consiga manter a generalidade das pessoas fora do limiar da sobrevivência. Quando é que a grande parte da população quis saber de arte, filosofia, etc.?

                                    Se é aquilo que me interessa como me está a inculcar, oprimir ou a manipular? Se me tornou mais atractivo? Pelos teus pressupostos sim porque me permitiu fazer algo que me interessa... (Isto é um convite a reformulares aquela tua frase. Sei que não é bem aquilo que queres dizer. ;))

                                    Perdemos a capacidade de pensar, mas se não fosse a capacidade produtiva que a economia capitalista tem posto à nossa disposição crês que estaríamos intelectualmente melhores? Acho que somos menos um "número" hoje do que no ancien regime, por exemplo. Tu não? Queres elaborar o que entendes por "um número"?

                                      Capitalismo
                                      #38

                                      Offline Back Room

                                      • *****
                                      • Membro Elite
                                      • Género: Masculino
                                      Ninguém disse que a globalização era um drama. Eu falei globalização aliada ao capitalismo. E não me refiro ao capitalismo simplesmente como uma economia essencialmente liberal, porque eu sou a favor de uma economia liberal. Mas com RESPONSABILIDADE. Eu referia-me ao capitalismo desenfreado norte-americano, que atropela tudo e todos à procura do lucro. Atropela a cultura, atropela o ambiente, atropela os países do hemisfério Sul.

                                      Quanto ao seres um número... espanta-me que alguém que já deu provas de ser tão culto como tu não queira perceber o que quero dizer com isso. Achas que a grande parte da população caminha para ter uma capacidade de pensar e reflectir sobre o que quer que seja? Não me acredito.
                                      Está tudo tão bem explicado pelo Apollo, que não sei o que queres que te diga mais.

                                      Ninguém aqui critica uma economia liberal, criticamos o fim de qualquer preocupação social em nome do lucro. Os países desenvolvidos europeus sempre tiveram mais sensibilidade cultural do que têm hoje e do que possivelmente terão amanhã. E mais identidade.
                                      Não entendo como podes ser incapaz de ver que a população está cada vez mais cega e burra por causa do entretenimento americano.
                                        "I started being proud of being gay, even though I wasn't." Kurt Cobain.

                                        "Quelle est votre plus grand ambition dans la vie? Devenir immortel... et puis... mourir." À Bout de Souffle, Godard.

                                        "One of the great tragedies of mankind is that morality has been hijacked by religion." Arthur C. Clark

                                        Capitalismo
                                        #39

                                        Agamemnon

                                        • Visitante
                                        Ai ai Back Room. Vou ter de ser minucioso contigo, hoje. :)

                                        A Europa sempre teve maior sensibilidade para a arte e a cultura. Já ninguém quer saber. Querem é ir ver o Transformers e ouvir a Rihanna.

                                        Isto não é verdade. Querem ir ver o Transformers e ouvir a Rihanna.... Alguma vez quiseram outra coisa? TU não queres e tens a possibilidade de não o fazer. Graças a quê? E a globalização não ajuda também? Também não é verdade que a Europa sempre tenha tido mais sensibilidade... Desde que os EUA são nação que têm contribuído de forma notável para a arte e cultura. Dizer que é "menos sensível" é um pouco vácuo, não achas? Não precisas que te relembre o impacto social, cultural, filosófico da revolução americana, ou de nomes como Henry James ou Rawls.  :)

                                        Quanto ao que o Apollo disse... Não posso concordar com nada. Se quiseres posso elaborar.

                                        Ninguém disse que a globalização era um drama. Eu falei globalização aliada ao capitalismo. E não me refiro ao capitalismo simplesmente como uma economia essencialmente liberal, porque eu sou a favor de uma economia liberal. Mas com RESPONSABILIDADE. Eu referia-me ao capitalismo desenfreado norte-americano, que atropela tudo e todos à procura do lucro. Atropela a cultura, atropela o ambiente, atropela os países do hemisfério Sul.

                                        Quanto ao seres um número... espanta-me que alguém que já deu provas de ser tão culto como tu não queira perceber o que quero dizer com isso. Achas que a grande parte da população caminha para ter uma capacidade de pensar e reflectir sobre o que quer que seja? Não me acredito.
                                        Está tudo tão bem explicado pelo Apollo, que não sei o que queres que te diga mais.

                                        Ninguém aqui critica uma economia liberal, criticamos o fim de qualquer preocupação social em nome do lucro. Os países desenvolvidos europeus sempre tiveram mais sensibilidade cultural do que têm hoje e do que possivelmente terão amanhã. E mais identidade.
                                        Não entendo como podes ser incapaz de ver que a população está cada vez mais cega e burra por causa do entretenimento americano.

                                        Capitalismo é absolutamente impossível sem responsabilidade... Já o Adam Smith o dizia (não falava em capitalismo). Não achas um pouco irónico que se ouça hoje que há "excesso de liberalização", de "capitalismo desenfreado", de "preocupação absurda com o lucro", de "excessos materialistas", de "atropelos" e na notícia seguinte "carga fiscal nunca foi tão alta", "Sector Público bate recorde atingindo 50% do PIB", "Jean-Claude Trichet aumenta as taxas de juro" (Nos EUA é igual mutatis mutandis)? O Greenspan quando era novo (e minimamente credível) escreveu um ensaio chamado "The Assault on Integrity" - a ideia base é a de que se o Estado diz "artigo com a característica X não pode ser vendido", tu nunca mais te vais preocupar com a existência ou não da característica X, e o produtor que fazia esforços para estabelecer uma reputação de X-free, vê a sua vantagem competitiva eliminada. Quando procuramos oferecer artificialmente "responsabilidade social", criamos o efeito perverso de não só destruir a que existia naturalmente como a pouca que continuará a existir terá origem coerciva. Mas o argumento é sempre "e imaginem se não houvesse a lei!" ;) Um exemplo próximo está nas lojas online. Não sei se fazes compras online, mas na maior parte das lojas se tu dizes que não recebes eles sem piar enviam-te de novo ou reembolsam-te. Então as americanas.... Não dão chance! ;)

                                        Não creio que a grande parte da população caminhe para isso, apenas acho que a grande parte da população não sai muito do sítio... Mas sinceramente acho que a população está cada vez mais informada sobre as coisas que lhe dizem respeito. Não posso concordar nem que a população esteja cada vez mais burra, nem que a eventual causa disto seja o entretenimento americano. Na pior das hipóteses está igual. Em Portugal ainda temos taxas de analfabetismo absurdas. Dizer que hoje lêem Nicolas Sparks até nem é mau, se pensares que há 100 anos essa mesma pessoa nem um jornal conseguia ler. Claro que eu não estou a ser exigente. Tu podes sempre responder-me "Mas agora que sabem ler, porque promovem o Sparks em vez de lerem a Ilíada?" O ónus da prova de que isto é culpa do americanismo é teu. :)

                                        Eu se quero um livro de um autor erudito hoje consigo aceder-lhe com uma facilidade inaudita - graças à Internet. Se eu quero uma ópera rara - a Naxos gravou de certeza. Se eu quero um filme de autor - a Amazon tem o DVD a bom preço de certeza. God Bless America! 8-)