Outras Conversas > Artes & Letras

Escritores e Poetas da rede

<< < (156/157) > >>

JessicaLubrano:
Bem, já não cá voltava há tanto tempo.
Deixo aqui uma entrevista que me fizeram, uma abordagem à minha escrita:
http://entrerimaspoesia.blogspot.pt/2018/03/segunda-entrerima-jessica-lubrano.html?spref=fb&m=1

sleepy_heart:
Daqui a 100 livros conversamos
Daqui a 100 livros já não seremos os mesmos
Daqui a 100 livros tomamos café
Quantas páginas serão 100 livros senão apenas o acaso dos livros que forem lidos?
Daqui a 100 livros será menos do que daqui a 100 anos, dependendo do/a leitor.
Daqui a 100 livros olharemos estáticos um para o outro. O café pode arrefecer. O silêncio não será mais que o conforto de dois velhos amigos.
Daqui a 100 livros é já daqui a pouco para mim, mas ninguém disse que era no meu ritmo de leitura. Até daqui a 100 livros e que a vida escolha o leitor.

Evans:
Geração não sei, não tem
Geração de alma refém
Da procura mais além
Última esperança, futuro na balança

Sempre a correr
F*der para esquecer
Fazemos tudo, até morder

Espírito inegável
Dito irresponsável
Raramente aceitável.

newcoldheart:

--- Citação de: sleepy_heart em 27 de Janeiro de 2019 ---
Gosto do amor simples, verdadeiro, sem jogos, sem gatos e ratos, sem toca e foge, sem o calculismo de quem quer responder logo mas faz esperar para não se dar, gosto do amor leve, do amor que bebe devagar e aprecia o momento, do amor demorado, mas não suspenso, gosto da constância, gosto da partilha, do encaixe dos tecidos profundos envolvidos pela alma, gosto de quem fica, também gosto de quem vai e gosto mais ainda de quem entra e não sai.

--- Fim de Citação ---

Gosto muito de tudo isso também. E mais ainda da forma simples como o descreves!

Fernando Pinheiro:
Gaia Severa

Vi algo que era insólito e ao mesmo tempo arrepiante; e que era a prova que a Natureza pode ser cruel e que são mesmo assim as coisas do foro físico do nosso Macrocosmo. Por vezes deambulo por Almada observando os Almadenses como se bichos raros se tratassem; vejo os cafés, as cavaqueiras, os restaurantes, os monumentos, a cultura, popular e erudita. Vejo tudo. Vejo até os mendigos inominados e os animais vagos que mais ninguém vê. Omnia video. Quando se contempla com minudência, tudo é apreendido. E é nestas deambulações por Almada que observei os pombos a comer nas montureiras ao pé de uma loja-de-conveniência chinesa. Inclusive, vi pombos a esquadrinhar com debiques um ossículo carnudo e róseo que tinha sido corroído por influência humana e por esta desperdiçado e atirado para o buraco mefítico dos caixotes verdes. Mas os animais irracionais e desprovidos de autoconsciência não desperdiçam comida, mesmo aquela que lhes é estranha. Isto foi há um tempo. Recentemente no dia 06 de Junho de 2018, vi algo similar, se a minha ideia que os columbos* só comiam grãos foi destruída, então a minha noção que as gaivotas só comiam peixe foi dilacerada. Quando ia ao Pingo Doce fazer compras vi uma cena formidável e truculenta. Era a predação acerca do Pingo Doce. Notei uma gaivota com o bico sanguinolento a debicar com ferocidade numa carcaça de um pombo morto. Eu olhei para ele e ele olhou para mim e parou de devorar. Lembrei-me dos velocirraptores do "Jurassic Park: Parque Jurássico" ou dos leões da "Vida Selvagem" mas em ponto pequeno pois eu como Homem sou muito mais perigoso para a gaivota do que ela para mim. Ela não comia e só voltou ao seu manjar columbino quando me fui embora. Mais tarde depois de eu ter feito as compras, a gaivota ainda estava lá e eu vi ela atirar-se volantemente e tentar caçar em vão os outros pombos que estavam a comer poeira do chão pensado erroneamente que eram grãos. É claro que a gaivota não foi bem-sucedida pois os pombos voaram para longe. Longe da gaivota esfaimada que provavelmente não tem onde comer no vasto rio Tejo cada vez mais conspurcado pelo Homem. É a sobrevivência. É sorumbático. É macabro. Mas é assim a Natureza. É assim o Universo.


*columbo
substantivo masculino
(Neol.) Um pombo.
Etimologia: Do latim "columbus", <<idem>>


(Espero que gostem (ou odeiem...) este microconto. Façam críticas construtivas e honestas, de nada me serve as críticas desconstrutivas e desonestas como "é giro", "é horrível" ou "é pretensioso". Digam com precisão os defeitos ou as virtudes para assim eu poder melhorar no futuro.)


https://www.facebook.com/fernando.o.monstro/posts/1911370282246364



Navegação

[0] Índice de mensagens

[#] Página seguinte

[*] Página anterior

Ir para versão completa