rede ex aequo

Olá Visitante20.set.2019, 00:15:14

Autor Tópico: Livro(s) para Pais com Filho/a Homossexual  (Lida 61632 vezes)

 
Re:livro para pais com filh@s homossexuais
#20

Offline bluejazz

  • *****
  • Associad@ Honorári@
  • Membro Vintage
  • Género: Feminino
    • Homofobia
Se alguém tiver tanto a sinopse do primeiro livro como do novo do Daniel Sampaio partilhe aqui para também depois podermos divulgá-los! É muito importante divulgar estes poucos mas bons livros em Portugal! :)
    "I cannot be, as Bourdieu suggests, a fish in water that 'does not feel the weight of the water, and takes the world about itself for granted'" - Felly Simmonds

    Re:livro para pais com filh@s homossexuais
    #21

    Offline Sacerdotisa

    • *****
    • Membro Ultra
    • Género: Feminino
    • "Sê plural como o universo" - Pessoa
         

      [smiley=sim.gif] [smiley=sim.gif]     :up    :up :up   eu agradeço enkarecidamente , pelos abençoados resumés !!!!!  ;D ;D ;D ;D


    jinhos e saudações cibernétikas!!!!!!
      Sacer

      Re:livro para pais com filh@s homossexuais
      #22

      Dido

      • Visitante
      Achei isto no Jornal Alentejo:

      A homossexualidade e os dilemas de identidade que lhe são inerentes estão na origem de "Vagabundos de Nós", o novo livro do psiquiatra Daniel Sampaio, que chega às livrarias a 06 de Novembro.

      “Vagabundos de Nós”

      Daniel Sampaio aborda homossexualidade

      A homossexualidade e os dilemas de identidade que lhe são inerentes estão na origem de "Vagabundos de Nós", o novo livro do psiquiatra Daniel Sampaio, que chega às livrarias a 06 de Novembro.
      A nova obra, com chancela da Editorial Caminho, tem uma vasta agenda de apresentações, que arranca a 10 de Novembro, pelas 18:00, em Aljustrel, mas o lançamento terá lugar posteriormente, no dia 13 no Jardim de Inverno do Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa.
      No lançamento, que tem início às 18:30, falará sobre a obra Luís Osório, estando ainda agendada a encenação de excertos do livro pelos actores Nuno Lopes e Márcia Breia.
      O livro relata a história de Diogo (o filho) e Luísa (a mãe) que, através das confidências que trocam, dão a conhecer o seu laço e as suas preocupações individuais e comuns com origem na homossexualidade do jovem.
      Mostrando como mãe e filho, apesar de dialogarem com abertura, podem ter dificuldade em encarar e assumir "a diferença", o livro de Daniel Sampaio visa sensibilizar para o facto de existirem momentos em que não se pode escolher a condição a que se pertence.
      "Vagabundo de Nós" revela Diogo, que se vê obrigado a reconhecer perante os outros a sua opção sexual, Luísa, forçada a prescindir da ideia de continuidade da família, e apresenta-os a ambos confrontados com as reacções sociais e culturais da restante família.
      Daniel Sampaio nasceu em Lisboa em 1946, colaborou no Diário de Lisboa Juvenil e em publicações do movimento associativo dos liceus no início dos anos sessenta, tendo concluído o curso de Medicina em 1970.
      Em 1986 doutorou-se e fez provas de Agregação em 1997, na Faculdade de Medicina de Lisboa, onde é professor de Psiquiatria, cargo que acumula com a chefia do Serviço de Psiquiatria do Hospital de Santa Maria, em Lisboa.
      Foi um dos introdutores da terapia familiar em Portugal, após formação com Carl Whitaker, um dos pioneiros dessa técnica de intervenção em saúde mental, e dedica-se agora sobretudo à intervenção terapêutica junto de jovens em risco.
      Os livros que publicou - caso de "Vivemos Livres numa Prisão", "Inventem-se Novos Pais", "Tudo o que Temos Cá Dentro", "A Arte da Fuga", "Ninguém Morre Sozinho", "Voltei à Escola", "Lições do Abismo" e "Vozes e Ruídos" - partem da sua experiência clínica e pretendem ilustrar dificuldades dos adolescentes e das suas famílias.
      Ao longo do mês de Novembro, "Vagabundos de Nós" será divulgado em Beja (dia 19), Évora e Portalegre (dia 11), Leiria e Caldas da Rainha (dia 12), Portimão e Faro (dia 14), Almada e Setúbal (dia 15), Castelo Branco e Abrantes (dia 18), Lisboa (novamente, no dia 19), Guimarães e Braga (dia 20), Porto e Póvoa de Varzim (dia 21) e Coimbra, Viseu e Aveiro (dia 22).

