Fórum da rede ex aequo

Outras Conversas => Educação, Ciência e Tecnologia => Tópico iniciado por: Web_boss em 20.set.2004, 02:46:22

Título: O Ensino em Portugal
Enviado por: Web_boss em 20.set.2004, 02:46:22
9 % de analfabetos.
Mais de 40 % de analfabetos funcionais.
A menor percentagem de licenciados.
Metade dos estudantes não conclui o secundário.
Segundo a OCDE, actualmente alguem sem o 12.º ano tem poucas possibilidades de vingar no mercado de trabalho.
Mais de 400 pessoas morreram à fome este ano em Portugal (sei que ñ tem nada a ver com o topico, mas apeteceu-me por aqui).
Segundo as orrganizações internacionais, Portugal tem a pior educaçao da UE actual.

Porquê?
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: vmgi em 20.set.2004, 03:10:08
Porque ninguem se decide sobre qual é o melhor curriculo de ensino, pq tanto faz termos um ministro de educaçao ou um canalizador a "governar" o ministerio pq é a mesma coisa! Se nos custa tanto criar um curriculo dinamico (mas n demais) para o ensino (qq 1), então pq n copiam os ingleses, os franceses, os alemaes, os dinamarqueses???

Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: pedrot em 20.set.2004, 07:34:33
eu fico muito revoldao com o ensino em portugal os alunos querem alemão não há professor
eu era tão dotado para as línguas e era inglês (obrigatério-detestava e francês e não havia espanhol, nem árabe nem italiano como eu vi na França, lá é que é a sério
neste pís só há tempo é para a porrr....dos futebóis nos jornais até parecce que são eles que nos governam e se calhar até é verdade, velhos abandonados burrice e miséria e sempre a mesma merd... do futebol, ás vezes irrita-me tanto este país que só me apetece fugir lá para fora, parece mesmo que paramos nos anos 80 ou pior estamos em 2004 ? não dei por nada, é que não se nota muito e então para os lbgt ou lá como é com este governo de direita isto melhorou mas é ao contrário
o meu azar ou sorte é que gosto da minha profissão senão já tinha voltado po estrangeiro e depois a ex-aequo é sempre uma esperança não é ( sim pq no resto no mundo gay é só putedo e engates, não há paciência.... >:( >:( >:( >:( >:( >:( 8)
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: N´guxi em 20.set.2004, 11:30:04
Penso que é um assunto demasiadamente complexo. Num país em que os licenciados em diversas áreas não têm empregos, sobretudo professores deixa a pensar se realmente vale a pena tirar um  curso superior.
No meu caso tenho cá em casa uma licenciada em Português-Frances à espera de colocação à 3 anos.... até hoje nada.
Eu acho que a educação em Portugal passou um momento destrutivo durante as ultimas décadas, por pressoes politicas mudaram muita coisa que mais tarde se vieram a arrepender.
Eu concordo com as escolas Industriais, Comerciais que formaram tantos dos nossos funcionários que continuam no activo. O meu pai tirou lá o curso e ainda hoje tem bastantes capacidades na área dele, o que acho que é um indicador de como o que se ensinava era proveitoso.
Mas como segundo algumas pessoas estas escolas eram fascistas, tiveram a necessidade de fazer chegar a anarquia às escolas, hoje a sociedade está a pagar aquilo que os politicos não souberam apostar, a única coisa que valeu a pena foram as escolas profissionais, mas mesmo assim precisavam de ser mais destaque ao nível de saidas profissionais.
Será que não se pode ser sapateiro, trolha, carpinteiro neste país???
Numa sociedade são necessários todos os tipos de profissões, cabe a cada um observar melhor aquilo que é realmente uma oportunidade de negócio e de gosto pessoal, e não seguir o que é bonito.

No caso do ensino básico, a maior deficiencia é que os professores muito dificilmente reprovam os alunos até ao 9º ano, e esses alunos que vêm com tantas dificuldades continuam a passar, poucas hipoteses têm de vingar na escola como é obvio.
O governo quer ainda passar a escolaridade obrigatória para o 12º, por um lado é positivo, por outro vão cair no mesmo risco, pois os professores continuam a passar os alunos até concluir a escolaridade obrigatória.

E se por acaso apostassem mais nas alternativas que eu propus, será que não se formariam á mesma pessoas consoante as suas reais aptidões e gostos pessoais?
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Lipe22 em 08.out.2004, 20:18:40
Os diplomados com o primeiro ciclo (três anos) dos cursos superiores de Ciências deverão designar-se bacharéis. Quem pretender ser "licenciado" poderá frequentar um programa de um ano - pelo menos - de complemento de formação, mas que não atribuirá grau académico. O segundo ciclo de estudos superiores durará  dois anos e confiará  o grau de mestrado.

Ou seja adeus "licenciados", qual será o impacto socialmente?? concordo com José Ferreira Gomes, vice-reitor da Universidade do Porto que defende que socialmente pode não ser bem aceite a designação bacharel no sentido em que esta pode representar uma despromoção.

Que acham???
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: pedrot em 08.out.2004, 21:33:21
ai mais dores de cabeça ::) ::) ::)eu não quero estudar mais >:( >:( >:( >:( deviam é ser masi rigorosos no secundário para formar bem os alunos e não andar a passar toda a gente
e sairem das universidades bem preparados agora "depromover" uma licenciatura de uma pessoa que já passou dos 30... os alunos é que cada vez estão masi irresponsáveis e não estudam nada, não há disciplina e poucas opções ao contrário da frança por exemplo onde já leccionei
já não me chega andar à procura de marido para agora ir remexer no meu currículo profissional que tanto me custou...
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: ..::Handle_it::... em 09.out.2004, 19:45:24
pk?

 :-X :-X :-XNO COMMENTS :-X :-X :-X
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: [Marcus] em 09.out.2004, 19:57:38
Portugal tem educação? lol
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Catô em 09.out.2004, 19:59:32
Porque provavelmente não ha investimento (se há... n sei para onde vai o dinheiro...  :-X), empenho!
Os alunos nãosão motivados.
Os programas são demasiado longos para se darem num ano. As condições são péssimas (em algumas escolas, não todas!): eu por exemplo este ano, tenho aulas nuns pré-fabricados super velhos, em que as salas são um autêntico forno no verão, e uma arca no inverno!...

Agora uma coisa k n tem mt a ver mas pronto...
Penso que algumas disciplinas práticas foram tiradas (TLQ's, TLB's e por aí)... Acho isto péssimo!!
Em TLQ por exemplo aprendemos a trabalhar com o equipamento de laboratório, trabalhar em grupo, etc..
Quem for para a faculdade e tiver disciplinas práticas, vai para lá sem saber sequer o nome do material, quanto mais trabalhar com ele!!

Resumindo, não é por se mudarem os programas que vamos lá!
O ensino tem de ser totalmente remodelado!
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: pedrot em 09.out.2004, 20:11:13
mas para o futebol há sempre dinheiro >:( >:(
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: devious_angel em 09.out.2004, 20:20:09
mas para o futebol há sempre dinheiro >:( >:(

Podes crer..... >:( [smiley=chicote.gif] [smiley=nao.gif]
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: nirvana em 10.out.2004, 13:19:12
O que está mal na Educação em Portugal?Muita coisa.  >:(
Com a Revolução dos Cravos, veio um Sistema de Ensino da Educação para toda a camada da população. Com o passar dos tempos, os sucessivos governos e Primeiros-Ministros pouco se têm importado com a Educação e tem apostado em acabar com ela. Para que Universidades Privadas?Para que jardins de infância privados?
e as nossas escolas sem ginásios, sem aqueçedores, enfim....
Só para vos dar um caso vou deixar um artigo que li o ano passado num jornal: Portugal tem 9% de analfabetos enquanto que Cuba tem menos de 3% bem abaixo de Países que se dissem Democráticos e Desenvolvidos. Em Cuba, 400 escolas sofreram obras de melhorias e foram contractados mais de 2000 Professores.
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Kata_Rokar em 17.jan.2005, 22:28:40
Há educação em Portugal?  ::)
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: metafora em 17.jan.2005, 23:07:00
Pertinente tópico... mas a pergunta que fica é: e antes do 25 de Abril qual era o nº de analfabetos ou de iletrados? E, nessa época, que conceito de família existia? Teríamos nós a mesma sociedade que nos escraviza?

Temos de analisar as coisas estruturalmente e, o que é facto, é que evoluímos positivamente, com o livre acesso à educação, o que antigamente não era bem assim...

Mas também concordo que seja urgente uma reforma de fundo, a tal reforma estrutural e não as pequeninas conjunturas que só vieram baralhar...

A verdade é que a família deposita nas escolas algo que não é função destas: a educação. Cabe à família educar e à escola formar... são dois conceitos distintos, mas que se cruzam e crescem em conjunto... o "b" jamais existe sem o "a"...

Não sendo, de todo, apologista de tiranias, tenho que dar a mão à palmatória de que algumas coisas que Salazar nos deixou em legado deveriam ser aproveitadas... em Espanha souberam manter e fazer evoluir muitas coisas deixadas pelo Franco... Em Portugal temos a mania da implosão e do "start over again", o que é displicente e pouco inteligente...

A divisão no ensino entre as escolas técnicas e os liceus era extremamente boa e inteligente (apesar das suas condicionantes) e deveria ter-se mantido...

Cada vez mais vai-se facilitando o aluno (já nem aplico o nome estudante!) até que chegam ao 12º sem conhecimentos específicos... Mas este é um problema da globalização... sem darmos conta somos formatados para não pensar muito e apenas realizar o que nos é dito...

