Outras Conversas > Artes & Letras

Escritores e Poetas da rede

<< < (3/157) > >>

Ines:
;D ;D ;D

E aí vai um poema lol eu axo k tod@s temos um poeta dentro de nós (olhando p dentro p o encontrar lol)



Olho este mar,
Que espelha um sol intenso! E penso:
“-AI! Como eu queria olhar para ti agora,
e ver assim a minha alma espelhada nos teus olhos!...”
Mas nem eu sou mar...nem tu és sol...



:-* a tod@s

P.S. Poderiamos editar os poemas lol assim seria tb uma forma de mostrarmos a esta maravilhosa sociedade k a homosexualidade além de NÃO ser doença...afinal até é composta por pessoas k têns sentimento tão puros como os hetero ;) :D hmmmm k me dizem ??? :o :o :o lol

marazul:
"Sonhei um sonho
carnívoro gumoso largo
só de frutos...só de sumos
eram gritos...eram marés
de orquídeas em flor
de beijos maduros
dos desejos agudos
 
sonho inteiro
do ainda não vivido
quase pressentido
no lençol sedoso dos
líquidos
absurdos
suspiros
dos abraços
perdidos
estalados
na boca do luar."

Isabel Maria

:-* a todos

Ines:
:D Ganymedes lol mais uma vez uma excelênte ideia lol nada como partilharmos tb coisas tão simples como poemas...k tantas vezes nos fazem sorrir e outra chorar...mas são todos esses sentimentos k nos fazem sentir VIVOS, e afinal parecem ser coisas tão banais ;)

Então aki vai mais uma pekena partilha ;) :)


Estado de alma

Aqui estou eu mais uma vez
nesta noite fria e longa
sento-me aqui à mesa perto da lareira
com uma folha branca
onde crio um conjunto de letras
que me fazem desabafar os desgostos da vida;

onde procuro entender estes sentimentos irreais
e que ao mesmo tempo me sossegam o coração
amedrontado pela vida!...

Esta folha que era branca está agora cheia
de pensamentos, dor, incógnitas, porquês...
está preenchida contrariando o meu estado de alma
que agora está Vazia...


:-* a tod@s

bluejazz:
Vasto. É difícil agarrar a vida. Talvez porque ela nos engoliu. Ela é as nossas paredes. O tempo é a chegada e a partida dentro desse espaço. Mas será que o tempo existe? Será que a vida existe quando pulsamos inconscientes através dos dias em que ela nos parece tão leve como o ar? E porque é que é preciso doze badaladas para repentinamente. RE-PEN-TI-NA-MEN-TE-DONG-DONG-DONG-DONG-DONG. Nos lembrarmos disso. É impossível abarcar a vida ou o tempo. Mas ali está: uma biografia; as horas no mostrador do relógio. Talvez sejamos uma miragem para a vida e o tempo, talvez um ponto minúsculo no mapa. Mas em verdade, quantas vezes o mapa é nosso e a lupa também? Só vemos a vida e o tempo por meio de algo para além do nosso espírito: olhos, lentes, ecrã... O que é a realidade? O que é o espaço? O que é o tempo? Uma imagem... DONG-DONG... deixem-me voltar para ela. Que remédio?

Gent, 1 de Janeiro de 2000

Ines:
;D ;D ;D ;D ;D

lol e lá vai mais um poema  :D :D ;) este está muito...muito...muito...como direi...assim..especial, tlz...é fora do comum :D

Por isso antes de o lerem, é melhor sentarem-me confortavelmente e deixem-se levar....lol.... ;D ;D :o





Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,

até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.

Pablo neruda


:-* a tod@s

Navegação

[0] Índice de mensagens

[#] Página seguinte

[*] Página anterior

Ir para versão completa