        Re:livro para pais com filh@s homossexuais
        #23

        Offline bluejazz

        • *****
        • Associad@ Honorári@
        • Membro Vintage
        • Género: Feminino
          • Homofobia
        Vagabundos de Nós
        Daniel Sampaio
           
        Tema(s):  Psicologia / Psiquiatria  
        Acabamento:  Brochado  
        Dimensão:  13,5 x 21 cm  
        Páginas:  176  
        Peso:  207 g  
        Colecção:  Obras de Daniel Sampaio
        Código: 90.010  
        1.ª edição:  Novembro 2003  
        Preço (c/iva):  9.45  
         
        Diogo (o filho) e Luísa (a mãe) introduzem-nos no seu mundo muito próprio através de uma permuta de confidências para a qual, enquanto leitores, somos solicitados. Diogo nasce. Diogo cresce. Luísa observa-o, em permanente sobressalto. Diogo é diferente. Nas atitudes, nos gostos, na sensibilidade, nas amizades que procura. Sente-se perdido. Não pertence a nenhum lugar. Não se «identifica». Luísa apercebe-se do sofrimento e dos permanentes conflitos íntimos do filho. Mas tem relutância em admitir aquilo que, afinal, sabe. Sempre soube. O instinto de protecção que desenvolve cada vez com mais intensidade resulta num mundo a dois, isolado do restante núcleo familiar. Um mundo que ambos partilham e percorrem numa autêntica via dolorosa. No diálogo franco e livre que sempre mantiveram, só tardiamente as palavras cruamente descodificadoras de tanta amargura aconteceram (Mãe, sou homossexual). Diogo, que fazer quando nos sentimos diferentes? Luísa, como gerir a tua frustração, a dor infinita que te consome ao tomares consciência de que este filho tão amado não te dará nunca os netos que adorarias ter, e que cultural e socialmente sabes representarem o paradigma da continuidade da família? Será suficiente a tua quase inesgotável capacidade de compreensão, de paciência, de amor? Ler estas páginas é apreender uma experiência duríssima. É reflectir profundamente sobre "o outro". Porque ser diferente não é uma questão de escolha. Vagabundos de Nós aborda o que de melhor e de pior há em cada ser humano, deixando em aberto as pistas para a problemática da condição de não haver escolha. Basta, com a humildade que dignifica, querer seguir essas pistas.

        http://www.editorial-caminho.pt/produto.asp?Produto=1598
          "I cannot be, as Bourdieu suggests, a fish in water that 'does not feel the weight of the water, and takes the world about itself for granted'" - Felly Simmonds

          Re:livro para pais com filh@s homossexuais
          #24

          Offline bluejazz

          • *****
          • Associad@ Honorári@
          • Membro Vintage
          • Género: Feminino
            • Homofobia
          A sinopse deste livro:

          Herdt, Gilbert & Koff, Bruce, Tenho Uma Coisa para Vos Dizer: O Percurso de Uma Família com um Filho Homossexual, Porto, Âmbar (Colecção Flor de Lótus), 2002


          Já se encontra no primeiro post deste tópico! ;)
            "I cannot be, as Bourdieu suggests, a fish in water that 'does not feel the weight of the water, and takes the world about itself for granted'" - Felly Simmonds

            Re:livro para pais com filh@s homossexuais
            #25

            Offline bluejazz

            • *****
            • Associad@ Honorári@
            • Membro Vintage
            • Género: Feminino
              • Homofobia
            23 Novembro 2003
            Vagabundos de nós?!

             Andava há uns dois ou três dias às voltas com um contrato: punha vírgula, tirava vírgula, acrescentava cláusulas, mudava a redacção, mas o conjunto estava longe de satisfazer a minha costela assumida e exacerbadamente perfeccionista. Já desesperada com a falta de inspiração, decidi dar o braço a torcer e ir comprar a mais recorrente cábula dos advogados em início de carreira (e não só!): um Elucidário, repleto de minutas de contratos, procurações e requerimentos, cujas formalidades às vezes tantas dores de cabeça nos dão.
            Porque o dinheiro é pouco e o Natal está a chegar, entrei na FNAC com o firme propósito de apenas comprar o dito Elucidário e fugir dali depressa, que os livros despertam em mim o que de mais consumista pode existir num ser humano. Por isso, se vos disser que tropecei no novo livro do Daniel Sampaio, podem acreditar que tropecei mesmo, literalmente, com direito a manobra de equilibrismo e tudo para não cair ali esparramadinha no meio de tão literário chão!... Conseguem imaginar a cena?