E tanto haveria para dizer... mas não me estenderei mais...
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Whisper em 18.jan.2005, 02:46:09
Porque temos tido ministros de educação de caca! Porque temos tido presidentes e primeiro ministros de caca! So se preocupam com o umbigo deles e dos amigos e dinheiro dinheiro dinheiro! O ensino escolar vai cada vez pior! Os curriculos são horrosos, cada vez complicam mais as coisas depois admiram-se que os alunos não passam! Depois põe professores da bosta a ensinar, eles deviam ver que não serve so eles saberem a materia toda e terem os diplomazinhos das universidade mas sim saber ensinar e saber cativar os alunos que muitos poucos sabem. E depois claro queixam-se que as universidades tão vazias ora claro com os obstaculos que eles criam para la entrar esperam o que!?
Mas claro não podemos culpar so o sistema, nós ( os portugueses) também temos muita culpa!!! Quem vier aqui e dizer que passou muito do secundario a se lixar para as coisas e que so se queria divertir é mentira.
Para as coisas melhorarem tem que haver sacrificos de ambos os lados!
E depois obvio como ja foi dito, preferem gastar dinheiro em estadios, em centros comercias, em fazerem grandes arvores de natal so por serem a maior da europa.
Enquanto as escolas? Epah deixem-nas cair aos bocados não fazem falta na mesma. Eu andava numa escola secundaria tão degradada que, o chao da porpria escola era cheio de buracos por estar gasto, quando havia sol puxar o cortinado ou fexar a preciana?! Qual que! Não tinhamos nem um nem outros tinhamos retalho de cortinados cheios de buracos ate metia medo quem via de fora parecia uma escola assombrada. Quadros são pretos!? Não sei os nossos eram brancos! Tavam tão velhos que por mais que se lavasse quando secava estavam brancos, conseguem imaginar o que ler branco no branco? Pois não dá! O pavilhão ias a correr tropexavas em tabuas saidas e ficavas cheio de farpas... e muito muito mais...
Isto é um pais de caca meus amigos!
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: nakedboy em 19.jan.2005, 15:26:46
Pertinente tópico... mas a pergunta que fica é: e antes do 25 de Abril qual era o nº de analfabetos ou de iletrados? E, nessa época, que conceito de família existia? Teríamos nós a mesma sociedade que nos escraviza?

Temos de analisar as coisas estruturalmente e, o que é facto, é que evoluímos positivamente, com o livre acesso à educação, o que antigamente não era bem assim...
(...)
Exactamente ;)
Qto ao tópico, o problema de Portugal é k n se conseguiu encontrar o modelo certo pra Portugal...Devido às constantes mudanças de ministros e Governos, n se faz uma política certa... (e às vezes os alunos são culpados - tou a lembrar do caso "PGA", em k n keriam o modelo e dp qdo se alterou já o keriam :-\).
Concordo com o aumento pra o 12º ano a escolaridade obrigatória, permitirá ganharmos alguma competitividade.
O q é preciso melhorar é o modo do funcionamento de leccionar, diminuir o nº de alunos por sala de aula, haver actividades extra-escolares obrigatórias, bem como a fumentação do desporto (n é futebol! >:().
Qto ao problema dos professores, o malfadado, deveriam ser colocados de acordo c a sua área de residência/preferência; o calendário escolar deveria ser adaptado consoante as localidades (Bragança n é a mm coisa k em Faro a nível climatérico, p. ex).
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: name16 em 19.jan.2005, 18:28:02
eu felizmente sou de nacionalidade inglesa hehe.

"a ex-aequo é sempre uma esperança não é ( sim pq no resto no mundo gay é só putedo e engates, não há paciência"

ai pois e... e depois para o futebol ha sempre dinheiro e educacao em portugal nao ha. estamos a criar topicos para dizer o que todos nos sabemos.
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Aicul em 20.jan.2005, 13:37:23
Isto é um pais de caca meus amigos!

 :up Welcome To Portugal, "O jardim da Europa" lol
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: the end em 20.jan.2005, 13:55:22
jardim???? chamava outra coisa mas nunca jardim.......
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Kata_Rokar em 20.jan.2005, 14:00:25
jardim???? chamava outra coisa mas nunca jardim.......

Cá só há um jardim e é mais um amontoado de ervas daninhas  lol
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: nakedboy em 20.jan.2005, 14:27:53
Ai como me entristece k as pessoas n tenham amor pelo seu próprio País... :'( [smiley=choro.gif] [smiley=choro.gif]
Não se eskeçam k ao criticar Portugal estão a criticar e a dizer mal de vós próprios!
"Um País é o reflexo da imagem da sua sociedade." (desculpem mas n sei kem disse isto :-\)
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: candy cane em 20.jan.2005, 14:45:26
Ai como me entristece k as pessoas n tenham amor pelo seu próprio País... :'( [smiley=choro.gif] [smiley=choro.gif]
Não se eskeçam k ao criticar Portugal estão a criticar e a dizer mal de vós próprios!
"Um País é o reflexo da imagem da sua sociedade." (desculpem mas n sei kem disse isto :-\)

Finalmente!
Estive a fazer um post a falar sobre isso à uns minutos atrás, mas desisti porque achei que ninguem me iria dar ouvidos!

Sim, a educação está mal em Portugal. Mas devemos falar sobre isso, e não entendo como é que dizer que Portugal não vale nada vai contribuir para uma discussão interessante!
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: nakedboy em 20.jan.2005, 18:11:12
Bravo novoselic!
Ainda bem k alguém me entende tb!
 :up [smiley=sim.gif] :curtain [smiley=orgulhoso.gif]
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: alice em 20.jan.2005, 22:43:55
Ai como me entristece k as pessoas n tenham amor pelo seu próprio País... :'( [smiley=choro.gif] [smiley=choro.gif]
Não se eskeçam k ao criticar Portugal estão a criticar e a dizer mal de vós próprios!
"Um País é o reflexo da imagem da sua sociedade." (desculpem mas n sei kem disse isto :-\)

And one more thing que acho que diz tudo:

]"Eduquem os meninos e não será preciso castigar os homens"[/[/i]glow] Pitágoras
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Whisper em 21.jan.2005, 00:53:37
Eu gosto de Portugal e gosto muito de ser Portuguesa, mas acho que Portugal esta a seguir um caminho muito mal, e por mais que o povo se esforçe se lá em cima (os politicos) não ajudarem não vamos a lado nenhum! Eu acho que quando olharmos para nós proprios iremos estar divididos em varias colonias pertencentes a diferentes paises....
Mas acredito que Portugal têm a sua beleza e essas coisas todas....
Título: O Ensino em Portugal
Enviado por: bfly em 21.ago.2005, 23:16:05
Estava eu à uns tempos a analisar a nova estrutura curricular do ensino secundário português e fiquei  :o

Eu quando fiz o secundário achei que 4 agrupamentos era demais, e não é que o ministério me conseguiu surpreender a dividir mais um pouco? será que aos 14/15 anos os caminhos de aprendizagem já se encontram assim tão encerrados que não se justifique uma formação geral de pelo menos mais 2/3 anos? (o 12º ainda compreendo a oportunidade em haver uma ligeira especialização, ou o caso de cursos profissionais)

Entretanto no actual ensino primário em começam por ensinar os miúdos a ler dizer um conjunto de palavras antes de saberem o alfabeto, ou seja, houve um aprofundamento do não aprendas, decora só, entre coisas semelhantes...

Ainda podia tecer muitos comentários acerca do estado do 2º e 3º ciclos, e mesmo acerca do ensino superior, mas ambos veem na sequência do ensino praticada nas outras duas etapas referidas.

enfim, comentem sobre tudo o que quiserem acerca do ensino em portugal, seja bem ou mal (também acredito que haja coisas boas!)

e já agora, alguém me explica porque é que introdução à filosofia é uma disciplina obrigatória? eu adoro filosofia, mas não vejo a sua extrema importância em comparação com as restantes, nem a escolhi no 12º por achar que ia ser dada dum ponto de vista limitado por respostas tipificadas  :-X
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: crazy_angel em 22.ago.2005, 02:33:33
Eu só posso falar pelo ensino básico-1º ciclo, não concordo com o ke tu dizes ser td uma questão de decorar.

Existem vários métodos de aprendizagem de leitura que varia de professor para professor. Existem vários métodos: Método Sintético, Método Analítico ou  Global, Método Natural, Métodos Mistos e o Método das 28 palavras.

O método a ke te referiste acima, qd disseste que "Entretanto no actual ensino primário em começam por ensinar os miúdos a ler dizer um conjunto de palavras antes de saberem o alfabeto, ou seja, houve um aprofundamento do não aprendas, decora só, entre coisas semelhantes" é o Método das 28 Palavras.
Por este método  são contextualizadas progressivamente 28 palavras, que vão sendo globalizadas, lidas e escritas pelos alunos, começando muito cedo a analisar cada palavra, mas só até à sílaba.
As crianças vão constuindo novas palavras sempre a partir das sílabas das palavras aprendidas anteriormente.


