rede ex aequo

Olá Visitante07.mai.2021, 23:29:20

Autor Tópico: Elogios!  (Lida 53420 vezes)

 
Elogios!
#120

Offline Odra

  • *****
  • Membro Vintage
  • Género: Masculino
  • Welcome to the Town of Gay! ;D
Deixo o meu elogio a todas as pessoas que até hoje se voluntariaram para tornar a rede ex aequo uma associação em constante mudança e com uma missão pela qual dá motivação lutar todos os dias.

Faço minhas as palavras do nevertoolatetobehappy. A rede ex aequo não seria o que é sem a ajuda, o empenho e a dedicação de todxs xs seus voluntárixs. [smiley=feliz.gif]

Para finalizar, adorei este elogio que me foi feito um dia destes:  :blush

Responder
és grande homem foste lá só para lhe dar um beijinho  :)

Obrigado! :D
    Estamos a fazer um jogo. Lançam-se os dados e quem obtiver maior pontuação faz uma pergunta aos restantes jogadores. Utilizaremos um dado com 20 lados. /roll 1d20

    Nível de originalidade: o mais alto de todos!
    lol

    Elogios!
    #121

    Offline ÉssePê

    • *****
    • Membro Ultra
    • Género: Feminino
    • As pessoas não mudam. Revelam-se.
      • My Dream's ♥
    Deixo o meu elogio a todas as pessoas que até hoje se voluntariaram para tornar a rede ex aequo uma associação em constante mudança e com uma missão pela qual dá motivação lutar todos os dias.

    Faço minhas as palavras do nevertoolatetobehappy. A rede ex aequo não seria o que é sem a ajuda, o empenho e a dedicação de todxs xs seus voluntárixs. [smiley=feliz.gif]

    Para finalizar, adorei este elogio que me foi feito um dia destes:  :blush

    Responder
    és grande homem foste lá só para lhe dar um beijinho  :)

    Obrigado! :D

    Adoro e concordo plenamente  :P
      "Às vezes ouço passar o vento, e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido."

      Elogios!
      #122

      Offline unfold

      • ***
      • Membro Total
      Enquanto estava sentada à mesa da esplanada e se perdia em deambulações, olhando as deambulações de quem a rodeava, pegou numa sensação que a acompanhava há algum tempo. Elogios, elogios... tinha recebido alguns em algumas chamadas e mensagens de amigos. Mas pode haver algo terrível e fracturante nos elogios. Inicialmente podem saber bem, principalmente quando vindos de amigos de quem tanto se gosta, mas, têm despertado sensações menos boas em si. Levantou-se, quase como um autómato, e dirigiu-se ao balcão. O senhor atrás do balcão pensou que queria algo do estabelecimento.
      - O que deseja?
      - Saber uma coisa, se me permite. Gosta de elogios?
      - Perdão?
      - Só quero saber se gosta de elogios. Gosta? Gosta de ser elogiado?
      - Sim, acho que sim. Quem não gosta? Mas porquê?
      - Obrigada. Nada, não ligue. Era só isso.


      Voltou para a esplanada a remoer. Não conseguia perceber bem o que ia dentro dela. Começou a escrever num bloco, para organizar as ideias. Escreveu a palavra "elogio" várias vezes, com grafias distintas. Finalmente deixou a tinta descrever o que lhe ia na alma: Elogios. Pode haver algo belo nos elogios, mas ultimamente não me fico por ai. Pode haver algo belo nos elogios, mas há algo que me fractura quando os recebo. E porquê? Em primeiro lugar, porque não me reconheço neles, porque sinto que a pessoa que descrevem com elogios e boas qualidades, já não se encontra aqui. Ah, sim, da última vez chorei ao telefone, depois da ___ me ter elogiado e respondi-lhe que já não sou essa pessoa. Em segundo lugar, porque me lembram todos os elogios que não pude, ou não consegui, retribuir. Em terceiro lugar, porque me lembram o contraste entre quem ainda consegue ver-me assim, e quem, para além de mim, já não consegue.


      A sua voz interior vai avisando: "Cuidado com a forma como pensas de ti. Não te julgues em demasia. Talvez estejas a dar demasiada importância a eventos ou vozes que menos bem te fizeram e menos bem te conheciam. Talvez não sejas nada disso. Ouve quem te conhece melhor... talvez ainda consigas recuperar o que tens debaixo de todo esse pó do qual te cobriram para esconderem o teu brilho. Não coloques mais poeira onde já existe tanta. É assim tão difícil seres naturalmente tu? Podes não te julgar por um segundo?"