            O Dr. Daniel Sampaio é, para mim, um autor de referência, desde os tempos de liceu. E isto ao ponto de ter, aqui no meu quarto, uma fotografia em que estamos lado a lado numa conferência que ajudei a organizar, já lá vão sete ou oito anos. Havia saído há pouco tempo o seu livro “Vozes e Ruídos” e, empenhados e dinamizadores como éramos, eu e um grupo de colegas, logo decidimos propor à escola uma conferência em torno da adolescência. Organizámos tudo e, no dia em que cá chegou aquele que é um dos mais famosos psiquiatras deste país (é claro que o Rui Fra(u)de não conta!), uma sala onde cabiam cerca de trezentas pessoas foi pequena demais para acolher quem até cá tinha vindo para o ouvir e com ele debater algumas ideias.
            Antes da Conferência tive o privilégio de almoçar com o Dr. Daniel Sampaio e de perceber que, para além de um incontornável nome da psiquiatria e de um bom escritor, ao meu lado estava também um homem extremamente humano: suficientemente humilde para compreender que não possuía verdades absolutas, mas simultaneamente uma pessoa tão atenta, ambiciosa e interessada que não desistia de tentar, com os conhecimentos que a sua experiência profissional lhe ia oferecendo, contribuir para que a barreira que sempre se constrói entre adolescentes e adultos fosse o menos problemática e conflituosa possível.

            Agora que penso nisso lembro-me como foram esses os dias em que estive mais próxima da minha mãe. Ofereci-lhe os livros todos do Daniel Sampaio e sorvemo-los de uma assentada. As duas ao mesmo tempo. E comentávamo-los, criticávamo-los, admirávamo-los… Razões profissionais levaram-nos a organizar várias iniciativas em conjunto e ainda me lembro de lhe ver o orgulho a bailar nos olhos quando, entre requerimentos para isto e reuniões para aquilo, alguém referia que eu era sua filha. Bons tempos…
            Penso que foi pouco tempo depois que passei da fase “Lésbica? Estou mas é parva!” para a consciencialização de que era efectivamente lésbica… como era efectivamente branca… e tinha os olhos efectivamente castanhos ponto final. Como sabem, nunca o disse à minha mãe… Nem sei se preciso de lho dizer para que ela o descubra… Acredito que não… Acredito que sabe!... Mas talvez por isso, talvez porque nunca encontre as palavras, o momento e as atitudes certas para lho dizer, desde essa altura trago comigo a ideia de que tudo seria mais fácil se o Daniel Sampaio escrevesse um livro sobre homossexualidade, para que, juntas, pudéssemos comentá-lo, criticá-lo, admirá-lo… e reencontrarmo-nos!


            [continua]
              "I cannot be, as Bourdieu suggests, a fish in water that 'does not feel the weight of the water, and takes the world about itself for granted'" - Felly Simmonds

              Re:livro para pais com filh@s homossexuais
              #26

              Offline bluejazz

              • *****
              • Associad@ Honorári@
              • Membro Vintage
              • Género: Feminino
                • Homofobia
              E eis senão quando dou assim de caras com o livro por mim tão ansiado! Escusado será dizer que nem pensei que oito euros já dava para comprar um presentito de Natal… ou que oito euros são muitos minutos de conversa telefónica com a minha querida Mente Assumida… Escusado será dizer que peguei no livro, comprei-o, voei até casa (abençoado carrinho que chega aos duzentos sem se queixar muito!), disse olá à família, engoli o jantar, inventei uma indisposição qualquer e deitei-me a ler… Três horas depois tinha acabado de ler “Vagabundos de Nós”…

              Não sei se já vos aconteceu admirarem alguém ao ponto de acreditarem que tudo o que aquela pessoa disser e fizer estará bem dito e bem feito, que tudo o que tiver o seu nome envolvido não terá nada que se lhe aponte e que, se preciso fosse, assinariam o seu trabalho de cruz sem sequer o ler… E não sei se já vos aconteceu depois descobrirem que essa pessoa também é humana, também erra e falha e que assinar de cruz é um risco que não podemos correr! Pois bem, senti isso há poucas horas atrás quando acabei de ler este livro!