Este método é o que aplico nas crianças.. acho que é o mais correcto e associativo..levando a uma maior aprendizagem e associação de palavras a imagens. Isto pk cada uma destas 28 palavras vem sempre associada a uma imagem.  :)
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: new_life em 15.dez.2005, 19:07:18
a educação em portugal aposta na quantidade em vez de apostar na qualidade. insistem em carregar os horarios ate nao haver mais nenhum espacinho, e o pessoal nao tem um tempinho pra respirar! insistem nas aulas de substituição, isto é..kd um prof falta, ha outro numa salinha à espera dos putos do básico, ou seja, os putos jogam futebol 15 minutos por dia, e nem tempo pra espairecerem a cabecita têm. chegam a casa...é claro k nao estudam, já para nao falar do k nao captam nas aulas, por ao final do dia ja estarem mais estafados k sei lá oke... enfim, tanto tempo nas salinhas d aula pra kê, se nao é produtivo?
os alunos andam cansados, os profes andam cansados...e dpois é do tipo, certos professores optam por "aulas a brincar" k é uma perfeita "passagem d tempo", ainda hoje tive uma aula assim, e ando no 12º ano, o prof ta-se nas tintas para akilo, a maioria da turma alinha nas palhaçadas, e dpois xego À conclusao k tv 1 hora e meia numa sala, sem aprender nada. é enervante, é este o ensino k temos em portugal. uma vergonha, uma palhaçada total.
Título: Re: Educação em Portugal
Enviado por: Lamb em 15.dez.2005, 19:14:36
a educação em portugal aposta na quantidade em vez de apostar na qualidade. insistem em carregar os horarios ate nao haver mais nenhum espacinho, e o pessoal nao tem um tempinho pra respirar! insistem nas aulas de substituição, isto é..kd um prof falta, ha outro numa salinha à espera dos putos do básico, ou seja, os putos jogam futebol 15 minutos por dia, e nem tempo pra espairecerem a cabecita têm. chegam a casa...é claro k nao estudam, já para nao falar do k nao captam nas aulas, por ao final do dia ja estarem mais estafados k sei lá oke... enfim, tanto tempo nas salinhas d aula pra kê, se nao é produtivo?
os alunos andam cansados, os profes andam cansados...e dpois é do tipo, certos professores optam por "aulas a brincar" k é uma perfeita "passagem d tempo", ainda hoje tive uma aula assim, e ando no 12º ano, o prof ta-se nas tintas para akilo, a maioria da turma alinha nas palhaçadas, e dpois xego À conclusao k tv 1 hora e meia numa sala, sem aprender nada. é enervante, é este o ensino k temos em portugal. uma vergonha, uma palhaçada total.
concordo totalmente! [smiley=sim.gif] [smiley=sim.gif] [smiley=sim.gif] :dunce
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: mIsS em 11.fev.2006, 13:56:15
Absurdo dos absurdos ... chegou-se a descontar na cotação final de um exame de matemática -3 pontos por cada escolha múltipla errada, conclusão: um aluno que só respondesse à escolha múltipla e tivesse tudo errado, tinha o quê? uma nota negativa?  ::)
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: lost.passenger em 11.fev.2006, 20:52:14
Absurdo dos absurdos ... chegou-se a descontar na cotação final de um exame de matemática -3 pontos por cada escolha múltipla errada, conclusão: um aluno que só respondesse à escolha múltipla e tivesse tudo errado, tinha o quê? uma nota negativa?  ::)

Isso era para evitar o "responder à lá totoloto a ver se acerto", não acho nada absurdo. Se não sabem não respondem porque sabem que desconta! Perguntas de resposta múltipla sem descontar só vai beneficiar os maus alunos.

Sinceramente acho a escolha múltipla em si uma estupidez (e acho que quase todos os professores também não gostam!). Especificamente em matemática, o mais importante é o raciocínio. Uma pessoa que tenha o raciocínio todo certo mas que se engana num cálculo e por isso escolhe a opção errada tem tudo mal. How stupid is that?
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: mIsS em 11.fev.2006, 21:12:59
Absurdo dos absurdos ... chegou-se a descontar na cotação final de um exame de matemática -3 pontos por cada escolha múltipla errada, conclusão: um aluno que só respondesse à escolha múltipla e tivesse tudo errado, tinha o quê? uma nota negativa?  ::)

Isso era para evitar o "responder à lá totoloto a ver se acerto", não acho nada absurdo. Perguntas de resposta múltipla sem descontar só vai beneficiar os maus alunos.

Sinceramente acho a escolha múltipla em si uma estupidez (e acho que quase todos os professores também não gostam!). Especificamente em matemática, o mais importante é o raciocínio. Uma pessoa que tenha o raciocínio todo certo mas que se engana num cálculo e por isso escolhe a opção errada tem tudo mal :P .

A escolha múltipla é injusta nas duas situações: quer na situação actual, onde não se desconta, quer na altura em que se descontava.
Repara:

Tendo em conta a situação actual:

   São dadas quatro respostas possíveis e sabendo-se que só uma é a correcta (1 caso favorável), a probabilidade de se acertar é 25%. Portanto, o tal beneficiar dos maus alunos que falavas verfica-se em ter 25% de probabilidade de escolher a resposta certa  ...

Tendo em conta a altura em que se descontava:

 Faço a seguinte observação: porque mudar os critérios de avaliação ao longo do teste? Nos outros grupos do teste o ter errado corresponde a um desconto na nota final?

Conclusão: também eu não sou a favor da escolha múltipla.
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: lost.passenger em 12.fev.2006, 01:57:53
Mas nas outras perguntas se se coloca apenas a resposta tem-se zero. Isto é: é preciso saber fazer, explicar, mostrar que se sabe!
Nas perguntas de resposta múltipla não se apresenta cálculo nenhum, logo não há maneira de saber se o aluno realmente sabia ou se foi ao calhas. O descontar é(era) para evitar as ditas jogadas de totoloto. 25% não é assim tão pouco, a minha stora de matemática fez uma mini ficha só de escolha múltipla (sem descontar), e no final eu tinha de entregar e havia 2 a que ainda não tinha respondido, como não descontava arrisquei, foi mais ou menos ao calhas, acertei 1 e errei outra... Era este tipo de situações que queriam evitar com o desconto! Se descontasse eu não teria respondido a nenhuma das 2! Em vez disso tive 1 certa por pura sorte e a outra, olha tive errada mas não faz mal, não desconta!...
Neste caso fui beneficiada, mas noutra pergunta errei devido a um erro de cálculo(troquei um - por +), porque estava com o raciocínio correcto.
Escolha múltipla sucks :inq .


Responder
porque mudar os critérios de avaliação ao longo do teste?
Porque o método de resposta é diferente...


Anyway, a nossa conclusão é a mesma :P .
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: Holly Golightly em 05.mar.2006, 12:36:21
Outro dia fiquei estúpida quando uma amiga me disse que no programa de Português do nono ano substituíram os Lusíadas por qualquer coisa como saber-ver-os-horários-da-CP, com a brilhante justificação de que o que é preciso é preparar os jovens para as situações do quotidiano, e eu fiquei a pensar se será meritório não esperar mais no nível intelectual geral do que saber apanhar o comboio a horas certas...

Melhor ainda (ok, talvez não melhor, mas tão bom como): nos exames de Português do nono ano a interpretação é feita como? Escolha múltipla!

... e fica explicado o mistério da vaga de ignorantes que não escrevem duas seguidas e põem vírgulas entre sujeito e predicado, entre outras barbaridades afins.
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: Thumbnail em 05.mar.2006, 12:44:16
O mal de Portugal é a imitação, a inconsciencia, a facilitaçao e a balda... porque? acho que todos o sabemos...
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: Pe Issa em 05.mar.2006, 15:38:18
Não conheço o ensino de Portugal mas pude ter uma idéia pelo que li.

Se vocês soubessem como é o ensino do Brasil ficariam chocados. Possui falhas o sistema portugues, mas parece-me que ao menos ensina algo.
Título: Re: O ensino em Portugal
Enviado por: Tiago em 05.mar.2006, 17:38:05
Não conheço o ensino de Portugal mas pude ter uma idéia pelo que li.

Se vocês soubessem como é o ensino do Brasil ficariam chocados. Possui falhas o sistema portugues, mas parece-me que ao menos ensina algo.

Em uma única palavra: ES-CAN-DA-LO-SO.
Testemunhei situações absolutamente aberrantes e quase inacreditáveis ao longo de todo o meu percurso escolar e académico. Às vezes, nem eu próprio acredito naquilo que os meus olhos viram e naquilo que os meus ouvidos registaram. Só dou graças a Zeus por já estar bem longe de qualquer coisa que remeta para o sistema de ensino português, especialmente o universitário, onde me deparei com os vermes mais asquerosos que existem à face deste planeta.

Quanto ao ensino brasileiro, posso dizer que também o conheço. E, apesar das falhas evidentes que possui, acredita, cara Pe Issa, que ficarias tu muito mais chocada com o paralelismo surpreendente que se pode fazer entre os dois sistemas de ensino. Sim, estamos a falar de Europa e de América do Sul. E sim, falamos de mundos muito, mas muito semelhantes. Infelizmente para ambos.
Título: escolas ou depósitos?
Enviado por: new_life em 03.mai.2006, 19:46:30
penso que nao existe nenhum topico relativamente a este assunto. gostaria de saber qual a vossa opiniao acerca de uma medida um tanto ou pouco recente, que na minha opiniao foi feita em cima do joelho, de forma a agradar de imediato aos papás e mamãs que acham que ter o filho sempre fechado na sala de aula é muito saudavel. estamos a falar de miudos do ensino basico que têm as ridiculas aulas de substituição... (que nao funcionam nada bem). quando um professor falta, os putos sao reencaminhados para uma sala com um professor qualquer, que por vezes nem sequer tem aquela turma, e os putos ficam a olhar para o professor e vice-versa. nao seria melhor aproveitarem o tempo com um jogo de futebol, ou a conviverem entre si? sim, porque isso tambem faz falta, e nao sao 10 ou 15 minutos de intervalo que chega. de facto, nao entendo como há pais que conseguem concordar com isto (e que foi por eles que tudo começou).. so para estarem descansados, pois sabem que o filhote está seguro numa sala de aula, a fazer nada produtivo?
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: SV em 03.mai.2006, 20:19:57
Concordo totalmente com tudo o que disseste.Hoje em dia as escolas estão a tornar, de facto, depositos. Tudo devido aos papas que fizeram os filhos e não os querem ver em casa, por isso querem que as escolas se tornem prisoes e fiquem os alunos lá presos o dia inteiro.
E realmente as aulas de substituição nem se fala, e das coisas mais ridiculas do nosso sistema educativo que só serve para  dar trabalho ao profs. 
Enfim, é o nosso belo e decadente sistema de ensino, em que a culpa tambem não é so dos pais mas tambem dos professores, e dos alunos, (mas principalmente dos professores).
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: danis em 04.mai.2006, 01:30:45
O meu professor de Economia já se queixou disso. Não passa de mais uma medida que não irá ter qualquer proveito.
Que sentido é que faz um professor de Economia ir dar uma aula de Francês ou vice versa?  ::)
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: Melancia em 04.mai.2006, 13:16:37
é importante referir que conheço por dentro, na prática, essa medida das aulas de substituição...
Gosto de vestir a camisola. Mas não camisolas sujas ou de tamanhos que não sejam o meu!
A medida funcionaria se fosse uma coisa organizada.
Quando comecei (como prof de 2º ciclo) a ter de ir para salas com alunos de 3º ciclo a quem nem chamar pelos nomes conseguia (não são meus alunos, nem são as minhas  habilitações  dar-lhes aulas) , percebi logo que estava no meio de uma palhaçada. Eu da área de humanidades a substituir área de ciências, educação física, e outras coisas afins, sem fazer a mínima noção dos programas disciplinares, dos conteúdos abordados ou que fazem parte daqueles 3 anos de escolaridade. Não é esta a minha função. Eu tenho um ciclo de ensino e dois grupos disciplinares. querem que eu domine tudo? Multipliquem o meu salário pelo nº de disciplinas existentes e aí já temos conversa!  >:(
Os próprios pais já mostram o seu descontentamento. Alguns até autorizam os filhos a ir para casa, memso sujeitos a falta, por não concordarem com a forma como as coisas estão (des)organizadas.

e sim, faz-lhes falta os momentos de convívio e brincadeiras fora da sala de aulas. Quase nem têm tempo para fazer crescer as amizades escolares!
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: ca7arina em 04.mai.2006, 16:07:49
O meu professor de Economia já se queixou disso. Não passa de mais uma medida que não irá ter qualquer proveito.
Que sentido é que faz um professor de Economia ir dar uma aula de Francês ou vice versa?  ::)

Poix, concordo com o teu prof...
Já o meu akele banana axa ke sim,  plo menos nã tao os alunos a fazer barulho enkanto ele dá aulas.

