Outras Conversas > Outras Conversas

O que mata o Amor?

(1/43) > >>

C0XINHA:
Há alguns meses alguém lançou esta pergunta... foi uma das conversas de café mais interessantes que tive.
Naquela ocasião chegamos a um certo consenso sobre uma das coisas: é sabermos prever o que @ noss@ parceir@ vai fazer, e particularmente em relação às reacções mais "negativas". É quando temos aquela sensação de que já não há aquele mistério ou que a pessoa deixa de nos surpreender.

Para vocês, o que mata o amor?

biri:

--- Citação de: C0XINHA em 9 de Junho de 2009 ---Há alguns meses alguém lançou esta pergunta... foi uma das conversas de café mais interessantes que tive.
Naquela ocasião chegamos a um certo consenso sobre uma das coisas: é sabermos prever o que @ noss@ parceir@ vai fazer, e particularmente em relação às reacções mais "negativas". É quando temos aquela sensação de que já não há aquele mistério ou que a pessoa deixa de nos surpreender.

Para vocês, o que mata o amor?
--- Fim de Citação ---

O 'que mata' é exactamente o oposto...é precisamente o facto de a pessoa nos surpreender (mesmo após a conhecermos melhor que a nós mesmos) e consequentemente as desilusões.

O mistério faz parte da paixão e após algum tempo, depois conhecermos melhor a pessoa do que ninguém, esse mistério transforma-se noutra coisa, transforma-se em magia, passando a paixão a chamar-me amor.


A pessoa deixar de ter mistério e deixar de nos surpreender, não é o que mata, mas o que alimenta


Quanto mais se conhece, melhor se percebe cada reacção, cada movimento, cada motivo. Além de perceber, acima de tudo compreende-se, compreende-se todos os pequenos detalhes, todos os sentimentos que são provocados na outra pessoa. A pessoa torna-se transparente como água. Conseguimos ver onde mais ninguém consegue. Conseguimos ver além do que nos quer mostrar. É isso que torna o poder de nos deixar de surpreender especial.


Se após conhecermos verdadeiramente a pessoa e essa nos começar a surpreender e a desiludir, é quando o que quer que haja começa a desfazer-se e a morrer e por muito que queiramos continuar a aguentar em memória ou saudades do que existiu, é pura estupidez. Águas passadas não movem, nunca moveram, nem nunca moverão moinhos. E por muito que nos custe, temos de deixar a água seguir caminho.



Respondendo à pergunta do tópico e repetindo o que já disse, são as surpresas desagradáveis e desilusões que mata o amor.

deep green eyes:
para mim, as desilusões e a monotonia da relação...

jaehora:
é pá.. o amor nao morrer apenas se transforma :-X é cmo akela lei do secundário que na naturaza nada se destroi tudo se transforma...

jonas3:

--- Citação de: jaehora em 9 de Junho de 2009 ---é pá.. o amor nao morrer apenas se transforma :-X é cmo akela lei do secundário que na naturaza nada se destroi tudo se transforma...

--- Fim de Citação ---
LOOOL
lei de Lavoisier.. na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma...

Navegação

[0] Índice de mensagens

[#] Página seguinte

Ir para versão completa