              O livro começa logo mal: o funeral de Diogo, o filho homossexual! Primeiro pensamento: “Daniel (peço desculpa, mas é impossível não tratarmos com esta proximidade as pessoas que admiramos quando imaginamos diálogos com elas!), matar o miúdo que é gay não será demasiado recorrente e, pior ainda, demasiado fácil?”
              Bem, era só o princípio, escrito por quem havia sido escrito o livro tinha que ser interessante! Avancei mais umas páginas. Luísa, a mãe de Diogo, recorda o seu filho agora perdido, os dias de gravidez, a infância do rapaz, a forma como, pouco a pouco, se foi apercebendo que o seu filho era diferente… e a forma como isso se foi transformando num drama avassalador.
              Já o filho, também em discurso directo, vai relatando os seus medos e as suas angústias do longo caminho que percorre desde a constatação de que era diferente até à inserção na comunidade gay.
              Avançava as páginas uma a uma. Compreendia o drama daquela mãe… Reconheço que me revi em muitos dos medos de Diogo… Mas ansiava, ao volver das páginas encontrar o momento em que Daniel Sampaio, como sempre fizera nos seus livros anteriores, apresentasse o lado positivo das situações, suscitasse, com as suas palavras uma reflexão sensata e desdramatizante … Corri as páginas… e não encontrei esse momento.
              Luísa vivia frustrada com o marido, mal se refere ao segundo filho, apenas pensa em Diogo. Diogo é o seu filho super-protegido, aquele no qual projectou todos os seus sonhos… Como todos os pais o fazem (consciente ou inconscientemente)… Diogo não corresponde a esse arquétipo idealizado por Luísa (porque nunca, nenhum filho, por muito heterossexual que seja, corresponde)… E não corresponde única e simplesmente porque é gay!
              Diogo é um filho atento à mãe, delicado e carinhoso, é também um bom aluno, estudioso e trabalhador… Seria um filho perfeito… Seria provavelmente o filho que mais atenção dava a Luísa, a pessoa que mais carinhosa era com ela… uma das poucas coisas que corria bem na sua vida familiar… E no entanto, todo o livro é construído como sendo Diogo o centro de todos os problemas e dramas desta mãe.
              Nunca, neste livro se vê a mãe aceitar a homossexualidade do filho sem preconceitos e tabus… Sempre, até ao dia da sua morte… até no dia da sua morte, a homossexualidade de Diogo é um drama incontornável para Luísa!

              Este livro é um bom livro, sem dúvida, se nele se quiserem retratar os medos e anseios que perpassam uma mãe que descobre que tem um filho homossexual… Porque, tal como a nós homossexuais, nos custou reconhecermo-nos e admitirmo-nos perante nós mesmos como tal (e quem disser que foi fácil não pode estar a ser verdadeiro!)… admito que, aos nossos pais, custará também lidar com essa realidade, aperceberem-se que os seus filhos são diferentes e que nunca trarão para jantar uma nora (se de homens estivermos a falar, claro está!), mas um genro! Admito que, numa primeira fase será difícil assimilar essa diferença, tentar descobrir o que dizer aos amigos, ficar a pensar o que dirão os outros!... Mas falta a este livro o salto!
              Falta o salto para a fase seguinte, a fase da aceitação. A fase em que os pais compreendem que os filhos além de serem homossexuais são um outro conjunto maravilhoso de coisas. Falta, em “Vagabundos de Nós” o salto para além dos medos e dos dramas, o salto para o convívio diário com a homossexualidade, sem tabus ou falsas aceitações (que é o mesmo que dizer sem homofobias veladas!).

              Diogo morre num desastre de automóvel. Porque é fácil matar a causa do drama, porque é mais confortável conviver com a homossexualidade quando ela é apenas uma memória… E eu pergunto-me: o que teria acontecido a Diogo e a sua mãe se este rapaz, que vivia agora uma relação estável, que estava integrado numa associação lgbt (como o dão a entender os panfletos sobre o “orgulho gay” que costumava oferecer à mãe), que acabava o seu curso de Sociologia, não tivesse sido morto assim pelo autor?
              Continuaria a sua mãe a recordar o seu crescimento e a ver a homossexualidade do seu filho como o grande drama da sua vida, um segredo a guardar religiosamente de todos? Ou compreenderia ela, de uma vez por todas, que essa homossexualidade era só e apenas mais uma característica da pessoa fantástica que era o seu filho?....