Enfim é asno!!  [smiley=martelo.gif] [smiley=chicote.gif]
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: JaUm em 04.mai.2006, 18:34:28
Não sei se deva concordar ou discordar, mas de uma coisa sei! Sei que o sistema de ensino, pelo que leio aqui, é diferente na Região Autónoma dos Açores.

Começei a ter aulas de substituição desde o 7º ano, mas nunca faziamos nada de especial nessas aulas. Ou faziamos jogos ou falavamos e faziamos o que nos apetecesse. Os professores não nos obrigavam a nada, nem davam matéria nenhuma.

Agora estou no 12º ano, quando um professor falta, como os contínuos já nos conhecem e a maioria deles são simpáticos, apenas pedimos para não ter substituição e lá nos mandam eles embora! LoL (até porque eles não têm muita pachorra para ficar à espera que as coisas se resolvam, ou seja, que tenhamos substituição e nós menos pachorra temos! LoL)

...mas acho mal a 'história' das 'Horas Paralíticas'! Sinceramente, coitados dos professores!

HuGs :-*
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: lost.passenger em 04.mai.2006, 21:21:55
Só tive uma aula de substituição e foi há 4 anos ::). Por aqui só no básico.


Uma das razões para haver aulas de substituição são os incidentes(acidentes) que ocorrem quando os alunos não têm aulas e, muitas vezes, saem da escola. (e os encarregados de educação julgam que áquela hora estão "seguros" na escola)...
Anyway, não concordo com ESTAS aulas de substituição, para isso que se proíba a saída da escola a não ser quando é a última hora ou qualquer coisa... Estas aulas de substituição não resultam. Se há alunos que não respeitam os  próprios professores, quanto mais um desconhecido, que sabem que também está ali chateado e por obrigação e que nem sequer dá a disciplina que deviam estar a ter...
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: danis em 05.mai.2006, 00:40:28
Eu tenho um ciclo de ensino e dois grupos disciplinares. querem que eu domine tudo? Multipliquem o meu salário pelo nº de disciplinas existentes e aí já temos conversa!

E até mesmo uma formação nas mais diversas áreas. O que na minha opinião é impossivel, mas enfim, também creio que o aumento de ordenado em nada iria dar proveito e rendimento aos alunos, mas sim, á conta bancária dos docentes e professores do nosso Portugalinho.
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: danis em 05.mai.2006, 00:47:52
Começei a ter aulas de substituição desde o 7º ano, mas nunca faziamos nada de especial nessas aulas. Ou faziamos jogos ou falavamos e faziamos o que nos apetecesse. Os professores não nos obrigavam a nada, nem davam matéria nenhuma.

Agora estou no 12º ano, quando um professor falta, como os contínuos já nos conhecem e a maioria deles são simpáticos, apenas pedimos para não ter substituição e lá nos mandam eles embora! LoL (até porque eles não têm muita pachorra para ficar à espera que as coisas se resolvam, ou seja, que tenhamos substituição e nós menos pachorra temos! LoL)

Mas o sistema que aí se vive é exactamente aquele que se quer abolir. O sistema dos alunos irem para a "ramboia" quando têm um furo. Se me dizes que mesmo ao terem aulas de substituição nada fazem, ou seja, fazem tudo aquilo que fariam certamente fora da sala de aula, então para mim, isso é exactamente o sistema que se vive actualmente, mas dentro de 4 paredes. Se é para ser dessa forma, que seja na rua, no jardim, no bar da escola, certamente que acaba por ser bem mais saudável.

Concordo com as aulas de substituição baseado num conjunto de ideias organizadas, com fundamento e objectivos bem traçados e que visam o aproveitamente escolar dos alunos etc etc etc.

Eu pessoalmente, estudo de noite e alguma vez me iriam obrigar a ter aulas de substituição? Tenha as faltas que tiver.
Eu já quando tenho um furo ao meio tempo me "baldo" por sistema ao último tempo quanto mais agora ainda levar com aulas de substituição. Neste aspecto o estatuto trabalhador/estudante foi uma coisa muito bem inventada.

Para mim, não passamos uma vez mais de uns perfeitos atrasados, atrasados em tudo, e o ensino educativo é uma prova disso mesmo.
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: Melancia em 05.mai.2006, 15:47:48
... planificar e estruturar as medidas ;)
a questão do salário era ironia  ;D só os profs velhotes  é que têm conta bancária. Assusto-me até com os valores obscenos dos seus salários!os mais novos têm prestações de casa para pagar e/ou gastos com deslocações e rendas de casa/quartos. Atenção que eu não me estou a queixar  ::) é fixe chegar ao fim do mês sem dinheiro e coçar a testa a pensar para onde terá ele ido  :devil
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: lost.passenger em 05.mai.2006, 19:58:15
é fixe chegar ao fim do mês sem dinheiro e coçar a testa a pensar para onde terá ele ido  :devil


loool

Pois, acontece o mesmo aos meus pais. Sempre a contar os tostões, devem querer certificar-se que fazem bem contas [smiley=semfala.gif] ( são os 2 professoras de matemática ;D).
Título: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: KreaTor em 05.ago.2007, 02:45:26
Criei este tópico porque é assunto sobre o qual todos deviamos debater e dar as nossas opiniões ...

que acham da educação em Portugal? O que se podia mudar? Digam-me coisas ...

tenho uma proposta de uma reforma completamente diferente, mas sera ke o povo esta preparado pa aceitar mais mudanças na educação?
e como ficam os estudantes no meio disso tudo?
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: hottie em 05.ago.2007, 13:57:29
Criei este tópico porque é assunto sobre o qual todos deviamos debater e dar as nossas opiniões ...

que acham da educação em Portugal? O que se podia mudar? Digam-me coisas ...

tenho uma proposta de uma reforma completamente diferente, mas sera ke o povo esta preparado pa aceitar mais mudanças na educação?
e como ficam os estudantes no meio disso tudo?

Qual é a proposta?
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: KreaTor em 05.ago.2007, 13:59:22
hum eu queria estabelecer um debate de opinioes antes disso lol
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: hottie em 05.ago.2007, 14:52:54
Bem, na minha opinião há muito a mudar na educação. Mereceria, até, uma reconstrução desde a base.

Começando pela demasia de burocracia para tudo, depois pelos apoios que (não) são dados aos alunos e, pior de tudo, as condições a que as escolas estão sujeitas.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: plan b em 05.ago.2007, 15:49:02
1º. A Ministra.

E não, não é todo cliché dizer isto... desta vez.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: hottie em 05.ago.2007, 15:55:58
1º. A Ministra.

E não, não é todo cliché dizer isto... desta vez.

Concordo totalmente :)
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: KreaTor em 05.ago.2007, 16:09:52
Hum eu vou revelando a minha ideia aos poucos ...

reuni ha um mes com um professor de ensino secundario que esta neste momento a dar fisica e quimica ... uma das novas disciplinas da reforma que esta sujeita a exame e que serve de especifica a mtos alunos (como eu).

tipo ... chegamos a conclusao que a unica forma de mudar o ensino em portugal e começar desde a pré-primária e evoluir ate ao ensino superior ... nao vale a pena fazer o que a nossa ministra faz ... que começa no secundario ... passa a primaria e depois remenda o 3º ciclo ... isso, para alem de indecente, e injusto para com os estudantes ...

se bem que o problema esta na ministra, as equipas que com ela trabalham têm o seu quê de culpa, nomeadamente a equipa que prepara os exames que e constituida na sua maioria por profs do ensino superior que nao fazem ideia do que e dar aulas a alunos do secundario e que colocam materias nao leccionadas como se os profs fossem obrigados a dar...
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: hottie em 05.ago.2007, 17:22:36
Hum eu vou revelando a minha ideia aos poucos ...
(...)
se bem que o problema esta na ministra, as equipas que com ela trabalham têm o seu quê de culpa, nomeadamente a equipa que prepara os exames que e constituida na sua maioria por profs do ensino superior que nao fazem ideia do que e dar aulas a alunos do secundario e que colocam materias nao leccionadas como se os profs fossem obrigados a dar...

Desde o início do meu secundário que me senti uma cobaia da Sra. Ministra. O meu curso já não existe: foi exclusivo daquele ano (até a página de acesso ao ensino superior indicava, aquando das candidaturas, que o nosso curso não existia); depois foi a introdução das aulas de 90min.; neste último ano acrescenta-se a maravilha de ter Área de Projecto num 12º, como se não tivéssemos mais nada para fazer.