      Levantou-se, depois de arrumar as suas coisas, e dirigiu-se novamente ao balcão. O senhor atrás do balcão, desta vez, olhou-a um pouco intrigado, como quem se pergunta o que dali viria daquela vez. Perguntou-lhe:
      - O que deseja?
      - Qual o bolo que prefere? Qual escolheria para si?


      E após algumas considerações acerca dos vários bolos, indicou-lhe um deles.


      - Embrulhe um, por favor, com o máximo cuidado, como se o embrulhasse para a pessoa mais importante do mundo para si.


      Quando o senhor atrás do balcão, depois de ter pago, lhe deu a caixa, negou-a, dizendo:
      - É para si. Só porque, às vezes, nos esquecemos, na correria do dia a dia, de nós... de quem somos... e de que devemos ser a pessoa mais importante do mundo para nós. Aproveite e tenha um bom dia.


      (S. G.)
      « Última modificação: Domingo por unfold »
        Dress code: lealdade.
        Se as minhas derrotas tiverem o cunho da minha verdade, nunca foram derrotas: foram sempre vitórias do princípio ao fim.

        Elogios!
        #123
        Enquanto estava sentada à mesa da esplanada e se perdia em deambulações, olhando as deambulações de quem a rodeava, pegou numa sensação que a acompanhava há algum tempo. Elogios, elogios... tinha recebido alguns em algumas chamadas e mensagens de amigos. Mas pode haver algo terrível e fracturante nos elogios. Inicialmente podem saber bem, principalmente quando vindos de amigos de quem tanto se gosta, mas, têm despertado sensações menos boas em si. Levantou-se, quase como um autómato, e dirigiu-se ao balcão. O senhor atrás do balcão pensou que queria algo do estabelecimento.
        - O que deseja?
        - Saber uma coisa, se me permite. Gosta de elogios?
        - Perdão?
        - Só quero saber se gosta de elogios. Gosta? Gosta de ser elogiado?
        - Sim, acho que sim. Quem não gosta? Mas porquê?
        - Obrigada. Nada, não ligue. Era só isso.


        Voltou para a esplanada a remoer. Não conseguia perceber bem o que ia dentro dela. Começou a escrever num bloco, para organizar as ideias. Escreveu a palavra "elogio" várias vezes, com grafias distintas. Finalmente deixou a tinta descrever o que lhe ia na alma: Elogios. Pode haver algo belo nos elogios, mas ultimamente não me fico por ai. Pode haver algo belo nos elogios, mas há algo que me fractura quando os recebo. E porquê? Em primeiro lugar, porque não me reconheço neles, porque sinto que a pessoa que descrevem com elogios e boas qualidades, já não se encontra aqui. Ah, sim, da última vez chorei ao telefone, depois da ___ me ter elogiado e respondi-lhe que já não sou essa pessoa. Em segundo lugar, porque me lembram todos os elogios que não pude, ou não consegui, retribuir. Em terceiro lugar, porque me lembram o contraste entre quem ainda consegue ver-me assim, e quem, para além de mim, já não consegue.


        A sua voz interior vai avisando: "Cuidado com a forma como pensas de ti. Não te julgues em demasia. Talvez estejas a dar demasiada importância a eventos ou vozes que menos bem te fizeram e menos bem te conheciam. Talvez não sejas nada disso. Ouve quem te conhece melhor... talvez ainda consigas recuperar o que tens debaixo de todo esse pó do qual te cobriram para esconderem o teu brilho. Não coloques mais poeira onde já existe tanta. É assim tão difícil seres naturalmente tu? Podes não te julgar por um segundo?"


        Levantou-se, depois de arrumar as suas coisas, e dirigiu-se novamente ao balcão. O senhor atrás do balcão, desta vez, olhou-a um pouco intrigado, como quem se pergunta o que dali viria daquela vez. Perguntou-lhe:
        - O que deseja?
        - Qual o bolo que prefere? Qual escolheria para si?


        E após algumas considerações acerca dos vários bolos, indicou-lhe um deles.


        - Embrulhe um, por favor, com o máximo cuidado, como se o embrulhasse para a pessoa mais importante do mundo para si.


        Quando o senhor atrás do balcão, depois de ter pago, lhe deu a caixa, negou-a, dizendo:
        - É para si. Só porque, às vezes, nos esquecemos, na correria do dia a dia, de nós... de quem somos... e de que devemos ser a pessoa mais importante do mundo para nós. Aproveite e tenha um bom dia.