              Pois, bem sei qual queriam que fosse a resposta! Também a procurei… mas não está lá… No livro só está o drama, nada mais!
              Não sei se Daniel Sampaio teve algum objectivo ao escrever este livro. Se o objectivo foi retratar aquilo por que passam os adolescentes homossexuais, então o livro poderá até ter alguma ponta de realismo… mas alguma, apenas, uma vez que, pelo que me tem sido dado observar, nesta coisa do “coming out” cada caso é um caso e não há grande espaço para generalizações.
              Já se o objectivo foi ajudar pais e filhos no caminho a percorrer até à convivência harmoniosa com a homossexualidade, então o objectivo foi totalmente frustrado! Eu, por mim falo… Se acaso pensei até oferecer este livro à minha mãe, antes de o ler, agora que o li tal hipótese está totalmente posta de parte: se a mulher já tem tendência para dramatizar tudo o que passa dos parâmetros convencionais, só iria encontrar neste livro fortes argumentos para sentir, ainda mais, a homossexualidade como um drama, um mal que se lhe abateu sobre a cabeça e a vida!
              Por fim, mesmo como mero exercício literário o livro não convence… pelo menos não a mim, que nunca gostei de dramas gratuitos e amargurados!

              Ai, ai, ai… E ainda não foi desta que me curei desta falta de capacidade de síntese que me acompanha desde sempre... Peço desculpa a quem me lê, mas tinha mesmo que partilhar convosco a desilusão que foi este livro… Sinto hoje que perdi uma referência de sempre e, nesse sentido, hoje sim, sou um pouco vagabunda de mim!

              A minha última esperança é que a publicação deste livro seja acompanhada de Conferências como aquela que há muitos anos atrás organizei e que delas transpareça, com rigor e sem medos, que na homossexualidade pode existir felicidade e realização para além do drama e das tempestades da primeira fase… que os homossexuais um dia também se encontram e deixam de ser vagabundos de si mesmos!

              // posted by Assumidamente @ 22:48


              http://www.assumidamente.blogspot.com
                "I cannot be, as Bourdieu suggests, a fish in water that 'does not feel the weight of the water, and takes the world about itself for granted'" - Felly Simmonds

                Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                #27

                Offline Strigo

                • ***
                • Membro Total
                • Género: Masculino
                Esta cabeça! Tanto anúncio ao livro e ainda não tinha reparado que era do Daniel Sampaio.

                Sendo dele esta crítica e a descrição do livro não me surpreende nada, pois surpreendido fiquei já eu há uns anos quando li uma crónica dele onde comentava o que ele considerava como um excesso de atenção dado à homossexualidade pelos canais de televisão naquela altura.

                Para além de dizer que a homossexualidade tinha sem dúvida alguma origem genética (algo que ninguém pode afirmar) o discurso dele era algo do género: tudo bem, os homossexuais não têm nenhuma doença, devem ser respeitados e ter os seus direitos, mas não falemos muito sobre isso porque os jovens são influenciáveis. :inq :wor

                Além do mais era incoerente no que dizia, afinal se havia origem genética como era possível que um jovem não geneticamente predestinado a tal se fosse tornar homossexual por causa de uma reportagem na tv? :P

                Como a autora do texto diz não se pode realmente confiar cegamente em alguém, às vezes os preconceitos estão onde menos se espera. Felizmente às vezes também não estão onde mais se espera.

                  Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                  #28

                  Offline bluejazz

                  • *****
                  • Associad@ Honorári@
                  • Membro Vintage
                  • Género: Feminino
                    • Homofobia
                  Bem opinado, Strigo! Se de facto é assim... enfim. :wor
                    "I cannot be, as Bourdieu suggests, a fish in water that 'does not feel the weight of the water, and takes the world about itself for granted'" - Felly Simmonds

                    Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                    #29

                    Offline Hain

                    • *****
                    • Membro Elite
                    • Género: Masculino
                    • God help the outcasts
                     Eu também li o "Vagabundos de Nós" (há duas semanas). Li-o porque era um livro do Daniel Sampaio (um "psi", uma pessoa genuína e que aborda os temas de forma simples e não preconceituosa); contudo, o facto de ser sobre a homossexualidade foi o factor que me levou a comprar logo o livro (pois o dinheiro ia para outras coisas).