Enfim, ideias...
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: KreaTor em 05.ago.2007, 17:26:58
tou exactamente no meso papel ke tu hottie
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: plan b em 05.ago.2007, 17:49:46
Hum eu vou revelando a minha ideia aos poucos ...
(...)
se bem que o problema esta na ministra, as equipas que com ela trabalham têm o seu quê de culpa, nomeadamente a equipa que prepara os exames que e constituida na sua maioria por profs do ensino superior que nao fazem ideia do que e dar aulas a alunos do secundario e que colocam materias nao leccionadas como se os profs fossem obrigados a dar...

Desde o início do meu secundário que me senti uma cobaia da Sra. Ministra. O meu curso já não existe: foi exclusivo daquele ano (até a página de acesso ao ensino superior indicava, aquando das candidaturas, que o nosso curso não existia); depois foi a introdução das aulas de 90min.; neste último ano acrescenta-se a maravilha de ter Área de Projecto num 12º, como se não tivéssemos mais nada para fazer.

Enfim, ideias...

Introdução das aulas de 90 minutos? Eu já tenho isso desde o 6º ano (ou seja, desde o longínquo ano de 1999). :P Daí já me ser indiferente esse aspecto.

Eu também sofri na pele os atrofios da sô dona Maria de Lurdes. A minha reforma foi a de transição da reforma velha para a reforma nova (a actual). Com programas novos diferentes da reforma antiga, e disciplinas que se extinguíram totalmente na nova. Ora isto significa que se por acaso alguém deixasse uma disciplina técnica para trás, teria de a fazer por exame de equivalência à frequência no ano seguinte. :> É o mesmo que dizer: You bastard. Nasceste em 1988 não tens direito a reprovar. :X E pronto. O Ensino recorrente existe e tal, e vai ganhando adeptos à custa disso.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: hottie em 05.ago.2007, 17:51:56
Introdução das aulas de 90 minutos? Eu já tenho isso desde o 6º ano (ou seja, desde o longínquo ano de 1999). :P Daí já me ser indiferente esse aspecto.

Eu também sofri na pele os atrofios da sô dona Maria de Lurdes. A minha reforma foi a de transição da reforma velha para a reforma nova (a actual). Com programas novos diferentes da reforma antiga, e disciplinas que se extinguíram totalmente na nova. Ora isto significa que se por acaso alguém deixasse uma disciplina técnica para trás, teria de a fazer por exame de equivalência à frequência no ano seguinte. :> É o mesmo que dizer: You bastard. Nasceste em 1988 não tens direito a reprovar. :X E pronto. O Ensino recorrente existe e tal, e vai ganhando adeptos à custa disso.

Pois, exacto. O nosso caso era igual porque o nosso curso deixou de existir logo no ano em que nós nos inscrevemos... Conclusão: quem reprovasse às específicas tinha que se agarrar aos livros...
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: KreaTor em 05.ago.2007, 17:53:11
ya ... mto mau...

por isso e ke eu digo ... cada vez mais a educação ta uma m**** ... porke ninguem se da ao trabalho de fazer as coisas como deve ser... adoptamos modelos vindos dos eua fora de validade que eles ja testaram e mudaram ... e esperamos que resultem ca ... e estupidez ...
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: plan b em 05.ago.2007, 18:28:33
Há tanta coisa mal...

Os professores têm culpa? Sim, em certa parte.

Os alunos têm culpa? Também.

Mas a culpa maior reside em quem não tem a noção do que é o ensino e de como ele deve ser admnistrado, ou seja, o ME.

As chamadas aulas de substituição (que também tive no 6º e 7º ano - sim, sempre andei em escolas pioneiras  lol Até no que diz respeito a ameaças de bomba) é um dos maiores devaneios que os governos puderam ter tido até hoje. Lembro-me de naquela altura sempre que faltava algum professor, o substituto era quase regularmente alguém que não conhecíamos. E o que é que fazíamos nessas supostas aulas de apoio aos estudo? :> O jogo do galo  [smiley=hipnotizado.gif], esse grande exercício de raciocínio. Se não era o jogo do galo eram aulas de corte e costura. Não literalmente. Mas a vida das professoras era contada ao mais ínfimo pormenor... Enfim, isto tudo para dizer que não tirei proveito nenhum dessas aulas.

E pronto, é isto. x) LOL
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: hottie em 05.ago.2007, 18:31:19
As chamadas aulas de substituição (que também tive no 6º e 7º ano - sim, sempre andei em escolas pioneiras  lol Até no que diz respeito a ameaças de bomba) é um dos maiores devaneios que os governos puderam ter tido até hoje. Lembro-me de naquela altura sempre que faltava algum professor, o substituto era quase regularmente alguém que não conhecíamos. E o que é que fazíamos nessas supostas aulas de apoio aos estudo? :> O jogo do galo  [smiley=hipnotizado.gif], esse grande exercício de raciocínio. Se não era o jogo do galo eram aulas de corte e costura. Não literalmente. Mas a vida das professoras era contada ao mais ínfimo pormenor... Enfim, isto tudo para dizer que não tirei proveito nenhum dessas aulas.

E pronto, é isto. x) LOL

Sou aluno de línguas e durante todo o ano, graças às aulas de substituição, conheci todos os professores de Biologia, Química e Matemática da escola :)
Título: Re: O Ensino em Portugal
Enviado por: crazysinger em 03.set.2008, 12:07:35
O ensino em portugal é uma vergonha, para além das escolas publicas serem inseguras e velhas, a ministra da educação não presta e os stores é que sofrem e alguns alunos também.
Título: Re: O Ensino em Portugal
Enviado por: Reborn em 03.set.2008, 17:02:42
Eu já não sei quais foram, mas concordei com grande parte das medidas tomadas pelo actual ministério da educação.
Em Portugal a Educação não funciona bem, e só funciona mesmo mal quando o aluno não quer aprender. O estudante português se pertencer a um meio carente e tiver uma família que o despeje durante horas de expediente na escola, está tramado. Começa na família, se os pais não valorizam a escola e a educação dos educandos, eles vão para a Escola encher pneus, e fazer o 9º ano com pautas de 2, 3 e os fantásticos 5 a E.M.R.C. e 4 a Ed. Física. Depois a maior parte segue a via profissionalizante, porque tem medo ao Secundário. Alguns vão confiantes para uma Secundária fazer figuras de parvo, mas mesmo assim safam-se. Porque, espanto dos espantos, já se começa a ver o facilitismo do Básico a alastrar ao Secundário, de modo que eu, estudante universitário, deparo-me com colegas que não sabem Inglês. Portanto... é triste sim senhor. U_U
Dando uma achega no Ensino Superior. Os alunos começam por entrar com deficiências na aprendizagem e sem métodos de trabalho, e pela primeira vez apanham professores que se estão complemante borrifando para o sucesso escolar deles. O resultado adivinha-se logo. Na minha opinião o Superior funciona mal porque, até ao 12º ano o aluno aprende com o professor a despejar matéria, a seguir mais ou menos religiosamente um manual escolar, e tudo o que tem fazer é esperar que lhe caiam as coisas no colo. No universitário começa o 'cada um por si', se quer aprender tem de saber procurar e saber assimilar conteúdos por meios que não passem pelo empinanço, e o drama senhores, o aluno português é exímio a decorar! :S Na minha área, a da Engenharia, acontece ainda outra situação embaraçosa para o aluno, a literatura de que precisa está quase toda em Inglês (ora bolas), e a pouca que existe em Português (do Brasil maioritariamente) é bastante imprecisa nos termos técnicos/científicos.

Ainda outra deficiência do ensino português, investe imenso na literacia, o que não é mau, mas descora a numeracia. E acho que seria importante as pessoas saberem ler os números, olhar para eles e saber interpretá-los, agrupá-los, transformá-los... existe muito pouco à vontade com os números neste país. E tem a sua piada pôr as criancinhas a decorar a tabuada no Primário, é bastante educativo, saber fazer contas porque sim (literalmente).  lol

A velha cantiga da matemática, 'eles reprovam porque não sabem interpretar, o problema é do Português', MUITO de rir. Os alunos reprovam porque a matemática dá-se ao empurrão, decora-se a mecânica e não se sai daquilo. Depois chega o dia em que aparece um enúnciado para um problema um pouco mais elaborado e metade duma turma parece distituida mental...
E outro factor importante para o insucesso na matemática, o aluno não é habituado (obrigado) a exercitar constantemente. Deviam meter na cabeça aos miúdos que por muito lógica que a matemática seja, se não praticam determinados raciocínios chegam ao dia do teste/exame/whatever e não fazem.

Quanto aos professores, ao contrário do que algumas pessoas dizem em comentários anteriores, nunca vi nenhum com aspecto de verme asqueroso a passear nos corredores. Até ao Secundário as coisas não ficam a cheirar 'asquerosamente' mal porque o aluno está protegido pela fantástica avaliação contínua (aquela que devia, se possível, vigorar no Ensino Superior). Por muito que um prof. não vá com o aluno nunca o pode queimar se houver aqueles concelhos de turma e mais não sei quê, porque a nota nunca pode destoar muito do panorama geral sem levantar suspeitas.
Primeiro, mentalizemo-nos que a maior parte dos Professores universitários não estudaram para Professor. Eles são bons (ou deviam ser) a fazer investigação. Se forem muito maus é tentar ser discreto, não desagradar, fazer a cadeira e tentar aprender algo com isso. E existem em Portugal bons professores universitários, já tive a imensa felicidade de ter alguns que souberam transmitir o prazer da aprendizagem.


Resumindo, o ensino português é suportável, se o aluno souber o que quer. As políticas do ministério toleráveis, e se começam a ser drásticas é porque há professores que estão a ser maus profissionais, e como sempre paga o justo pelo pecador. O 'mau' professor está na escola a fazer o mínimo enquanto os colegas dão o litro, depois, aqueles mais exaustos resolvem sair à rua para reclamar, e o 'mau' professor vai com eles, crente que quando voltar para a escola ainda vai fazer menos. Eu acho que no meio disto tudo as maiores vítimas são mesmo os 'bons' professores. São sobrecarregados pelos colegas irresponsáveis, levam dos pais (às vezes literalmente), e não conseguem ter mão em crianças indisciplinadas e cada vez mais mal-criadas.