        (S. G.)
        os textos são teus? revejo me muito nas tuas publicações e desabafos :)

          Elogios!
          #124

          Offline unfold

          • ***
          • Membro Total
          Enquanto estava sentada à mesa da esplanada e se perdia em deambulações, olhando as deambulações de quem a rodeava, pegou numa sensação que a acompanhava há algum tempo. Elogios, elogios... tinha recebido alguns em algumas chamadas e mensagens de amigos. Mas pode haver algo terrível e fracturante nos elogios. Inicialmente podem saber bem, principalmente quando vindos de amigos de quem tanto se gosta, mas, têm despertado sensações menos boas em si. Levantou-se, quase como um autómato, e dirigiu-se ao balcão. O senhor atrás do balcão pensou que queria algo do estabelecimento.
          - O que deseja?
          - Saber uma coisa, se me permite. Gosta de elogios?
          - Perdão?
          - Só quero saber se gosta de elogios. Gosta? Gosta de ser elogiado?
          - Sim, acho que sim. Quem não gosta? Mas porquê?
          - Obrigada. Nada, não ligue. Era só isso.


          Voltou para a esplanada a remoer. Não conseguia perceber bem o que ia dentro dela. Começou a escrever num bloco, para organizar as ideias. Escreveu a palavra "elogio" várias vezes, com grafias distintas. Finalmente deixou a tinta descrever o que lhe ia na alma: Elogios. Pode haver algo belo nos elogios, mas ultimamente não me fico por ai. Pode haver algo belo nos elogios, mas há algo que me fractura quando os recebo. E porquê? Em primeiro lugar, porque não me reconheço neles, porque sinto que a pessoa que descrevem com elogios e boas qualidades, já não se encontra aqui. Ah, sim, da última vez chorei ao telefone, depois da ___ me ter elogiado e respondi-lhe que já não sou essa pessoa. Em segundo lugar, porque me lembram todos os elogios que não pude, ou não consegui, retribuir. Em terceiro lugar, porque me lembram o contraste entre quem ainda consegue ver-me assim, e quem, para além de mim, já não consegue.


          A sua voz interior vai avisando: "Cuidado com a forma como pensas de ti. Não te julgues em demasia. Talvez estejas a dar demasiada importância a eventos ou vozes que menos bem te fizeram e menos bem te conheciam. Talvez não sejas nada disso. Ouve quem te conhece melhor... talvez ainda consigas recuperar o que tens debaixo de todo esse pó do qual te cobriram para esconderem o teu brilho. Não coloques mais poeira onde já existe tanta. É assim tão difícil seres naturalmente tu? Podes não te julgar por um segundo?"


          Levantou-se, depois de arrumar as suas coisas, e dirigiu-se novamente ao balcão. O senhor atrás do balcão, desta vez, olhou-a um pouco intrigado, como quem se pergunta o que dali viria daquela vez. Perguntou-lhe:
          - O que deseja?
          - Qual o bolo que prefere? Qual escolheria para si?


          E após algumas considerações acerca dos vários bolos, indicou-lhe um deles.


          - Embrulhe um, por favor, com o máximo cuidado, como se o embrulhasse para a pessoa mais importante do mundo para si.


          Quando o senhor atrás do balcão, depois de ter pago, lhe deu a caixa, negou-a, dizendo:
          - É para si. Só porque, às vezes, nos esquecemos, na correria do dia a dia, de nós... de quem somos... e de que devemos ser a pessoa mais importante do mundo para nós. Aproveite e tenha um bom dia.


          (S. G.)
          os textos são teus? revejo me muito nas tuas publicações e desabafos :)

          São. Obrigada. Fico feliz se puderem fazer bem a alguém! :)
            Dress code: lealdade.
            Se as minhas derrotas tiverem o cunho da minha verdade, nunca foram derrotas: foram sempre vitórias do princípio ao fim.

            Elogios!
            #125

            Offline Sinvastatina

            • **
            • Membro Júnior
            • Género: Feminino
            • Vegetariana, Praticante de Yoga, Adoro ler.
             Ola Unfold.. parabéns.. tens muito jeito para a escrita. adorei o teu texto.
            Muito Bom e sim faz falta mais elogios em vez de críticas.


              Elogios!
              #126

              Offline unfold

              • ***
              • Membro Total
              Ola Unfold.. parabéns.. tens muito jeito para a escrita. adorei o teu texto.
              Muito Bom e sim faz falta mais elogios em vez de críticas.



              Obrigada! :)  (Vou enviar mp, porque quero responder-te de forma mais personalizada sobre elogios e críticas, sem expor tanto por aqui).
              « Última modificação: Terça-feira por unfold »
                Dress code: lealdade.
                Se as minhas derrotas tiverem o cunho da minha verdade, nunca foram derrotas: foram sempre vitórias do princípio ao fim.