                     Quando acabei de o ler fiquei com uma grande sensação de tristeza. Tristeza porque o livro assume vários cliches: a mãe tão super-protectora que até mete pena; um filho que não toma iniciativas, que eventualmente morre. Cliches abundam, e eu esperava algo mais. Algo que revelasse a dimensão maior do ser humano e da sua sexualidade, não uma redução de tudo aquilo que é ser pessoa.
                     O livro retrata, porém, uma realidade dura. A homofobia internalizada de Diogo, que não ajuda o seu colega quando este é molestado por outros miúdos. A psicóloga que só vai ao colégio de 15 em 15 dias e que (des)informa a mãe de Diogo, alegando que "a homossexualidade é uma opção, desde há muitos anos que´não é considerada uma doença". A "profissional" com P pequeno decorou mal o discurso: não se trata de uma opção, mas sim de uma orientação. Um erro que infelizmente ocorrerá muitas vezes, neste mundo desinformado. Mas a questão assombra-me: eu sei o que estava aqui pretendido. Pretendia-se demonstrar que mesmos os ditos profissionais têm concepções erradas. Mas e o público em geral? Será que eles entenderam a mensagem? Será que os jovens que vão ler esta passagem irão entender? Seria fundamental que sim, mas infelizmente penso que não. A ideia da psicóloga é apenas refutada pela mãe... contudo, esta refutação não me parece ser muito válida para a compreensão do leitor, uma vez que esta mãe idealiza o filho, esta mãe tem uma ligação quase (?) doentia com o filho. Uma nota do autor (ele próprio se inclui no drama, na parte final do livro) seria conveniente.
                     O maior problema quando se fala de assuntos delicados (xenofobia, homossexualidade, etc etc) é que existem visões múltiplas sobre o assunto. Apenas conhecendo essas visões poderemos falar sobre esse assunto (ou assim a mim me parece). Nunca uma visão positiva da homossexualidade transparece neste livro. O personagem principal parece desprovido de personalidade; por vezes me perguntei se ele teria uma falha de identidade (a vontade de vestir o vestido de noiva da mãe foi uma parte arrepiante). Diogo passa a frequentar casas de banho na tentativa de arranjar sexo. As relações apresentadas são apenas sexuais, não há afecto, não há amor. Não há esperança, não há nada. Apenas a morte precoce de Diogo, quando (ironicamente) ele parecia ter encontrado um rumo na sua vida.

                     Esperava melhor, esperava por uma visão mais realista/menos reducionista. Afinal encontrei estereótipos, e a falta de uma mensagem positiva. O que o autor se esquece de referir (entre tantas outras coisas) é que os homossexuais não são todos "Diogos".
                      A life without passion would be a life barely worth living.

                      Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                      #30

                      Offline bluejazz

                      • *****
                      • Associad@ Honorári@
                      • Membro Vintage
                      • Género: Feminino
                        • Homofobia
                      Obrigada pela análise e comentário psi Hain! ;) :up
                        "I cannot be, as Bourdieu suggests, a fish in water that 'does not feel the weight of the water, and takes the world about itself for granted'" - Felly Simmonds

                        Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                        #31

                        Offline Psicoboy

                        • ***
                        • Membro Total
                        • Género: Masculino
                        • Psicoboy
                        Vou dar a minha opinião  ;)
                        vou dar um pouco a Biografia de Daniel Sampaio:

                        Formou-se em Medicina em 1970;
                        Obteve o Doutoramento em Medicina, na Especialidade de Psiquiatria, em 1986;
                        Professor da Faculdade de Medicina de Lisboa, com Agregação realizado em 1997;
                        Responsável da disciplina de Psiquiatria 1, do 4º ano do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina de Lisboa;
                        Coordenador do Núcleo de Estudos do Suicídio do Hospital de Santa Maria;
                        Foi um dos introdutores, em Portugal, da Terapia Familiar, a partir da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar (fundada em 1979).
                         


                        Interesses profissionais:

                        Tem-se dedicado ao estudo dos problemas dos jovens e das suas famílias, através de trabalhos de investigação na área da Psiquiatria e da Adolescência.

                        Tem organizado, no Hospital de Santa Maria, o atendimento de jovens com Anorexia Nervosa e Bulimia Nervosa.