E agora que já me entreti durante meia hora, a chave de ouro:
O Ensino Português é um pouco como todo o país, um grande e animado Circo.  lol lol lol
Título: Re: O Ensino em Portugal
Enviado por: crazysinger em 03.set.2008, 17:06:16
Eu como experiêmncia propria, mais de metade dos meus colegas passaram por favor, e nem notas tinham para isso, mas se não passasem dpz quem levava em cima eram os professores, e por isso estes se estão cada vez mais a borrifar para os alunos, enfim é triste  :-\
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: Kiko20 em 14.dez.2008, 01:55:28
Acabar com o facilitismo era uma óptima medida.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: tal-go em 14.dez.2008, 02:39:01
Promover o ensino de acordo com a filosofia Aluno -> Professor.
Quero com isto dizer que aquelas aulas do professor se sentar e começar a debitar matéria com o aluno num papel passivo já eram para ontem. O professor no final de uma aula dizia assim para os alunos: "na próxima aula está decidido que se vai falar da matéria das páginas 24 à 34 e serão três de vocês a dar a aula". Os alunos iam para casa, estudavam a matéria e arranjavam formas de explicar aos seus colegas. Isto é só um exemplo no meio de muitos.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: MindControl em 14.dez.2008, 02:41:27
Falamos aqui do ensino superior?
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: SenhorLeon em 14.dez.2008, 11:09:56
Falamos aqui do ensino superior?

Creio que é mais a nível do ensino secundário, mas o ensino superior também está algo fantástico, embora não me atreva a falar sobre o assunto por não o dominar totalmente.



Desde novinho que eu tenho um gosto por Línguas e Tradução: sempre fui um apaixonado pelas línguas estrangeiras, e adorava pôr o que aprendia em prática (na Internet, ou a ver filmes sem legendas). Chego ao 10º ano e deparo-me com um curso fantástico: Línguas e Literaturas. Ui, aquilo era mesmo o que eu queria. Toca de me matricular!
A meio de Agosto, telefonam-me para casa a avisar que o curso não vai abrir por falta de alunos. Acabo por mudar para Ciências Sociais e Humanas, o curso mais parecido ao que eu queria, mas que incluía duas disciplinas que sempre detestei: História A e Geografia A.

Quando transito para o 11º ano, ocorre uma fantástica mudança no nosso regime: os cursos de Línguas e Literaturas e Ciências Sociais e Humanas são misturados, formando o curso mais parecido com um buffet que eu já vi: Línguas e Humanidades. E eu acabei por ficar impossibilitado de ter mais uma língua (tive apenas Inglês), mesmo apesar de os cursos se terem misturado.

Aproveito para dizer que o curso de Línguas e Humanidades tem um leque fantástico de CINCO disciplinas bienais à escolha: Geografia A, Latim A, Língua Estrangeira I, II ou III, Literatura Portuguesa e Matemática Aplicada às Ciências Sociais.

(E num aparte, todos os cursos têm à sua disponibilidade a opção de Língua Estrangeira I, II ou III no 12º ano. No entanto, a língua escolhida é a mesma que acompanhámos até ao 11º ano. Para um Ministério da Educação (e não só esse) que defende que todos os portugueses devem dominar pelo menos duas línguas estrangeiras, não há nada como colocar um pequeno entrave na aprendizagem das mesmas).


Em relação às aulas de substituição, são pura e simplesmente fantásticas! Oh, as aprendizagens que consolidamos naqueles 90 minutos a jogar ao Stop! Oh, as lições de vida que aprendemos dos professores substitutos! Oh, aqueles 90 minutos em que somos obrigados a estudar matérias passadas e totalmente irrelevantes para o tema em estudo no momento, quando poderíamos estar a adiantar trabalho para Área de Projecto.


E as aulas de substituição são apenas um dos muitos instrumentos de controlo (e não há outra palavra, é mesmo controlo) que o ME está a utilizar para manter mão firme na Educação. Os regimes de faltas só dão trabalho (qual era o problema do antigo regime, nunca cheguei a perceber, ao triplo das faltas injustificadas dos tempos semanais da disciplina chumba-se à disciplina e pronto, quem está preocupado com a escola que vá às aulas), os professores têm cada vez menos tempo para preparar as lições (com todas as reuniões e alunos que precisam de provas de recuperação devido ao regime de faltas), os alunos chegam cada vez menos preparados ao Ensino Secundário e saem de lá quase piores... Um governo que torna o serviço militar facultativo, depois salta-se com este sistema educacional: só me falta meter uma mão no peito, outra no ar, e gritar "A Rodrigues! A Sócrates! Ao Magalhães!".



A minha sugestão para um bom sistema educacional prende-se com:
- A eliminação dos cursos científico-humanísticos: quando o aluno se matricula na escola, selecciona as disciplinas que pretende estudar (claro está, mantendo-se o Português, Inglês, Filosofia (talvez  ::)) e Educação Física) e que acha que lhe vão ser importantes para o acesso ao curso superior que pretende. Numa palavra (vá, formada por justaposição), Self-Service.
- A criação de um sistema de faltas que funcione e seja versátil e fácil de administrar: quando o aluno atinge o dobro das faltas injustificadas, realiza um teste com perguntas de escolha múltipla (semelhantes aos testes que se vêem nos Estados Unidos da América, em que cada aluno dispõe de um enunciado com as várias afirmações, e uma folha de teste com os quadradinhos a assinalar. O professor, para uma correcção rápida, tem uma folha de acetato (transparente) que é uma reprodução da folha de teste, mas com as respostas correctas assinaladas, e coloca essa folha por cima da folha de teste dos alunos, verificando imediatamente quais são as respostas correctas e as erradas. Para uma fácil realização desses testes, poderia ser criado um programa informático que iria procurar em compêndios na Internet perguntas relacionadas com o tema a avaliar, e que auxiliasse o professor na construção desses testes)
- Eliminação das aulas de substituição.
- ... e uma série de outras medidas, mas já me alonguei no post, aposto que ninguém vai ler  ;D
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: A1 em 14.dez.2008, 11:25:10
Criar o 13º ano.

Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: Violet* em 14.dez.2008, 12:03:46

- ... e uma série de outras medidas, mas já me alonguei no post, aposto que ninguém vai ler  ;D

Bem.. eu li  ;)

Concordo contigo em algumas coisas mas noutras nao.
Discordo em relacao a eliminacao dos cursos científico-humanísticos, talvez na tua area te seja um pouco indiferente, mas na minha (ciencias e tecnoliogia) as discilpinas complementam -se todas, sobretudo a física e quimica com a biologia e geologia. se nos pudessemos escolher talvez muitas pessoas escolhessem apenas uma destas duas e talvez ate excluissem a matematica A, mas depois se mudassem ligeiramente o seu objectivo quanto a universidade ia ficar tudo estragado. pois em medicina, por exemplo, ha areas em que se precisa de matematica e fisica apenas e outras em que precisas de biologia e geologia, mas sao areas muito parecidas, por isso se mudasses de ideias terias de voltar a repetir o secundario? :-\
Concordo com o que dizes em relacao as aulas de substituicao e ao regime de faltas.

Este ano ainda nao fui a uma unica aula de substituicao :-X, quando desconfiamos que a/o professor/a vai faltar nem sequer entramos no bloco e assim nao chamam nenhum professor. vamos para a sala de convivio fazer tpc's ou fazer umas revisoes para o testes que é bem mais util. ;D
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: Alex em 12.abr.2009, 20:52:44
Sou Professor... Mudar TUDO!
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: Back Room em 13.abr.2009, 10:50:18
Tanta mas tanta coisa...

Não me identifico minimamente com a forma como os programas estão estruturados nem com a mentalidade existente desde a base.

No Secundário, são ridículos os programas e os professores de todas as disciplinas da Área de Línguas e Humanidades. A mentalidade é: decorar, decorar, decorar. Decorar regras e pormenores sem significado, esquecendo a preparação dos alunos para a vida e negligenciando qualquer tipo de incentivo ao livre pensamento e opinião.
A verdade é que, um aluno de Humanidades do Secundário, não tem que saber pensar. De todo. E isso entristece-me imenso e limita muito o desenvolvimento intelectual dos alunos.

Neste âmbito, MUDAVA TUDO. Acho uma vergonha que se dê Os Maias num 11º ano com os alunos a simplesmente ter que decorar notas debitadas por um(a) professor(a), sem serem minimamente incentivados a perceber Eça e o que ele escreveu.
Três anos de História em que simplesmente se tem que decorar livros e espetar no teste, já pensaram como daria jeito os alunos entenderem o que se passou depois do Crash da Bolsa de NY (no contexto da crise actual), em vez de simplesmente irem chapando a cronologia no teste?
Para não falar do programa da disciplina de Filosofia, que é ridículo.



Mais concreto, é OBRIGATÓRIO:

- Educação Sexual, for god sake! Nem se discute. Do preparatório ao fim do secundário.

- Educação Musical obrigatória, do primário até ao fim do preparatório. Incrível as competências que uma criança desenvolve através de um instrumento musical, bem exploradas por exemplo em países nórdicos. Vai desde o desenvolvimento intelectual e interesse pela arte ao desenvolvimento físico, de autonomia e fortalecimento muscular.
Título: Re: escolas ou depósitos?
Enviado por: MisticThought em 26.mai.2009, 01:21:08
Há uma coisa que se calhar não está a vir ao de cima e a ser lembrada. Há um sem número de actividades que podem ser realizadas dentro de uma sala. Actividades que estimulem o cerebro, que motivem a inspiração, que puxem pelas capacidades dos alunos.

Eu estudo arquitectura, e de certa forma deixa-me triste que se pense que tudo o que poderá ser benéfico para um aluno deverá ser feito fora de portas. Há professores no meu curso que se queixam das limitações que a mente adulta tem, porque não foi exercitada, porque não foi puxada e motivada.