                        Haviam de Haver mais profissionais como ele :)
                        Abraços
                          Todo o ser vivo necessita de amar e ser amado...
                                                                   
                                                                               Psicoboy

                          Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                          #32

                          Offline Sacerdotisa

                          • *****
                          • Membro Ultra
                          • Género: Feminino
                          • "Sê plural como o universo" - Pessoa
                          Mais um artigozinho a fazer jus ao marketing envolvente .......


                          Correio da manhã:

                          2003-12-04 00:00:00
                          Leituras - Vagabundos de Nós
                          PORQUE VIVER É VIOLENTO O ESCRITOR NÃO DESARMA  
                          Psiquiatra de profissão, Daniel Sampaio escreve livros como quem dá voz ao silêncio, aos silêncios que lhe ensurdecem o consultório. Quase sempre calam vozes que já não são crianças e ainda não são adultas. Adolescentes que, se falassem, talvez dissessem: ‘Vagabundos de Nós’.  
                          d.r.
                           
                          Sob este título, recém-lançado pela Caminho (desde 1991 editora do escritor), a história conta-se a duas vozes, mãe e filho, às voltas com a homossexualidade pressentida por ela, conhecida por ele. Em comum: o medo sempre mudo e uma cumplicidade sempre feita de silêncios.

                          “Não vale a pena precipitar nada, vou estar atenta, quanto menos falar no assunto, melhor”, pergunta-se ela. Não se pergunta nunca: melhor para quem?

                          “Que poderia dizer, Diogo? Que estou aqui, nesta sala de espera, a aguardar uma consulta de Psiquiatria porque tenho um filho gay sempre a falar de suicídio? Que em pequeno usavas o meu vestido de noiva e o teu pai te batia? Que me sinto culpada pelo teu destino e venho pagar meia hora de consolo?”, lê-se.

                          ESPREITAR UMA CONSULTA

                          Daniel Sampaio visto por Daniel Sampaio é uma manobra de diversão e a descarga emocional que se lhe segue um acto de generosidade... E aí vai como a nostalgia de um sorriso cede terreno a uma gargalhada inesperada: “O psiquiatra veio chamar--me à sala de espera. Tem peso a mais, cabelo a menos e olhos descaídos”.

                          Mas há mais: “Se calhar acha que sou uma mãe ansiosa, tem fama de liberal com a gente nova e deve achar a homossexualidade uma coisa trivial (...) a minha amiga Constança que é beta (e não gosta de gente de esquerda como ele) diz que este médico dá força aos filhos e os vira contra os pais – até parece que escreveu um livro, ‘Inventem-se Novos Pais’”, da primeira impressão da mãe.

                          “Esta mãe, como tantas outras, tem dentro de si o mito da família heterossexual, projecta-se no futuro como avó, vive uma profunda desilusão com o trajecto actual do filho mais velho. Se um dia me quiser falar mais abertamente da homossexualidade do filho, teremos de co-construir a necessária aceitação e integração do rapaz”, das primeiras notas do psiquiatra.

                          É Diogo, o adolescente da história, vagabundo de si e dos outros, quem melhor sintetiza o espírito da obra. Fala, como sempre há-de falar por todo o livro, para dentro na impossibilidade de o fazer para fora: “Nenhum de nós é uma pessoa simples e viver é violento”.  
                          Dina Gusmão
                            Sacer

                            Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                            #33

                            Offline Magia

                            • *****
                            • Membro Ultra
                            • Género: Feminino
                            • É preciso luz... senão a escuridão não descansa!
                              • A minha galeria
                            qt ao vagabundo de nós.. lá está, fikei com sérias dúvidas se havia de o mostrar à minha mãe ou não.. principalmente devido aos clichés e à ideia de que não é uma doença, mas uma escolha...  >:(

                            no entanto, no final(zinho) do raio do livro o gaijo emenda-se e já deixa em aberto o facto de nao poder ser uma escolha, mas algo mais...
                            genética? também falou, mas acho que o tom era de ironia...  ::)

                            concluindo: se alguém der isto a ler aos pais aconselho a que no inicio, no final e no meio do livro vão deixando notas a lápis a lembrar-lhes de k nao é uma escolha, mas uma orientação e a apontar os clichés-exageros...  ;D
                              Podem fazer-me de tudo que eu perdoo, desde que não me mintam.

                              Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                              #34

                              Offline Sacerdotisa

                              • *****
                              • Membro Ultra
                              • Género: Feminino
                              • "Sê plural como o universo" - Pessoa
                              se alguém der isto a ler aos pais aconselho a que no inicio, no final e no meio do livro vão deixando notas a lápis a lembrar-lhes de k nao é uma escolha, mas uma orientação e a apontar os clichés-exageros...  ;D


                              lol lol lol sabes Magia gostei do teu konselho...rsrsrrsrsrsrs axo k vou pegar no markador florescente.....e dps kolokar koisas do estilo: exagerado, censurado....e afins!!!!!!!!!!

                              bjs e saudações cibernétikas!!!! ;D ;D ;D
                                Sacer

                                Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                                #35

                                xate

                                • Visitante
                                 ::) Por acaso fiquei um bocado surpresa com a vossa "euforia" em relação ao livro do Doutor Daniel Sampaio ::)



                                É um facto que nem li o livro nem sequer me interessei em comprá-lo ::)

                                Porquê? Todas as semanas leio as crónicas desse senhor na revista do público, em que aborda vários temas............ ::)

                                Yap :-\ é melhor nem divulgar a minha opinião pessoal :-\ apesar de leiga na matéria :-\ acho que ainda sei ler e interpretar :-\ e tive sempre uma implicância com certas ideias que parecem transparecer ::) :-X

                                  Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                                  #36

                                  Offline Sacerdotisa

                                  • *****
                                  • Membro Ultra
                                  • Género: Feminino
                                  • "Sê plural como o universo" - Pessoa

                                  Kuriosamente kida Xate eu kontrariamanete a ti .... fui komprar o livro...pois o marketing teve o efeito pretendido em mim...rsrsrrsrsr pois fikei kuriosa de saber o pk de tanta agitação em redor da obra...kontudo, ainda não tive tempo de o ler!!!!!  :-X :-X :-\ :-\ :-\

                                  Mas espero k não fike desiludida kom a leitura...pois já ouvi de tudo um pouko...kto às impressões digitais!!!!!

                                  Se por akaso dps kiseres ler o dito...posso emprestar-to...pelo menos não gasta dinheio..... ;) ;) ;) Eu já o fiz...se não valer a pena peço à Editora o livrinho amarelo ...das reklamações!!!!!  ;D ;D ;D :devi :devil  ;)

                                  jinhos grds e bom fds!!!! ;D ;D ;D
                                    Sacer

                                    Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                                    #37

                                    xate

                                    • Visitante
                                     :) Sacerdotisa :) melhor ler, antes de comentar, né? ;D


                                    Se emprestares, ficaria contente :D



                                     :) ;) :-*

                                      Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                                      #38

                                      Offline Sacerdotisa

                                      • *****
                                      • Membro Ultra
                                      • Género: Feminino
                                      • "Sê plural como o universo" - Pessoa


                                      Kida xate por isso mm é k ainda não komentei ...apnas kolokei as hipóteses.... komo o outro dizia prognóstikos prognóstikos só dps do jogo!!!!!  ;D ;D ;D ;D ;D ;)

                                      Tá bem eu dps empresto!!!! ;D

                                       :-*
                                        Sacer

                                        Re:livro para pais com filh@s homossexuais
                                        #39

                                        Offline timmy

                                        • *****
                                        • Membro Vintage
                                        • Género: Masculino
                                        Bom, eu n vou falar de livros propriamente ditos, mas devo dizer k os folhetos e livrinhos pekeninos existentes na ILGA tiram mtas dúvidas tantos a pessoas LGBT como a familiares e amigos. São coisas pequenas, com muita informação e cuja leitura se faz muito muito bem

                                           

                                          Tópicos relacionados

                                            Assunto / Iniciado por Respostas Última mensagem
                                          175 Respostas
                                          60716 Visualizações
                                          Última mensagem 2 de Janeiro de 2013
                                          por 90.Azulinha
                                          43 Respostas
                                          13808 Visualizações
                                          Última mensagem 27 de Maio de 2011
                                          por BrunoMCP
                                          146 Respostas
                                          18504 Visualizações
                                          Última mensagem 2 de Outubro de 2018
                                          por Mónicaf
                                          57 Respostas
                                          6191 Visualizações
                                          Última mensagem 22 de Agosto de 2016
                                          por sleepy_heart
                                          8 Respostas
                                          4077 Visualizações
                                          Última mensagem 4 de Fevereiro de 2014
                                          por Adónis