Um exemplo: se eu vos pedir para desenharem os vossos amigos, ou até uma casa, uma simples casa como voces quiserem, o vosso primeiro pânico começa ao olharem a folha branca, sem saberem muito bem como começar. Há depois uma data de processos mentais que vos bloqueiam, a vossa experiência de vida, todo o vosso pensamento.
Se eu fizer o mesmo pedido a uma criança, ela desenhará sem hesitar os amigos, familiares, o cão... a casa com a família à porta e o cão mais ao lado com a lingua de fora a correr. Essa mesma criança uns anos depois estará no mesmo dilema, no mesmo processo mental, bloqueada...

A mente é algo misterioso mas ao mesmo tempo algo tão bonito e cheio de capacidades! Porque não explora-las? Porque é que se estimula consequentemente os jovens a fazerem tudo aquilo que regride o cérebro?


Por favor...
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: yoggi em 20.jul.2009, 00:04:47
Simplex! MUDAR TUDO!  lol  a ministra que vá dar banho ao cão
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: Elijah Keat em 20.jul.2009, 00:22:44
Tanta, tanta coisa... que seria impossível fazê-lo. Teria que se parar o ensino uns anos, para se poder começar tudo de novo.

A mim incomoda-me o facto de ver gente inteligentíssima ser passada para trás por tirar más notas, por exemplo. Incomoda-me também o ensino de filosofia obrigar a decorar conceitos, e não a pensar, que deveria ser o objectivo. Irrita-me em português haver uma abordagem a muitas obras portuguesas ou de países lusófonos apenas por esse motivo, quando a arte é transversal aos países de onde vem. Não concordo com o programa de educação física, que contempla os mesmos desportos ano após ano após ano (comigo tem sido assim).

Tanta coisa que deveria ser mudada.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: KreaTor em 19.dez.2009, 18:13:20
e agora a nova ministra da educação ... opiniões?

axam que vai mudar alguma coisa? ou vai tudo ficar na mesma? ou será que pode até piorar?

Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: Kiko20 em 19.dez.2009, 19:42:04
- No secundário, os alunos que optassem por ir para o Ensino Superior, teriam todos no 10.º e 11º Português, Inglês, Filosofia e Sociologia/Antropologia (colocando aqui a educação para a cidadania). O resto das disciplinas o aluno escolhia de acordo com as suas preferências e de acordo com o curso que pretendesse seguir no Ensino Superior. Acabavam assim os alunos que perdem anos por mudar de área;

- Décimo-terceiro ano. Melhor entrarem um ano mais tarde na faculdade mas com conhecimentos base bem assentes do que andarem depois a arrastar cadeiras de Análise Matemática ou Química Geral;

- Mini-cursos formativos com diploma no secundário: curso de cozinha, gestão do tempo, gestão das finanças pessoais, como fundar uma empresa, etc;

- Manuais menos infantis no Ensino Secundário, com menos bonequinhos e mais texto;

No Superior:

- liberalização do plano curricular: o aluno escolhe as cadeiras que quer fazer, paga as propinas de acordo com o número de cadeiras que faz num ano e tem um prazo de 4 anos para cursos de 3 e de 7 para cursos de 5. Após este prazo, paga uma propina mais elevada; assim, alunos com mais capacidade de trabalho podem fazer o curso mais depressa (isto é comum em Inglaterra e nos EUA), e alunos reprovados podem recuperar as cadeiras em atraso e acabar o curso no prazo previsto; ainda permitiria que alunos escolhessem cadeiras de outros cursos dentro da mesma faculdade ou universidade;

- avaliação dos professores no Ensino Superior;

- adequar as vagas à capacidade das instalações;

- avaliação contínua com testes e frequências ao longo do semestre, em vez de exames finais.

Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: johny.n.1986 em 04.jan.2010, 00:55:14
De um modo muito básico, acrescento o seguinte:
i) Aumentar o grau de exigência. Este é um dos factores explicativos para o diferencial de médias entre os colégios privados de topo e as escolas públicas.
ii) Algo extremamente complicado de pôr em prática... Acho que a aprendizagem implica um certo acompanhamento e rigor em casa, feito pelos pais. Nem todas as famílias o fazem.
iii) Desenvolver o raciocínio analítico e não apenas o cálculo, puro e duro. 
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: .Eduardo em 18.jan.2010, 04:38:11
Pois bem, antes de me ir deitar deixo aqui as minhas propostas.

Ensino secundário:
1.   Os professores estão na escola para ensinar. E os alunos para aprender. Devolver a autoridade aos professores!
2.   Tanto os alunos, como professores devem ser avaliados. Exigência no ensinar, mas também no aprender.
3.   Deve ser a própria escola a apostar nos alunos com mais dificuldades de aprendizagem, através de salas de estudo, aulas suplementares, explicações.
4.   Para que uma cadeira de Português A e outra de Português B (no meu tempo haviam 2! (afinal só há um português!)
5.   As Bibliotecas deviam ter um horário alargado de funcionamento, incluindo porventura  os fins-de semana e deveriam estar dotadas dos mais recentes dicionários, softwares, livros, computadores etc.
6.   Acesso Banda Larga para todos os computadores (acho que isso já foi feito).
7.   Supostamente agora não se chumba por faltas. A escola não pode ser facilistista, já que estamos a formar cidadãos e fora dos portões da escola ninguém facilita. Por isso, alunos com mau aproveitamento escolar devem ser encaminhados para as áreas para as quais estão mais vocacionadas (cursos profissionais).
8.   Em Portugal toda a gente tem que ser Dr. E com base nisso temos cursos, como os do Ensino (professor, educador) com uma baixa taxa de empregabilidade, para não dizer outros. Supostamente há uma grande aposta em cursos profissionais actualmente!
9.   Escolas com as melhores condições (de recursos, como de instalações);
10.   Apoio efectivo para as pessoas mais carenciadas (tentar evitar as fraudes que se assiste na atribuição do SASE);
11.    Disciplinas obrigatórias em todos os agrupamentos: Português, História, Inglês, Educação Sexual (só a partir do 11º ano), Formação Cívica (uma disciplina mais voltada para a realidade prática do dia-a-dia, acho q estou a citar alguem);
12.   Aulas de substituição para manter (mas tem que ser reformulados os seus propósitos);
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: strings em 18.jan.2010, 15:33:35
Acabar com um departamento centralizado que acha que sabe gerir bem todas as escolas do país.

Como neto de uma directora pedagógica, vivo na pele todos os dias as frustrações de uma gerência castrada por entidades reguladoras, comprometendo a qualidade do seu trabalho.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: JL em 18.jan.2010, 18:54:41
Primeiramente, a mudança tem de passar, e muito, pelos jovens. Isto porque alunos do 2º ou 3º ciclo que saem para a rua a reclamar algo de que não têm informação nenhuma, usando isso para faltar às aulas, não tem cabimento nenhum. Já para não falar na educação que se inicia no ambiente familiar.

Falta incentivar e aliciar os alunos para um futuro sólido em termos de carreira, portanto terá de se pegar em mais pontas para além da educação (falo na situação do desemprego e saídas profissionais).

Falta método nas formas de ensino dos professores...quantas vezes eu não assisti a aulas em que o lema era despejar matéria à força toda, de forma monótona e secante. Há que investir em métodos interactivos, que prendam a atenção e concentração dos alunos. Rigor, juntamente com este tipo de aprendizagem, é um passo largo para os bons resultados. E falo por experiência própria, porque posso garantir que sempre necessitei de aulas dinâmicas, em que não era apenas a ler, ou apenas a ouvir, que se aprendia. Era ver, ouvir, interagir. E o rigor é essencial! Muitas vezes pensei que preferia andar numa escola privada do que pública, por necessitar de ser "obrigada" (no sentido do incentivo) a ter bons resultados.

Não será mau investir também em mais testes durante os períodos e semestres, para não acontecer o que geralmente acontece: acumular 200 páginas ou mais para estudar de cada vez e que normalmente fica para a véspera; enquanto que se a avaliação fosse, de facto, contínua, as formas de avaliação eram constantes. E não falo apenas de testes escritos individuais; falo de trabalhos em grupo, trabalhos individuais, testes de grupo, testes individuais, testes orais, etc., realizados frequentemente.

Eu própria posso evidenciar que do secundário para o ensino superior, a diferença é muita em termos de métodos de aprendizagem e de estudo do aluno; E o método de estudo a que estamos habituados no secundário não nos serve de nada no Superior. Mas a lacuna não existe apenas na transição destas fases...acontece exactamente nas transições entre o 1º para o 2º ciclo, e deste para o 3º, e deste para o secundário. Falta igualmente dar total apoio financeiro aos alunos...não tem cabimento pagar 300 euros por filho no básico por causa de livros e material escolar (mas claro, custa muito tirar metade dos salários bilionários dos nossos caros bancários, ministros, etc.); Será, portanto, necessário modificar muitas coisas.

Falando agora das famosas aulas de substituição, posso começar por referir que sou totalmente a favor, mas não como estão implementadas (ou estavam, no início) em que não tinham qualquer organização ou sentido. Uma aula de substituição devia ser isso mesmo. Um professor de uma determinada disciplina faltava e, quem nos vinha dar aula, era outro professor habilitado para a mesma disciplina, porque foi na minha altura em que se implementou essa medida e posso já dizer que essas aulas eram passadas a jogar cartas.

O tempo de férias e de aulas, ou os horários escolares, também devia ser tudo reformulado. E jamais admitiria que um aluno meu utilizasse a força física ou até verbal na minha aula, portanto, devolvam a autoridade aos professores (mas isso, claro, já vem do próprio professor).

Sinceramente, não me importava nada de ser o Eng. José Sócrates ou a cara ministra Isabel Alçada. Ah, e concordo totalmente com as implementações a nível do investimento tecnológico nas escolas e, claro, com as renovações das instalações escolares.
Título: Re: O que mudar na educação em Portugal?
Enviado por: alexalex em 03.fev.2010, 14:08:23
Li aqui alguns tópicos que me deixaram mesmo surpreendido,.. mas enfim!

Eu concordo plenamente que os profs devem ter toda a autoridade dentro de uma sala de aula e que hoje em dia dá--se muitas facilidades aos "alunos rebeldes".
Mas temos que nos pôr em todas as situações quando analisamos um caso. O que mais me irrita é os professores em constantes greves a exigiram x e y... Meus amigos, os professores (e acho que já assim é, e se não é, vai ser para todos os funcionários públicos) devem reger-se pelo código do trabalho como qualquer outro trabalhador... Não temos que andar a pagar por regalias dos outros... Antes (não sei de ainda o é) um professor tinha o direito de faltar um dia por mês sem o justificar e receber o salário como se fosse uma falta justificada... Acham isto normall??? Ser a um professor lhe apetece ficar a dormir até ao meio-dia e não ir trabalhar, fica e ainda recebe por isso... Sei de casos (prof. não do Ensino Superior) que se reformaram ás 55 anos com 2500€... como é que um país aguenta isto??? E ainda por cima não considero uma profissão tão prestigiada, nem dificil. Adorei muitos dos meus professores e continuo a gostar muito e acho que aprendi muito com eles. Mas se fosse uma profissão muito difícil, não havia tanta gente a candidatar-se para ser professor...
Quanto à avaliação...Concordo que se revoltem contra o modelo... Algumas coisas estão incorrectas... Mas eu vi muitos professores a queixarem-se da avaliação mesmo... E quando esteve para ser implementado, as aulas estavam a 3 meses de terminar... Eu ouvi, profs com a lata de dizer: Só temos 3 meses para mostrar-mos que somos bons profs... Isto é vergonhoso... Um prof tem que ser um bom profissional SEMPRE e não só quando se submete a uma avaliação..
E quanto ás aulas de substituição, acho muiito bem... eu estudei numa escola semi-privada onde haviam aulas de substituição e nenhum de nós morreu por isso!!
Título: Re: O Ensino em Portugal
Enviado por: anjo azulado em 12.fev.2010, 01:17:03
Acho que tem falhas, tenho uma deficiência auditiva e nunca tive direito a ensino especial, como resultado disso passava o tempo distraido na sala de aula e os professores nada fizeram para resolver a minha distração.
Título: Ser professor - discussão
Enviado por: pedrosilvaesc em 01.jun.2014, 10:01:16
Ontem durante uma enorme viagem de autocarro do Colombo até casa deparei-me com gente que não parava de falar mal dos professores, falavam tão, diziam que os professores devem fazer os exames para se habilitarem a serem professores (logo perante isto pergunto-me que andaram a fazer na faculdade, se têm canudo que os habilita a serem professores, porque teriam de fazer exames que os habilita de facto a serem professores), os professores têm de se sujeitar ao que o ministério da educação diz, os professores isto, os professores aquilo, etc...Ora quem me conhece muito bem não sou pessoa de ficar calada e se achar algo incorrecto sou o primeiro a falar e logo aí começou a peixeirada porque não gostei mesmo de ouvir o que estavam a dizer, nem toda a gente é perfeita, nem todos os professores têm o dom de captar a atenção dos alunos nas aulas e de lhes mostrar o que fazer com o conhecimento que adquirem. Ninguém se pode considerar bom em nada, isso é o fim de tudo, mas tenta-se melhorar todos os dias. Deve haver uma insatisfação em toda a gente no sentido de poder melhorar, um bom professor tem de "ver as diferenças entre os alunos e levá-los a entendê-las e respeitá-las". Mesmo com a situação de instabilidade que muitos professores atravessam em Portugal, a maioria dos que abraçam a profissão para toda a vida têm dado provas disso, mas será mesmo isto verdade? A verdade parece-me óbvia! É UMA VERGONHA A MANEIRA COMO OS PROFESSORES SÃO MALTRATADOS NÃO SÓ PELO c***** DO MINISTRO, PELO RESTANTE GOVERNO E RESTANTES CIDADÃOS QUE NEM SONHAM O QUE É SER PROFESSOR E A VIDA DO MESMO! Juro que me irritei com as senhoras que falavam mal dos professores e que disseram aquilo que referi anteriormente! Apenas digo o seguinte algumas dicas como ser professor de um ex-aluno que andou na escola mais de 12 anos lectivos e que teve a oportunidade de ser grande amigo de muitos professores e que convive com muitos e ouve o que eles dizem, contam a forma como é a profissão e como são tratados. Nunca um professor deve: elogiar apenas os resultados, querer ser visto como amigo dos alunos, confundir a forma com o conteúdo: tem de ter capacidade de transmitir e de fazer os alunos aprenderem, não sendo apenas um bom orador, não resultarem consequências da aula: as aulas não podem ser apenas um cumprimento de calendário e uma forma de ocupar o tempo. Da aula terá de resultar sempre algo: ser popular, advertir ou punir interrompendo a aula, usar as tecnologias de forma inadequada, não cumprir com as regras estabelecidas, ser excessivamente crítico e improvisar. Um professor deve sempre: cumprimentar os alunos com entusiasmo, encarar os primeiros minutos da aula como sendo absolutamente determinantes, começar a aula com uma pergunta em jeito de desafio, recorrer a âncoras ou organizadores prévios: A maioria dos alunos têm mais facilidade em compreender uma nova matéria se a relacionarem com outra que já era do conhecimento do professor, sempre que possível arranjar uma analogia que ajude a ilustrar o que se está a dizer. Pode ser muito importante para a compreensão do aluno, é importante explicar ao aluno a utilidade da matéria, complexidade tem de aumentar à medida que a matéria é exposta, procurar utilizar conceitos e uma sequência lógica de exposição da matéria, as aulas devem ser sempre passadas com algum humor, sobretudo quando está directamente relacionado com a matéria, fazer o ponto da situação é importante para ajudar alguns alunos que têm desconcentrações momentâneas e perdem o sentido sobre o que está a ser exposto. Espero que aquelas senhoras da peixeirada que armei ontem no autocarro pensem muito bem antes de falar de quem um dia lhes ensinou a ler, escrever, tudo e mais alguma coisa! Agora depois de lido isto como fazer o que anteriormente foi dito com um ministro da educação também ele professor que maltrata os da sua profissão? Dá na cabeça para fazer aqueles ridículos exames? Por mais quanto tempo tem-se de aturar ministros, governos e afins? Até quando??? Eu digo que ser professor hoje em dia é pura paixão pela profissão ou algo do género, porque ser professor hoje em dia é uma profissão degradante, precária, onde não é dado o devido valor a quem exerça esta profissão! Ser professor não é fácil, é a minha opinião pessoal de um ex-aluno, sim é verdade, mas que já sentiu na pele o que é ser professor, quem o é, como vive alguém que anda quilómetros e quilómetros para exercer a sua profissão, ir para a escola a chorar porque não lhe é dado o devido valor, preservar a qualidade de ensino nas escolas, é indispensável preocupar-mo-nos seriamente e imediatamente com a saúde dos professores, com uma classe docente desvalorizada e maltratada, longe vão os tempos em que os professores "brilhavam" e em que a escola era considerada uma "fonte sagrada". Preguiça, incompetência, oportunismo, falta de profissionalismo, fuga ao trabalho são algumas das características que as mensagens provenientes do Ministério da Educação foram deixando passar para a opinião pública. Os professores precisam de preparar as suas aulas, de estudar continuamente para aprofundar os seus conhecimentos da matéria que ensinam e de outras áreas fundamentais ao exercício da sua profissão, de corrigir trabalhos e de realizar um sem-número de outras tarefas fora das aulas, o Ministério da Educação foi reforçando a ideia, previamente existente na opinião pública, de que os professores trabalham pouco, limitando-se a "dar umas horitas" de aulas. Assim surgiram as aulas de substituição, bem mais desgastantes do que uma normal, no tempo de redução da componente lectiva que, devido à idade, ia sendo atribuída por reconhecimento do desgaste que a profissão acarreta. Assim se vão já levantando vozes sobre a ocupação dos professores nas interrupções lectivas do Natal, do Carnaval e da Páscoa (como se não estivessem sobejamente ocupados na preparação e realização de reuniões de avaliação e na preparação do período escolar seguinte). Quanto às aulas de substituição, elas padecem de uma indefinição terminológica. Quando se fala com pais e encarregados de educação, trata-se efectivamente de aulas, para que saibam que os seus filhos estão ocupados com aulas sempre que estão na escola. Quando se fala com professores, não existem aulas de substituição que, por artes mágicas, se transformam em actividades de substituição, para poderem fazer parte da componente não lectiva. Não questiono as vantagens da ocupação plena dos alunos, mas tão-só a forma como ela se tem vindo a efectuar e a desvalorização da imagem dos professores - pouco trabalhadores - que ela traz implícita. Quanto ao abandono escolar, a responsabilidade exclusiva dos professores neste grave problema é afirmada pelo Ministério da Educação ao apontá-lo como critério a ter em conta na avaliação dos docentes, ora ouvir isto no autocarro que apanhei ontem para casa é chocante! Ora todos nós sabemos que o facto de o abandono escolar não ser maior deve-se à intervenção de professores e de outros profissionais, como, por exemplo, os psicólogos escolares, que ultrapassam as suas funções e desdobram-se em esforços para conseguirem levar muitos alunos à escola, realizando, por vezes, verdadeiros "milagres". Deparam-se esses profissionais com famílias completamente desestruturadas pela miséria, pelo desemprego, pela doença, pela prisão de pais e/ou irmãos, pela droga e por outros flagelos e lutam contra a falta de apoios institucionais e sociais. Noutros países, existem medidas de apoio às famílias e os pais são responsabilizados pela assiduidade dos filhos, sendo tomadas medidas para que exerçam as suas funções parentais. No nosso país, essa responsabilidade sobra para os professores. Com uma classe docente desvalorizada e maltratada, longe vão os tempos em que os professores "brilhavam" e em que a escola era considerada uma "fonte sagrada". Ainda vale a pena ser professor? Mesmo para quem gosta muito da profissão, vai sendo cada vez mais difícil conseguir encontrar argumentos positivos para colocar no prato "sim" da balança em contraponto aos sucessivos e rudes golpes que a profissão tem vindo a sofrer e que a fazem inclinar para o prato do "não". Por quanto tempo terão os professores de viver assim?